O Erro de uma Teologia Torcida Mostrando só um Lado da Verdade

Recebemos recentemente uma longa carta que fornece uma prova muito marcante dos efeitos da confusão de uma teologia torta que mostrando só um lado da verdade, e destina-se a ser a verdade por inteira.

Nosso correspondente está, evidentemente, sob a influência do que é chamado de "A alta escola de doutrina". Consequentemente, você não tem o direito de chamar os nãos salvos para "vir", para "ouvir", para "arrepender-se" ou "crer". Para ele isso é como dizer a uma árvore selvagem que produz maçãs doces, a fim de tornar-se uma macieira.

Agora, acreditamos fielmente que a fé é o dom de Deus e que não está de acordo com a vontade do homem ou no seu poder. Acreditamos também que nenhuma alma nunca virá a Cristo se não for atraída, sim, levada pela graça divina para fazê-lo; portanto, todos os que são salvos tem que agradecer a Deus por sua graça livre e soberana sobre isso.

Sua música é, e sempre será, "Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao teu nome dá glória, por tua misericórdia, e por tua verdade”.

E acreditamos que isso, não é como parte de um determinado ou sistema de doutrina, mas como a verdade revelada de Deus.

Mas, por outro lado, também nós cremos, e da mesma forma, na verdade solene da responsabilidade moral do homem, como a Escritura ensina claramente, mas não encontramos isto entre o que é chamado de "os cinco pontos da fé dos eleitos de Deus.”

Acreditamos nestes cinco pontos, na medida em que são escritos; mas está mito longe de cobrir toda a fé dos eleitos de Deus. Existem extensas áreas de revelação divina que não são nem remotamente contemplados, e nem mesmo se faz alusão, por este sistema teológico falho e mal desenvolvido.

Onde podemos encontrar a vocação celestial?

Onde está a verdade gloriosa da Igreja como corpo e noiva de Cristo?

Onde está a preciosa esperança santificadora da vinda de Cristo para os seus ali nos ares?

Onde vemos que o vasto campo de profecia é aberto para a visão de nossas almas como tão pomposamente passou a ser chamado de "a fé dos eleitos de Deus?”.

 

Em vão buscaremos qualquer traço ou vestígio destas verdades em todo o sistema no qual o nosso amigo está ligado.

 

Agora, podemos acreditar por um momento que o bendito apóstolo Paulo aceitaria como "a fé dos eleitos de Deus", um sistema que exclui o mistério glorioso da Igreja da qual ele era um ministro de uma forma especial?

Suponhamos que alguém tenha apresentado para Paulo "os cinco pontos" do Calvinismo como uma declaração da verdade de Deus, o que diria? O quê?! "Toda a verdade de Deus"; "A fé dos eleitos de Deus"; "Tudo o que é essencial para a fé!"; Mas nem uma sílaba sobre a verdadeira posição da Igreja, seu chamamento, a sua esperança e seus privilégios! Também não há menção do futuro de Israel! Vemos uma completa ignorância ou, no melhor dos casos, a remoção das promessas feitas a Abraão, Isaque, Jaco e Davi.

Os ensinamentos proféticos como um todo é relegado a uma espiritualização ou alegorizarão, falsamente chamada interpretação do sistema, pelo qual Israel é privado de sua própria porção, e os cristãos estão reduzidos a um nível terrestre! E tudo isso nos é apresentada como a sublime pretensão de ser "a fé dos eleitos de Deus"!

Graças a Deus que isso não é assim! Ele - bendito seja o Seu nome - não foi confinado dentro dos estreitos limites de qualquer escola teológica, alta, baixa ou moderada. Ele se revelou a si mesmo. Tem revelado os preciosos e profundos segredos do seu coração. Ele fez manifesto Seus eternos conselhos sobre a Igreja, para Israel, para os gentios e toda a Criação. Se os homens querem, eles podem tentar limitar o vasto oceano em um balde que eles formaram da mesma forma que procura limitar a vasta gama de revelação divina dentro dos recintos fracos dos sistemas humanos da teologia.

