"Assim é: mas o Senhor mesmo tinha revelado a Pedro, que "deixar o tabernáculo" estaria próximo para ele (João 21,18.19 e 2 Pedro 1, 13-15) e, de resto, o seu coração estava transbordando da Vinda do Senhor (2 Pedro 1,16-19). Também Paulo sabia, pouco antes da sua morte, que a sua "Partida" estava próxima (2 Tm 4,6-8, comp Fp 1,23). Noutro lugar, contudo, ele deixa bem claro, que preferiria ser revestido, ou ter parte como vivo na Vinda do Senhor, em lugar de passar antes pela morte. Em 2 Co 5,1, diz ele: Sabemos que se a nossa casa terrestre, na qual habitamos, se desfizer, temos uma casa, não feita por mãos, eterna nos céus; isto quer dizer, um corpo glorificado, celestial. (Compare 1 Co 15, 2-50). E continua, conforme citei há pouco: "Porque neste tabernáculo gememos, desejando ser revestidos da nossa habitação celestial". E, logo em seguida: "Se bem que preferimos ser revestidos, e não despidos, para que o mortal seja absorvido pela vida". Então podemos inferir que existem duas possibilidades de se obter um corpo glorificado: 12, se formos despidos, isto é, deixar o corpo material, através da morte, e, mais tarde, ser vestido com o corpo glorificado; 22, poderemos ser revestidos, sendo o mortal absorvido pela vida, isto é, quando os crentes vivos forem transformados, e o mortal se revestir de imortalidade (1 Co 15, 1-54; Fp 3,21). Portanto, tratando-se de escolher entre morrer (dormir), ou ser revestido, a escolha não é difícil.
 
Por outro lado, se for para escolher entre estar no corpo (isto é, ainda não estar com o Senhor e carregar, no corpo as vicissitudes desta vida terrena) ou estar ausente do corpo, na presença do Senhor (2 Co 5,6-8), a escolha torna-se igualmente fácil: Estar com Cristo é muito melhor (Fp 1,23)." 
 
"O lugar definitivo dos crentes é, portanto, eternamente no céu. Sabe o senhor. que há algum tempo eu me admirei muito com Isso? Originalmente, foi dada a terra aos filhos dos homens (Salmo 115, 16) e, também, quando houver a nova terra, os homens viverão nela. (Ap 21,3). Como poderá ser, pois, que a Igreja habite para sempre na Casa do Pai?" 
 
"Esta pergunta subsiste com razão. Não é uma cousa tão natural assim, que a Igreja vá habitar definitivamente no céu, pois ali não é a morada original para o homem, mesmo depois da queda no pecado, nem ainda depois da redenção. A morada do homem é a terra. E não só agora, como também, por toda a eternidade. Os crentes de todos os tempos habitarão na nova terra, com corpos glorificados, ou ressuscitados. Lemos desta nova terra em Ap 21,3; o tabernáculo de Deus estará com os homens, e Ele Mesmo, habitará com eles. É bem verdade que os santos do Velho Testamento, os quais já dormiram, estão agora no Paraíso. Porém, o seu destino final será a nova terra, quando ela tiver passado pela mesma reno¬vação que eles também expe¬rimentaram na ressurreição. Mas, como é diferente a parte da Igreja! O Senhor Jesus foi preparar para nós um lugar na Casa do Pai, e prometeu: "Voltarei, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estou, estejais vós também". João 14,3. Aproximadamente 1 hora mais tarde, Ele disse: "Pai, eu quero que aqueles que Tu me deste, também estejam comigo para que vejam a minha glória, que me deste, pois me amaste antes da fundação do mundo" (João 17,24). 
 
E Paulo escreveu: "Nós seremos arrebatados ao encontro do Senhor nos ares. E assim estaremos para sempre com o Senhor" 1 Ts 4, 17. A esperança de Israel estava ligada à ressurreição dos mortos e à nova terra. (Veja entre outras, Jr 29, 11;31,17; Ez 37,11; Os 2,15; Atos 23, 6; 24, 15; 26, 6.7; Rm 2, 7). A esperança cristã, porém, é uma esperança que está reservada nos céus (Cl 1,5; 1 Pedro 1,3-4). Por outro lado, a esperança da vocação de Deus, que é resumida no fato de Ele nos ter escolhido para desfrutar de todas as bênçãos espirituais, nos lugares celestiais Ef 1,3-6.18. E logo Ele nos introduzirá na glória Rm 5,2; I João 3,2-3; CI 1,27; Tito I, 2; 2,13; 3, 7. Esta parte é somente dos crentes que estão ligados a um Homem ressuscitado e glorificado nos céus (Ef 1,13) e que, como garantia, receberam o Espírito Santo (Ef 1,13). Sobre isto já falamos." 
 
"O senhor falou também que depois do arrebatamento da Igreja, e antes do aparecimento do Senhor em glória, haverá acontecimentos Importantes, tanto na terra, como no céu. Em quais o senhor pensou?" 
 
"Pensei principalmente nas bodas do Cordeiro, que lemos em Ap 19,6-10. Não é sem significado que este acontecimento, tão importante, seja encontrado tão longe do capítulo 4 (onde vemos, pela primeira vez, a Igreja no céu), e tão próximo da Vinda gloriosa (a segunda volta de Cristo - cap 19,21; ... ). 
 
Ao menos dois acontecimentos devem ter se realizado antes. São dois requisitos: O que está exposto em Rm 14,10: "Porque todos compareceremos ante o tribunal de Deus" e em 2 Co 5,10 "Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo para que cada um receba segundo o bem ou mal que tiver feito por meio do corpo." 
"Sempre pensei que isso se aplicasse ao julgamento das ovelhas e dos bodes (Mt 25,31-46) e ao juízo do grande trono branco (Ap 20, 11-15). Porém, agora, assim me parece duvidoso." 
 
Devo contribuir?
Ao receber o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador, uma das primeiras coisas que você irá aprender é que Deus é amor. Como resultado disto, você logo perceberá que o amor precisa de uma forma prática para se expressar. Você aprenderá que há uma relação entre amar e dar. Deus é um Deus que nos dá muitas coisas. Amar e dar estão intimamente ligados nas Escrituras. “O Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim” (Gl 2:20), e “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito” (Jo 3:16). Continuar Lendo...
Desenvolvido por Palavras do Evangelho.com