NÃO ESTÃO TODOS “reunidos em seu nome”?

 

O desafio

Não estão todos reunidos ao Nome do Senhor Jesus? Se você já tentou explicar a um de seus amigos que você faz parte de um grupo de crentes que não adotam nenhum nome denominacional, mas se reúnem em nome do Senhor Jesus Cristo, então você provavelmente já foi confrontado por esse desafio. Em sua sinceridade e simplicidade, muitos tomam Mateus 18:20 para aplicar a toda e qualquer vez que dois ou três crentes se encontram. Pouco importa se é um café, uma pizza ou uma Bíblia. E certamente se aplica a quando eles “vão à igreja” e se encontram com outros cristãos.

Mas o que significa ser reunido ao Nome do Senhor? É aplicável a qualquer reunião de crentes a qualquer momento? Para qualquer grupo que se reúna para qualquer finalidade?

O contexto

Uma leitura de Mateus 18 deixará claro que o contexto da declaração do Senhor no versículo 18 é uma igreja local e não uma reunião informal de amigos ou um passeio social de crentes. “Diga isso à igreja” (v17) deve resolver a questão de que o cenário para o capítulo é um cenário de igreja e não uma reunião social ou informal. A investidura do grupo (v18) com a autoridade de “ligar e desligar” confirma que isso tem a ver com o governo da igreja.

Mas alguns objetarão e dirão que o Senhor está “em toda parte”; como podemos limitar Sua presença a uma igreja local?

O conceito

É importante distinguir entre a onipresença do Senhor e Sua presença aprovadora. Por exemplo, embora o Senhor seja onipresente, ainda assim lemos que Ele desceu no frescor do dia para andar com Adão (Gn 3). Ele desceu e habitou entre os querubins no tabernáculo com Israel no deserto (Êx 25:8, 22). Ele passou a residir no templo de Salomão (2Cr 7:1), sem comprometer Sua onipresença. Da mesma forma, o “crente inculto” de 1 Coríntios 14 aprendeu uma verdade vital enquanto observava a função da assembléia: ele aprendeu que “Deus está em vocês de verdade” (v25). Em todos esses casos, a presença de Deus foi possível por causa de condições que estavam em conformidade com Sua vontade. Declarações como “… como o Senhor ordenara a Moisés… Assim Moisés terminou a obra” (Êxodo 40:32, 33), e “… todas as obras do modelo” para o templo (1Cr 28:19), indicam que um modelo divino foi dado para assegurar a presença de Deus. No entanto, Deus nunca deixou de ser onipresente, mesmo quando assumiu Sua habitação entre Seu povo. Ele habita entre eles em comunhão; mas Ele enche o universo em Sua divindade. Enquanto Ele está presente em todos os lugares, Ele está em casa somente onde as condições são consistentes com Seu caráter.

Assim, quando as Escrituras falam da presença do Senhor, não é Sua onipresença que está em vista, mas Sua habitação. Além disso, todo crente é habitado pelo Espírito de Deus (Rm 8:9), é um templo para o Espírito Santo (1Co 6:19), e é a habitação do Pai e do Filho também (Jo 14:23). Mas isso não é o mesmo que Ele estar “no meio” de dois ou três.

Atos 19 relata a visita de Paulo a Éfeso e o tumulto e tumulto resultantes que ocorreram. Lucas emprega uma palavra três vezes em seu relato dos eventos: nos versículos 32, 39, 41 ele escreve sobre a “assembléia”. Na verdade, esta é a mesma palavra que é traduzida em outro lugar como “igreja” ou “companhia convocada”. Observe que no versículo 39, o escrivão da cidade insiste que uma assembléia deve ser “legal”, ou ter uma base correta para ser convocada. O desejo do povo de se reunir em assembléia não era em si uma justificativa para sua existência. Deve haver uma base para a coleta. Da mesma forma, há apenas uma base “legal” para se reunir como igreja local e essa é o Nome do Senhor Jesus Cristo. Como veremos, é tanto autoridade quanto adequação para se unir.