Você não pode fazer isso, nem deve tentar fazer. É melhor deixar de lado sistemas teológicos e escolas de teologia, e vem como uma criança, a eterna fonte da Sagrada Escritura, e beber dos ensinamentos que vem do Espírito de Deus. Nada é mais prejudicial à verdade de Deus, mais dessecante para a alma e mais subversivo para o crescimento espiritual e progresso do que mera teologia, alta ou calvinista ou arminiano ou baixo.

É impossível para a alma avançar para além dos limites do sistema com o qual se relaciona. Se me ensinam a considerar os "cinco pontos", como "a fé dos eleitos de Deus" não me interessa olhar para além delas; e, então, um glorioso conjunto de verdades celestes ficarão vedadas para a minha visão.

Ficarei atrofiado e de mente estreita, com vista meramente parcial da verdade. Estou em perigo de cair naquele estado de alma frio e endurecido que resulta de ser ocupada com meros pontos de doutrina, em vez de com Cristo.

Um discípulo da alta escola da doutrina não vai ouvir falar de um Evangelho para o mundo inteiro; O amor de Deus para o mundo; a boa notícia a toda criatura debaixo do céu. Ele só ficou com um evangelho para os eleitos. Além disso, um discípulo da escola baixo ou arminiano não vai ouvir sobre a segurança eterna dos crentes. Sua salvação depende em parte de Cristo e de si mesmo.

Segundo este sistema, a canção dos redimidos deveria ser modificada: em vez de apenas cantar, "Digno é o Cordeiro", devemos acrescentar: "E digno somos Nós”. Podemos ser salvos hoje e amanhã perdido. Tudo isso desonra a Deus, e rouba do cristão toda a verdadeira paz.

Ao escrever estas linhas, não temos a intenção de ofender o leitor. Nada poderia estar mais longe de nossos pensamentos. Nós não estamos lidando com pessoas, mas com as escolas de doutrina e sistemas de teologia, tentando com toda veemência que os nossos amados leitores consiga a abandonar de uma vez por todas estas coisas.

Nenhum sistema teológico compreende toda a verdade de Deus. Todo, na verdade, contêm certos elementos de verdade; mas a verdade é sempre anulada pelo erro; e mesmo que encontre um sistema que, não contenha mais a verdade, mesmo assim, se não entender toda a verdade, seu efeito sobre a alma seria prejudicial, pois leva uma pessoa a se vangloriar da verdade de Deus, quando, na verdade, o que você tem é nada mais do que um sistema humano que considera apenas um lado da verdade. Além disso, é raro encontrar um único discípulo de qualquer escola de doutrina que pode enfrentar a Escritura como um todo. Sempre citarão certos textos já memorizados; mas não sabem usar grande parte da Escritura. Tomemos, por exemplo, passagens como: "Deus anuncia agora a todos os homens em todo lugar se arrependam" (Atos 17:30). "Deus quer que todos os homens sejam salvos e cheguem ao conhecimento da verdade" (1 Timóteo 2: 4). "O Senhor... é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento" (2 Pedro 3: 9). E na último livro da Bíblia, lemos: "E quem quiser, receba de graça a água da vida" (Apocalipse 21:17). Será que podemos aceitar estas passagens como estão ou temos que acrescentar ou tirar palavras para mudar seu significado, a fim de adaptá-las ao nosso sistema teológico particular? O fato é que estas verdades revelam a grandeza do coração de Deus, a natureza da Sua graça e a grandeza do seu amor. Não está de acordo com o coração amoroso de Deus que qualquer de Suas criaturas pereça. Não existe tal coisa na Bíblia como que alguns decretos de Deus delegassem certo número de homens a condenação eterna. Alguns podem ser judicialmente entregue à cegueira pela sua rejeição deliberada de luz (ver Romanos 9:17; Hebreus 6: 4-6; 10: 26-27; 2 Tessalonicenses 2: 11-12; 1 Pedro 2 : 8). Mas todos os que perecem, apenas culpam a si mesmos; enquanto que aqueles que alcançam o céu vão agradecer a Deus.

