Salvo ao Ouvir o Evangelho Pela Primeira Vez

Nasci na Antígüa uma ilha do Caribe. Meus pais não eram salvos. Mesmo assim, nos encaminhavam para a Escola Dominical da Igreja Anglicana. Nesta congregação eu fiz o curso necessário para minha "confirmação". Depois que fui "confirmado" tinha o "direito" de "tomar a comunhão". Estas cerimônias nada traziam para mim.

Nunca ouvi o Evangelho antes de ser salvo. Não sabia que ia para o Inferno. Nunca tinha ouvido as palavras: "ímpios".

Freqüentei à igreja até a idade de 18 anos. Em 1971 consegui um visto para entrar nos Estados Unidos. Lá casei com a Mavis.
Antes de conhecer a Mavis, associei-me a uma seita muito esquisita. De acordo com as práticas deste culto, fumava maconha diariamente e deixei o cabelo crescer, não o penteando durante três anos e meio. Neste período, comprei uma Bíblia e a lia enquanto fumava a maconha.

Em 1975 voltei para a Antígüa. Depois de me estabelecer novamente na minha pátria, comecei a ler no Novo Testamento. Sabia que era um pecador, não porque a Bíblia dizia, mas por causa das práticas da minha vida. Num certo dia, 29 de abril de 1976,um pregador me fez a seguinte pergunta: "Se morreres, onde estará a tua alma?" Naquele mesmo dia eu li em Atos 10:43: "A Este, (O Senhor Jesus) dão testemunho todos os profetas, de que todos os que nele crêem receberão o perdão dos pecados pelo seu nome".

Pela primeira vez eu compreendi que "todos" abrangia a minha pessoa. Naquele dia eu coloquei minha confiança no Senhor Jesus Cristo como meu Senhor e Salvador. Foi o dia mais feliz da minha vida. Logo eu fui batizado. Ao estudar I Coríntios comecei a procurar alguma congregação que praticava as verdades que eu encontrava na minha leitura. Conheci dois servos do Senhor que me indicaram uma igreja onde obedeciam os princípios do Novo Testamento. Tomei-me membro, e continuo em alegre comunhão numa igreja destas até hoje.

"Sou feliz, mui feliz, porque Jesus me perdoou". (Hinos e Cânticos No. 339)
B. Jones


"Cristo morreu por nossos pecados"
(I Coríntios 15:3)

Dois mil anos atrás uma multidão ia caminhando de Jericó para Jerusalém. Ia para a "Páscoa", isto é, uma festa importante dos Judeus. Todos, a não ser Um, ignoravam um evento importante que ia acontecer fora da cidade dentro de poucos dias. Aquele Um, o Senhor Jesus, estava pensando na Sua última jornada, Sua traição, a Instituição da ceia do Senhor junto com Seus discípulos, Sua agonia no Jardim de Getsêmane, as três horas de trevas e emun Sua morte - uma morte extraordinária. A importância dada a esta morte e o lugar de destaque que tem nas Escrituras, mostram que ela é o alicerce da mensagem do Evangelho (I Coríntios 15:1).

Amorte deste Homem, o Senhor Jesus Cristo, é colocado em primeiro lugar em tudo que Paulo ensinou e escreveu. Diz em sua carta aos Coríntios, "Porque vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados ..." (I Coríntios 15:3).

Antes de se salvar, Paulo sabia que O Senhor Jesus tinha morrido, mas mesmo assim perseguia os que criam naquela morte. Paulo se encontrou com o Senhor Jesus enquanto viajava para uma cidade distante para perseguir os Cristãos.

Sua vida foi totalmente transformada e compreendeu que estava realmente perseguindo o próprio Salvador (Atos 9:5).
Aquele foi o dia em que Paulo O recebeu como Seu Salvador pessoal. Ele começou a pregar justamente aquilo que efetuou uma transformação eterna na sua vida: o importante fato que "Cristo morreu".
Amorte de Cristo é significante porque é a favor dos outros.
Em Romanos 5:6 Paulo escreve que "Cristo, estando nós ainda fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios". Assim se vê que Ele morreu pelos que nada podiam fazer para salvarem-se a si mesmos, pois eram fracos. Versiculo 8 diz que "Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores". Sua morte vai perfeitamente de encontro com a nossa maior necessidade.
Ele não morreu pelos Seus próprios pecados, porque não tinha nenhum. "Cristo morreu por nossos pecados" (I Coríntios 15:3). Felizes são aqueles cuja experiência se expressa nas palavras do hino muitas vezes cantado:

Foi na cruz, foi na cruz onde um dia eu vi
Meus pecados castigados em Jesus;
Foi ali, peJa fé, que meus olhos abri,
E eu agora me alegro em Sua luz.

(Hinos e Cânticos No. 46)

O alicerce da mensagem do Evangelho é este: "Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras" (I Coríntios 15:3).
Através desta morte, o Senhor Jesus Cristo deu uma satisfação a Deus por nossos pecados, sem a qual ninguém pode ser salvo. Significou para Ele sofrimento intenso pois lemos em I Pedro 3:18: "Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus" .
Observamos as palavras "uma vez". Significa uma vez por todos. O Filho de Deus jamais virá para sofrer outra vez. Não é necessário. O que Ele padeceu naquele dia basta absolutamente. Por isso Ele disse "está consumado" antes de morrer.

A que conclusão pode chegar o leitor a não ser que a salvação de Deus baseia-se unicamente na morte do Senhor Jesus Cristo, e que esta provisão atende à grande necessidade dele? Se 'Sente-se perdido e deseja ser salvo, a provisão está aí.
"Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo"
(Atos 16:31)

 

Devo contribuir?
Ao receber o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador, uma das primeiras coisas que você irá aprender é que Deus é amor. Como resultado disto, você logo perceberá que o amor precisa de uma forma prática para se expressar. Você aprenderá que há uma relação entre amar e dar. Deus é um Deus que nos dá muitas coisas. Amar e dar estão intimamente ligados nas Escrituras. “O Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim” (Gl 2:20), e “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito” (Jo 3:16). Continuar Lendo...
Desenvolvido por Palavras do Evangelho.com