A Reivindicação

Mas a afirmação ainda está aí para você responder: se se refere apenas a reuniões de igreja, não é toda igreja “fundamental” que crê na Bíblia reunida ao Nome do Senhor? Como pode um grupo ser tão presunçoso e hipócrita a ponto de reivindicar um canto exclusivo em Sua presença?

Antes de tudo, sempre tenha em mente que a Palavra de Deus me é dada para julgar meu próprio caminho e não principalmente para eu julgar os outros. Eu não deveria estar tão preocupado em decidir que a presença do Senhor não está neste lugar ou naquele lugar, como deveria estar preocupado em ter certeza de que o que estou ligado está de acordo com Sua Palavra e, portanto, tem o direito moral de reivindicar Sua presença. Permita que Deus faça o julgamento. Não é apenas pendurar um texto de Mateus 18:20 em uma parede em algum lugar que assegura Sua presença no meio!

Com isso em mente, preciso examinar se o que estou associado é consistente com Sua presença. Não é a perfeição que estamos procurando, mas sim a consistência escriturística com o padrão para uma igreja do Novo Testamento que resulta de ser genuinamente reunida ao Seu Nome. Toda igreja local ficará aquém da perfeição por ser composta de crentes, todos propensos ao fracasso. Não é o status espiritual dos crentes para o qual nos reunimos (muitos que se reúnem de outra forma são muito espirituais e consistentes em suas vidas), mas é o Senhor Jesus Cristo a quem nos reunimos.

A Centralidade de Cristo

Pode surpreender alguns, mas não pertenço a uma assembléia porque seus ensinamentos estão mais próximos da Palavra de Deus, ou porque tem um pouco mais de verdade do que uma boa igreja denominacional. Não nos reunimos em doutrinas – não na doutrina do sacerdócio de todos os crentes, no batismo, na multiplicidade de presbíteros, na diversidade de dons ou no lugar das irmãs. Essas doutrinas são todas importantes. Mas não nos reunimos em doutrinas. Reunimo-nos a uma pessoa; todas as doutrinas brotam e refletem algo dessa pessoa.

Reunimo-nos ao Senhor Jesus Cristo. Ele é nossa atração e nosso recurso. Não possuímos outro nome além do Seu; encontramos nossa atração nEle, nossa autoridade, dEle, concentramos nossa atenção nEle e canalizamos nossa atividade para Ele.

O caráter da reunião

O que então significa estar reunido em Seu Nome e quais são os critérios pelos quais posso julgar se estou realmente reunido dessa maneira? Não é suficiente fazer a reclamação. Deve haver uma consistência dessa afirmação expressa na reunião.

Estar reunido em Seu Nome significa que reconheço Sua autoridade e que somos regulados por Sua Palavra. A autoridade é Dele, conforme revelada em Sua Palavra, e mediada pela liderança levantada pelo Espírito de Deus. Não escolhemos o que vamos implementar e realizar na assembléia. Nós nos curvamos à autoridade de Sua Palavra em todos os assuntos. Às vezes, pode haver diferenças honestas entre os homens quanto à orientação que a Palavra de Deus está dando. Quando isso ocorre, é preciso esperar pacientemente em Deus para tornar Sua mente clara a todos.

Estar reunidos ao Seu Nome significa que somos atraídos a Ele e representamos Seus interesses. Seus interesses, enquanto aqui, eram a vontade, a Palavra e a obra do Pai. Esta é a responsabilidade de cada grupo local de crentes. Significa, sem dúvida, que uma assembléia tem interesses e objetivos espirituais, e existe para promover o que é promover a honra do Senhor Jesus.

Estar reunido ao Seu Nome significa que Ele é adequado para tudo o que precisamos e confiamos em Seus recursos. Não procuramos um órgão central, seminário, universidade ou outra fonte. Não apelamos ao mundo para atender às nossas necessidades. Ele é suficiente para todos.