Se quisermos ser ensinados pela Escritura, devemos acreditar que todo homem é responsável conforme sua luz. O gentil é responsável por ouvir a voz da criação. O judeu é responsável, com base na lei. A cristandade é responsável, com base na divulgação completa do que está contido em toda a Palavra de Deus.

Se Deus ordena a todos os homens em todos os lugares para se arrepender, você quer dizer o que ele diz, ou simplesmente refere-se a todos os eleitos?

Que direito temos de adicionar, alterar, cortar ou acomodar a Palavra de Deus? Nenhum!

Aceitemos as Escrituras como ela é, e rejeitemos a tudo o que não pode resistir a prova. Podemos muito bem questionar a solidez de um sistema que não é capaz de suportar toda a força da Palavra de Deus como um todo. Se as passagens da Escritura parecem contradizer, é só por causa da nossa ignorância.

Devemos humildemente reconhecer isso e espero em Deus por mais luz. Bem podemos estar seguro disto, pois se trata de um terreno firme que devemos ocupar. Em vez de tentar reconciliar aparentes discrepâncias, curve-se aos pés do Mestre e justifiquemo-lo em todas as suas declarações. Assim colheremos frutos de bênçãos, e cresceremos no conhecimento de Deus e Sua Palavra.

 

Poucos dias atrás, um amigo colocou em nossas mãos um sermão pregado recentemente por um eminente clérigo pertencente à escola secundária de doutrina. Encontramos neste sermão, como na carta do nosso correspondente, os efeitos de uma teologia distorcida mostrando um lado da verdade. Por exemplo, referindo-se a magnífica declaração de João Batista em João 1:29, o pregador cita o seguinte: "Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado de todo o mundo do povo escolhido de Deus” . Mas na passagem referida, esta palavra sobre o "povo escolhido de Deus" não é dita. Refere-se à grande obra expiatória de Cristo, sob o qual todos os vestígios do pecado serão removidos de toda a criação de Deus. Veremos a plena aplicação desse texto abençoada das Escrituras somente nos novos céus e nova terra, onde habita a justiça. Limitar a passagem do pecado dos eleitos de Deus, só pode ser considerado como fruto de preconceito teológico, distorcendo a verdade.

 

No cristianismo há dois sistemas e duas escolas teológicas antagônicas de pensamento, cujos nomes devem sua origem a aqueles que primeiro formularam suas ideias: Arminianismo (Armínio, teólogo protestante holandês) e Calvinismo (João Calvino, reformador francês).

Cada qual cita um punhado de textos bíblicos, a fim de apoiar a sua posição. Arminianismo, com base em um algumas passagens, afirma que o homem é responsável de crer, mas que a responsabilidade segue a sua própria capacidade de dentro do homem para vir a Cristo, definindo que o homem tem o direito de autodeterminação (o que em filosofia isto é chamado de "livre arbítrio").

Enquanto o Calvinismo, uma escola oposto é apoiado por uma série de outros textos que baseia tudo sobre a soberania de Deus, o que é verdade, mas seu erro é a eliminação total da responsabilidade do homem. Estendendo suas deduções lógicas, o calvinismo cria uma teoria da "condenação dos incrédulos pelo decreto eterno de Deus", e não pela responsabilidade pessoal daqueles que estão perdidos.

 

É interessante observar a maneira em que a Escritura adverte contra a doutrina repulsiva da reprovação. Tomemos, por exemplo, Mateus 25:34. Aqui, o rei, falando aos que estiverem à sua direita, ele diz-lhes: "Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo.” Em contraste com isso, quando se dirigiu à esquerda, ele disse: “Afastam-se de mim, malditos [Aviso que ele não diz "meu Pai"], para o fogo eterno, preparado [não para você, mas] para o diabo e seus anjos”. O mesmo pode ser visto no capítulo 9 da Epístola aos Romanos. Ao falar dos "vasos da ira" (v. 22), ele diz: "preparado para destruição", não por Deus, certamente, mas por si mesmos. Mas quando ele menciona os "vasos de misericórdia", diz ele, "que ele preparou de antemão para a glória" (v. 23).

