Alguns desejam ter um pensamento definido de como realmente é adorar. Primeiro deixe-me dizer que as reuniões de pregação do evangelho e de leitura são bem distintas da de adoração, e uma coisa que eu gostaria de observar: a salvação é o primeiro passo necessário para adoração.

No Novo Testamento não encontramos ‘reunião de adoração’, mas sabemos que isto ocorre na ‘reunião de partir do pão’, porque ao lembrarmo-nos do Senhor em Sua morte, por tudo que Ele passou por nós, e em amor, seria impossível celebrar este memorial sem que nossos corações sejam movidos de sentimentos de louvor e adoração.
 
No capítulo 4 do Evangelho de João o Senhor diz: "A salvação vem dos Judeus" – entre eles o Deus verdadeiro era conhecido, não havia verdadeiro conhecimento de Deus exceto entre os Judeus e Deus havia escolhido Jerusalém para fazer ali habitar o Seu nome. Onde quer que Deus coloque Seu nome, ali é o lugar de adoração. “Então, haverá um lugar que escolherá o SENHOR, vosso Deus, para ali fazer habitar o seu nome; a esse lugar fareis chegar tudo o que vos ordeno: os vossos holocaustos, e os vossos sacrifícios, e os vossos dízimos, e a oferta das vossas mãos, e toda escolha dos vossos votos feitos ao SENHOR”  Deuteronômio 12.11 – “ Então, sacrificarás como oferta de Páscoa ao SENHOR, teu Deus, do rebanho e do gado, no lugar que o SENHOR escolher para ali fazer habitar o seu nome.” Deuteronômio 16.2.
 
Agora, Cristo declara: "Porque onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles." Mateus 18.20. Isso só pode ser em Seu nome. Paulo diz aos atenienses: "Esse que adorais sem conhecer, é precisamente aquele que eu vos anuncio.” Atos 17.23. Somente aqueles que conhecem a Deus podem adorar. Este capítulo do Evangelho de João leva o lugar de adoração para fora dos Judeus, o que supõe redenção realizada. Eu entro no lugar de perfeita aceitação através da obra de Jesus Cristo, e ali eu posso adorar; ninguém pode adorar a não ser neste lugar de divino favor; se eu posso cantar no sentido da aceitação de Cristo, eu não estou fora de tom.
 
A essência da adoração é que o Espírito Santo pode levar nossos louvores e orações a Deus em perfeita associação com Cristo. Na oferta em Deuteronômio 26 encontramos uma bela figura da santa adoração oferecida pelo indivíduo, mas a adoração na assembleia supõe o Espírito Santo unindo a todos em gozo e louvor – “... unânimes levantaram a voz a Deus...” Atos 4.24; “Para que concordemente e a uma voz glorifiqueis ao Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo.” Romanos 15.6.
 
Em Deuteronômio 16 temos três festas: a Páscoa, o Pentecostes e a Festa dos Tabernáculos, que ainda não teve seu cumprimento. A Páscoa é o sacrifício de Cristo por nós, o Pentecostes é o Espírito Santo que já nos foi dado, mas a Festa dos Tabernáculos é ainda futura. Este capítulo mostra que havia pouca alegria na Páscoa, tão logo era feita eles voltavam para suas tendas. No Pentecostes vemos: "E te alegrarás perante o Senhor teu Deus... e lembrar-te-ás, etc.", mas na Festa dos Tabernáculos, há algo mais, eles aqui tinham a plena bênção e a adoração fluía por estarem nessa plenitude da bênção.
 
A noção de adoração você vai encontrar muitas vezes exclusivamente nos hinos que falam como escapamos do julgamento através do sangue, mas o que é tão maravilhoso é o pensamento de que “o louvor pertence a Ti, ó Deus” – suas vozes estão prontas e seus corações todos sintonizados para louvar. Certamente eu devo começar primeiro com a minha consciência limpa, e Cristo quer filhos para estar com o Pai. Tudo que eu sei de Deus é: Ele está satisfeito acerca dos meus pecados - satisfeito com o sangue? Não, Ele quer minha alma no sentido de relacionamento com Ele quando eu adoro, e isso também, como Pai. Na parábola do filho pródigo em Lucas 15 eu tenho o regozijo do próprio Deus, "Comamos e regozijemo-nos". Quando eu chego até a cruz deparo apenas com meus pecados, mas quando eu passo através do véu rasgado chego do lado de Deus na cruz, isto é: Ele próprio conhece muito bem a bendita verdade que “o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor." (Romanos 6.23).
 
Meu lugar de adoração é o santíssimo, onde todo o valor de Cristo é colocado sobre mim. Em Êxodo 12 eles se alimentam do sacrifício - redenção realizada. A adoração é o retorno do coração a Deus por todas as Suas bênçãos em Cristo. O Espírito Santo me dá os sentimentos de Deus acerca do sacrifício de Seu Filho, e a adoração vai até o Pai. Toda a nossa alegria e paz flui a Deus em louvor.
 
A adoração é a melhor parte. Quando chegarmos ao céu não necessitaremos de dons. Eu não gosto de leituras nas reuniões de adoração; tal reunião supõe que o Espírito Santo há de guiar os nossos louvores e orações. Se o meu estado de coração não for de adoração não estará em conformidade com a mesa do Senhor e esse não será um estado correto. Todos os que adoram deveriam caminhar para que o louvor prontamente exale - Deus deve ter a adoração em verdade e deve haver unidade – “todos, um pão.”
 
Não podemos adorar sem oração, porque o desejo vai sempre além da nossa presente capacidade para adorar, restringir adoração apenas em louvor é impossível, porque isto nunca é sem mistura com oração, embora o momento não é adequado para a oração, mas não se pode separa-la, não seria genuíno, e que isto é a coisa que Deus quer.
 
Você nunca tem o Pai nos Salmos ou no Apocalipse. Nosso lugar é o de filhos com o Pai e nossa comunhão é com o Pai e Seu Filho Jesus Cristo. O louvor pertence a ambos. Se todos não chegarem em unidade do corpo o louvor é imperfeito. O coração de Cristo deve mover o meu e Ele nunca deixa alguém de fora. Este é o primeiro círculo e nele o amor deve fluir para todos os santos. Alguns podem estar indo mal, mas eu vou amá-los mesmo assim.
 
Pelo Espírito Santo, a atitude de um filho é adorar o Pai. Eu estou nessa posição com o Espírito Santo habitando em mim, entre a primeira e a segunda vinda de Cristo - um adorador esperando por Sua vinda. A Mesa é o centro de toda a adoração. Considerando a força desta palavra em 1 Coríntios 10: 22, "provocaremos zelos no Senhor?", se alguém andasse com hereges O provocaria ou se alguém admitisse que pessoas más participassem da Mesa O provocaria também.
 
J. N. Darby.
Tradução: Luís D S Campos (Lemão) – julho 2014.

 

Versão usada: Bíblia Revista e Atualizada - João Ferreira de Almeida.
Devo contribuir?
Ao receber o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador, uma das primeiras coisas que você irá aprender é que Deus é amor. Como resultado disto, você logo perceberá que o amor precisa de uma forma prática para se expressar. Você aprenderá que há uma relação entre amar e dar. Deus é um Deus que nos dá muitas coisas. Amar e dar estão intimamente ligados nas Escrituras. “O Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim” (Gl 2:20), e “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito” (Jo 3:16). Continuar Lendo...
Desenvolvido por Palavras do Evangelho.com