Estar reunido em Seu Nome significa que revelamos Sua pessoa. Fazemos isso de várias maneiras. Fazemos isso quando proclamamos a verdade de Deus. Somos coluna e baluarte da verdade (1Tm 3:15) e, como tal, defendemos a verdade sobre Sua pessoa para que todos ouçam e vejam. Mas nós testemunhamos a Sua pessoa por nossas vidas. Como os crentes tessalonicenses, a transformação que o evangelho fez deve ser tão óbvia que os homens percebam a realidade de um Deus vivo e um Cristo ressurreto (1Ts 1:9, 10).

Mas revelamos Sua pessoa de uma outra maneira muito significativa. Fazemos isso por nossas práticas quando nos reunimos em Seu Nome. Tudo o que é feito em uma igreja local reflete algo sobre a pessoa do Senhor Jesus Cristo. Isso significa que abandonar ou comprometer qualquer verdade resulta em uma falha em refletir Sua pessoa. Não recusamos nenhum nome sectário por tradição ou insistência obstinada em permanecer no século XIX. Fazemos isso porque somente Ele é Aquele a quem nos reunimos (1Cor 1). Nossas irmãs cobriram as cabeças para testificar de Sua liderança, que um dia será exibida para todo o universo. Lembramo-nos do Senhor, como Ele pediu, pois a lembrança de Sua morte na cruz ocupará todo um mundo redimido. Da mesma forma, as práticas do batismo, diversidade de dons, sacerdócio dos crentes, disciplina, amor uns aos outros, e a multiplicidade de liderança, todos testificam de algum aspecto de Sua pessoa, obra e glória. Acabar com qualquer um me faria questionar se estou verdadeiramente reunido em Seu Nome.

Assim, ser reunido ao Seu Nome controlará todos os aspectos da vida e prática da igreja. Uma igreja fundamental pode ter um excelente pastor, um vigoroso testemunho do evangelho e pode mostrar genuíno amor cristão; tudo isso é louvável. Mas se a Palavra de Deus não controla todas as práticas, se as irmãs falham em mostrar a verdade da liderança, se todos os dons residem em uma pessoa, isso é consistente com estar “reunido em Seu Nome” e revelar Sua pessoa?

Arriscando a repetitividade, deve-se sublinhar que não nos reunimos em um grupo de doutrinas conhecido como ensino de assembléia. Nós nos reunimos para uma pessoa e dessa reunião para Ele e Seu Nome, flui tudo o que prezamos da verdade de assembléia. A ordem é fundamental para apreciar.

As consequências

O resultado de ver o que significa reunir-se ao Seu Nome significa que sou responsável por me separar de qualquer coisa que não esteja de acordo com o padrão. A comunhão individual com crentes em todos os lugares é possível; mas ligar-se a um grupo que não se reúne em Seu Nome seria um compromisso. Se devo comprometer a verdade de Deus ou negá-la reunindo-me com um grupo, devo perguntar a mim mesmo se isso está certo. Não devo condenar outros que podem em suas próprias vidas ser mais espirituais do que eu. Minha responsabilidade é para com a verdade de Deus que me foi revelada.

Essa responsabilidade controlará as escolhas que faço. Uma oferta de emprego em uma nova área não será avaliada com base no salário e na minha carreira; será considerado com base na proximidade de uma igreja local que se reúne em Seu Nome, à luz do que aprendi que isso significa.

Estar reunido em Seu Nome não deve me levar a um orgulhoso senso de exclusividade; deve causar profunda humildade que, com toda a verdade que Deus tão graciosamente me revelou, ficamos tão aquém do que deveríamos ser. Outros com menos luz mostram mais semelhança com Cristo e amor aos outros.

Possuir Sua presença deve incutir um sentimento de reverência e temor em mim, como aconteceu com Jacó, quando ele percebeu que estava na Casa de Deus (Gn 28). Se eu realmente reconhecer que uma igreja local é Sua habitação na terra, colocarei minha energia e esforços nela, procurando contribuir e edificá-la para Sua honra.

Por Higgins, A. J.

 

Palavras do Evangelho não tem fins lucrativos e o nosso interesse é divulgarmos o "Evangelho da Graça" e a "Sã Doutrina" dos apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo.  

As doações destinam-se a obra de manter os materiais gratuítos.

Desenvolvido por Palavras do Evangelho.com