A grande verdade da eleição está plenamente estabelecida; mas o erro repulsivo da reprovação, é cuidadosamente evitado.

 

A SOBERANIA DE DEUS E A RESPONSABILIDADE DO HOMEM – FARAÓ

 

A “TABELA” abaixo foi desenvolvida para resolver as dificuldades de uma pessoa que insistiu que, se por um decreto soberano de Deus, um número de pessoas só seria salvo por uma conclusão natural, o resto por um decreto semelhante, se perderá, independentemente do que têm sido as suas opiniões ou escolhas.

Certamente, se tomarmos nossas deduções de acordo com as ideias de homens, o raciocínio acima seria isso. Mas a fé não se baseia em deduções. Homens deduzem noções que muitas vezes se chocam com passagens bíblicas claras de que eles contradizem.

Existem muitos fenômenos na natureza que vemos e acreditamos ocorrer, mas que não entendemos, e sobre o qual não podemos ver razão. Se nossas mentes são formadas pela Palavra de Deus e de acordo com ela, veremos que o homem é sempre tomado como responsável, e é julgado e condenado por seus próprios pecados, e não por qualquer decreto predeterminado de Deus.

 

A DESCRIÇÃO DA TABELA

 

Antes de continuar, seria bom que examinássemos a TABELA, que tem significativamente os propósitos de Deus e a responsabilidade do homem.

Das 19 passagens de Êxodo descritas, todas as autoridades concordam que nove delas, ou seja, os números 1, 2, 9, 12, 13, 14, 15, 17 e 18, atribuem o endurecimento de Faraó a vontade de Jeová.

O número 19 não diz nada de Faraó mesmo, mas apenas dos egípcios em geral.

Os restantes números, 6, 7 e 10, atribuem o endurecimento para o próprio rei.

A este último, devemos, no entanto, adicionar o número 16, que, como a tradução de Young,  este é claramente o ato de Faraó.

Os restantes números 4, 5, 8 e 11, mencionam o endurecimento como fato, sem especificar o agente.

O único que falta, o número 3 é exatamente a mesma forma hebraica que os números 5 e 11 e deve ser acrescentado a esses números, e são, portanto, traduzido por Young.

Para resumir o endurecimento de Faraó nove vezes é atribuído ao Senhor; ao qual devemos acrescentar mais uma vez, o número 19, juntamente com os egípcios em geral; quatro vezes atribui-se a ele mesmo, Faraó, e cinco vezes o agente não é identificado.

 

RESPONSABILIDADE DE FARAÓ

 

O Senhor sempre age por sua própria glória e nome. "Porque a Escritura diz ao faraó: Para isto mesmo te levantei, para mostrar o meu poder, e que o meu nome seja anunciado em toda a terra" (Romanos 9:17). No entanto, o rei do Egito foi responsável, sendo testemunhas disto o seu próprio povo e até mesmo as nações vizinhas.

Primeiro, Êxodo 8:19, "disse então os magos a Faraó. Este é Dedo de Deus".

Em segundo lugar, "os servos de Faraó que temiam a palavra do Senhor fez fugir os seus servos e o seu gado casa "(9:20).

Terceiros, "os servos de Faraó disseram-lhe: Quanto tempo vai este homem ser um laço? Deixa ir os homens, para que sirvam ao Senhor seu Deus" (10:7).

Quarto, "também Moisés foi um grande homem na terra do Egito, aos olhos dos servos de Faraó e aos olhos de todo o povo" (11:3).

Isto é prova suficiente de que esses julgamentos eram percebidos e estavam nas mentes e lábios de todos os tipos de pessoas, a notoriamente acentuada pelo juízo na morte dos primogênitos.

E ainda mais terrível quando os egípcios foram abatidos no Mar Vermelho, quando o Senhor disse: "Vou ser glorificado em Faraó e em todo o seu exército, e os egípcios saberão que eu sou o Senhor" (14: 4).

E mais uma vez quando as pessoas disseram: "Vamos fugir de Israel, porque o Senhor peleja por eles contra os egípcios" (14:25).

Será que essa grande libertação do povo de Israel, não era o tema interminável de louvor de Êxodo 15 até o fim de sua história? Leia Salmos 78, 105, 106, etc.

 

TESTEMUNHO DAS NAÇÕES VIZINHAS SOBRE FARAÓ

 

Que pensavam as nações vizinhas sobre a libertação de Israel, na divulgação do nome do Senhor, e no próprio Faraó? Será que eles talvez vicem Faraó como um tronco ou pedra, sem qualquer responsabilidade? Será o consideravam como um animal sem consciência? Vamos deixar as Escrituras dar seu testemunho:

 

1-Testemunho de Raabe sobre Faraó

Primeiramente vemos os portões fechados de Jericó com os seus ferrolhos, e do testemunho de Raabe: "Eu sei que o Senhor vos deu esta terra; porque o temor de vocês que caiu sobre nós... Porque temos ouvido que o Senhor secou as águas do Mar Vermelho diante de vós, quando saístes do Egito... Ouvindo isto, desmaiou (lit. "derreteu") nosso coração... porque o Senhor vosso Deus é Deus em cima no céu e embaixo na terra" (Josué 2:9-11). O que era uma repreensão aos israelitas por não ter subido desde o início, como se Deus, quando da uma ordem não colocasse as coisas no seu devido lugar para o cumprimento. Esta mulher menciona a travessia do Mar Vermelho, que teve lugar quarenta anos atrás, como um evento que enchia de horror as nações cananeus. Vemos deste modo que, desde o início, o caminho estava aberto para a  terra prometida.

 

2-Testemunhos dos filisteus sobre Faraó

 

Os filisteus ofereceram outro testemunho surpreendente contra o Faraó. A arca de Deus estava com eles, e foi uma questão de como se livrar dela, e uma oferta ao Senhor (1 Samuel 6: 6). Os sacerdotes e adivinhos são convocados. Eles recomendam para as pessoas "dar glória ao Deus de Israel... Por que endureçais os vossos corações, como os egípcios e Faraó endureceram os seus corações? Depois que os tratou assim, não os deixou ir, e eles se foram?". Aqui nós temos não só um testemunho ao fato do Êxodo, dado trezentos e cinquenta anos mais tarde, mas também um reconhecimento dos sacerdotes de uma nação estrangeira, do comportamento perverso Faraó. Inimigos naturais de Israel, independentemente dos propósitos secretos de Deus revelou a Moisés, concluíram que o rei do Egito foi justamente julgado por ter endurecido o seu coração contra o Deus de Israel.

Jeová interveio judicialmente a favor de seu povo. E quando esta intervenção teve lugar, Faraó, o opressor, se recusou a reconhecer até mesmo a mão de um mais poderoso do que ele, apesar do testemunho de feiticeiros e os seus nobres, e a devastação e miséria que havia causado sua teimosia. Seu sentimento ainda era: "Quem é o Senhor, para que eu ouça a sua voz para deixar ir Israel? Eu não sei o Senhor, nem tampouco deixarei ir Israel" (Êxodo 5: 2).

 

Romanos 9:22-23

 

Algumas palavras serão suficientes para completar o tema dos propósitos soberanos de Deus e a responsabilidade do homem. Se lermos Romanos 9, vemos que enquanto os eleitos são vasos preparados de antemão para a glória, não é assim com os ímpios; ou seja, que os ímpios não foram da mesma maneira preparou de antemão para a destruição, eles são julgados por sua conduta. "E se Deus, querendo mostrar a sua ira e tornar conhecido o seu poder, suportou com muita paciência os vasos da ira (katartizo-preparados) a destruição, e fim de que também desse a conhecer as riquezas da sua glória, em vasos da misericórdia, que preparou de antemão para a glória "(9: 22-23). No caso do ímpio, longe de ser eleito para a miséria eterna, vemos que Deus o suporta, como vasos de ira, com muita paciência, os quais não foram preparados por Ele para a destruição, mas sim eles mesmos por suas próprias obras.

A palavra (katartizo) significa restituir, reparar, examinar, completar. Em sua forma particípio, como está aqui, prontos, preparados. A palavra não é um decreto de Deus, mas uma obra do homem. Embora seja verdade que os cristãos foram "escolhidos em Cristo antes da fundação do mundo" (Efésios 1: 4), e que foram "para o louvor da glória da sua graça, com a qual nos fez aceitos no Amado "(v. 6), e ao mesmo tempo, também é verdade que, durante suas vidas, eles recebem a chamada ("que Ele predestinou, a esses também chamou" Romanos 8:30), e "não só os judeus, mas também dos gentios" (Romanos 9:24), no entanto, nunca seria correto afirmar que os pecadores foram escolhidos de forma paralelo para a condenação. Não. Em 2 Tessalonicenses 2: 11-12, lemos: "Por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira, para que sejam julgados os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniquidade". É claro que eles são condenados por não crer na verdade, e não que eles foram escolhidos para a condenação.

Isso nos leva a outro ponto relativo dos perversos. É claro que há um endurecimento judicial de Deus depois de muita paciência. Isso é o que aconteceu com Faraó. Isso é o que também aconteceu com a nação judaica, quando Cristo estava na terra. "Engorda o coração deste povo, e agrava os seus ouvidos, e fecha-lhe os olhos, para que não vejam com os olhos, e ouça com os ouvidos, e entenda com o coração, e se converta, e seja sarado" (Isaías 6 : 11). Este anúncio profético de sua cegueira foi escrito mais de setecentos anos antes de se tornar eficaz pela boca de Cristo.

E Paulo, seguindo-os nos países distantes, aplica novamente em Roma estas palavras sobre eles: "Bem falou o Espírito Santo pelo profeta Isaías a nossos pais, dizendo: Vai a este povo e diz: Ouvindo, ouvireis, e não entendereis; e, vendo, vereis, e não percebereis" (Atos 28: 25-28).

E não é solene que esta é a última condição da cristandade apóstata, como vimos em 2 Tessalonicenses, mas vamos ver agora 2: 7-12? Uma cegueira e um endurecimento judicial, depois de muita paciência da parte de Deus, e isto por séculos.

Haverá alguém entre aqueles que vivem no meio dos privilégios do Evangelho, que irá culpar a Deus por essa condenação? Não. Toda boca será refreada, e os homens partirão para um lugar originalmente preparado, não para os pecadores que não se arrependeram, mas para o diabo e seus anjos (Mateus 25:41).

 

CONCLUSÃO

 

Note que embora acreditemos em ambas as declarações, ou seja, na soberania divina e na responsabilidade humana, não temos a intenção de reconcilia-los de uma maneira lógica. Talvez Deus nunca pretendesse que façamos tal coisa neste mundo como seres finitos. Existem inúmeros paradoxos, no âmbito da nossa existência, nós acreditamos, mas que conciliamos. Se assim é em relação aos assuntos do mundo aqui em abaixo, não haverá nada que creiamos que sejamos incapazes de conciliar das regiões celestiais?

Submetemos com indubitável obediência à Palavra do Deus vivo e confiemos plenamente nela. Creiamos o que está nele, e deixe nosso bendito Senhor explique as aparentes discrepâncias que estão ali, se assim ele quiser fazer.

Haverá dificuldades e encontraremos "coisas difíceis de entender", mas apenas os ignorantes e instáveis torcem para sua própria destruição (2 Pedro 3:16).

Finalmente, é perfeitamente verdadeiro que aqueles que são salvos, o são pela graça, em virtude do amor de Deus que os elegeu, e que aqueles que se perdem e estão dentro do mesmo recinto onde a graça opera, se perdem por seus próprios pecados.

 
 

ENDURECIMENTO DE FARAÓ
 
TEXTO
EM
ÊXODO
HEBRAICO TEMPO E
CONJUGAÇÃO
HEBRAICA
VERSÃO
CORRIGA
SBB
VERSÃO
ATUALIZDA
SBB
1 4:21 אֲחַּזֵּק 1ª Pessoa do singular
futuro - Piel.
mas eu endurecerei o seu coração eu lhe endurecerei o coração
2 7:3 אַקְשֶּה 1ª Pessoa do singular
futuro - Qal.
Eu, porém, endurecerei o coração de Faraó Eu, porém, endurecerei o coração de Faraó
3 7:13 וַּיֶּחֱזַּק 3ª Pessoa do singular
futuro - Com cop.Qal
Porém o coração de Faraó se endureceu o coração de Faraó se endureceu
4 7:14 כָּבֵּד Adjetivo masculino O coração de Faraó está  obstinado O coração de Faraó está obstinado
5 7:22 וַּיֶּחֱזַּק 3ª Pessoa do singular
futuro, com cop. Qal
o coração de Faraó se endureceu o coração de Faraó se endureceu
6 8:15 וְהַּכְבֵּד Infinitovo com
copulativo. Hifil.
agravou o seu coração continuou de coração endurecido
7 8:32 וַּיַּכְבֵּד 3ª Pessoa do singular
futuro, com cop.Hifil
endureceu Faraó ainda esta vez seu coração endureceu Faraó o
coração
8 9:7    וַּיִּכְבַּד 3ª Pessoa do singular
futuro, com cop. Qal
o coração de Faraó se endureceu Faraó se endureceu
9 9:12 וַּיְחַּזֵּק 3ª Pessoa do singular
futuro, com cop. Piel
o Senhor endureceu o coração de Faraó Senhor 
endureceu o coração de Faraó
10 9:34 וַּיַּכְבֵּד 3ª Pessoa do singular
futuro, com cop.Hifil
agravou o seu coração endureceu o coração
11 9:35 וַּיֶּחֱזַּק Igual que nos 3 e 5 o coração de Faraó se endureceu Faraó, de coração endurecido
12 10:1 הִּכְבַּדְתִּי 1º Pessoa do singular
pretérito - Hifil
tenho agravado o seu coração, e o coração de seus servos lhe endureci o coração e o coração de
seus oficiais
13 10:20 וַּיְחַּזֵּק 3ª Pessoa do singular
futuro, com cop. Piel
O Senhor, endureceu o coração de Faraó Senhor,
endureceu o coração de Faraó
14 10:27 וַּיְחַּזֵּק 3ª Pessoa do singular
futuro, com cop. Piel
O Senhor, endureceu o coração de Faraó Senhor,
endureceu o coração de Faraó
15 11:10 וַּיְחַּזֵּק 3ª Pessoa do singular
futuro, com cop. Piel
o Senhor endureceu o coração de Faraó Senhor,
endureceu o coração de Faraó
16 13:15 הִּקְשָּה 3º Pessoa do singular
pretérito - Hifil
endurecendo-se Faraó endurecendo-
se Faraó
17 14:4 וְחִּזַּקְתִּי 1º Pessoa do singular
pretérito - Piel
eu endurecerei o coração de Faraó Endurecerei o coração de Faraó
18 14:8 וַּיְחַּזֵּק 3ª Pessoa do singular
futuro, com cop. Piel
o Senhor endureceu o coração de Faraó o Senhor endureceu o coração de Faraó
19 14:17 מְחַּזֵּק Part singular- Piel. endurecerei o coração dos egípcios endurecerei o coração dos egípcios

 

 

 

Devo contribuir?
Ao receber o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador, uma das primeiras coisas que você irá aprender é que Deus é amor. Como resultado disto, você logo perceberá que o amor precisa de uma forma prática para se expressar. Você aprenderá que há uma relação entre amar e dar. Deus é um Deus que nos dá muitas coisas. Amar e dar estão intimamente ligados nas Escrituras. “O Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim” (Gl 2:20), e “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito” (Jo 3:16). Continuar Lendo...
Desenvolvido por Palavras do Evangelho.com