A responsabilidade moral do homem diante de Deus e sua falta de poder

A questão da responsabilidade do homem parece deixar perplexa muitas almas. Eles consideram difícil, se não impossível conciliar este princípio com o fato de que o homem é completamente sem energia. "Se o homem é absolutamente impotente argumentam eles, como pode ser responsável? Se ele próprio não pode se arrepender e crer no Evangelho, como você pode ser responsável? E se a pessoa, em última análise não é responsável para crer no Evangelho, em que base, então, pode ser julgado por rejeitá-lo? "

Isto é como a mente humana argumenta; e a teologia, infelizmente, não ajudar a resolver a dificuldade, mas, pelo contrário, aumenta a confusão e escuridão.

Bem, em primeiro lugar, uma escola de teologia, a "alta" ou calvinista ensina -e com razão, a impotência ou incapacidade do homem por completo; que se deixá-lo para se livrar por sua própria capacidade, não poderá e nem terá o desejo de  ir a Deus; isto só é possível pelo poder do Espírito Santo; pois se não fosse pela graça livre e soberana de Deus, nenhuma uma alma poderia ser poupada; que, se dependesse de nós só faríamos o  errado e nunca o bem.

De tudo isso, o calvinista segue que o homem não é responsável. Seu ensino está correto, mas o seu dedução está errado.

Já a outra escola de teologia, a "baixa" ou Arminiano ensina, e com razão, que o homem é responsável; Ele será punido com a destruição eterna por sua rejeição do Evangelho; Deus ordena a todos os homens em todos os lugares para que se arrependa; roga aos pecadores, a todos os homens, ao mundo, que se reconcilie com Ele; Deus deseja que todos os homens se salvem e cheguem ao conhecimento da verdade.

De tudo isso, o sistema deduz que o homem tem o poder ou o a faculdade de se arrepender e crer. Seu ensino está correto; sua dedução, errado.

Daqui resulta que nem o raciocínio humano ou os ensinamentos de mera teologia-alta ou baixa- nunca poderão resolver a questão da responsabilidade do homem e sua impotência. Somente palavra de Deus pode fazer isso; e a faz de maneira simples e conclusiva. Ela ensina, demonstra e ilustra, desde o início do Gênesis até o final do Apocalipse, a completa impotência do homem para fazer bem e sua constante inclinação para o mal.

Em Gênesis 6, afirma que "toda a imaginação dos pensamentos de seu coração é só má continuamente." Em Jeremias 17, ele afirma que "o coração é enganoso acima de todas as coisas, e perverso." Em Romanos 3 nos ensina que "não há um justo, nem um sequer; ninguém entende. Não há quem busque a Deus. Todos se extraviaram, e à uma se fizeram inúteis; não há ninguém que faça o bem, não há sequer um."

Além disso, a Bíblia não só ensina a doutrina da ruína absoluta e irremediável do homem, do seu mal incorrigível, a sua total incapacidade de fazer o bem e sua má inclinação inevitável, mas também nos fornece uma riqueza de evidências, absolutamente inegável, na forma de fatos e ilustrações tomadas da história real da humanidade, demonstrando a doutrina.

Ela nos mostra o homem no jardim, acreditando no diabo, desobedecendo a Deus e sendo expulso. Mostra, que depois de ser expulso, seguiu o seu caminho do mal, até que Deus finalmente teve que enviar o dilúvio. Em seguida, na Terra restaurada, o homem fica bêbado e degradado. Ele é testado sem a lei, e prova ser um rebelde sem lei. Em seguida, ele é testado sob a lei e se torna um transgressor premeditado. Em seguida, ele enviou os profetas, e o homem os apedrejam; João Batista é enviado, e o homem o decapita; o Filho de Deus é enviado, e o homem crucifica; o Espírito Santo é enviado, e o homem o resiste. Assim, é em cada volume -por assim dizer- da história da humanidade, em todos os segmentos em cada página, em cada parágrafo, cada linha lemos sobre a sua ruína completa, de sua total alienação de Deus. Somos ensinados, da forma mais clara possível, que se dependesse do homem, não pode e não quer, no entanto, certamente, deve-se convertesse a Deus, fazendo obras dignas de arrependimento.

E, em perfeita concordância com isso, podemos aprender com a parábola do grande banquete que o Senhor se referiu em Lucas 14, que nem mesmo um dos convidados queria estar na mesa. Todos os que estavam sentados à mesa, foram "forçados a entrar". Jamais teriam entrado no banquete se tivesse sido deixado à sua própria conta. A graça, a livre graça de Deus, força-os a entrar; e assim ele faz.

Bendito seja para sempre o Deus de toda graça!

Mas, por outro lado, lado a lado com isso, é ensinado com igual força e clareza, uma verdade solene e importante da responsabilidade do homem. Na Criação, Deus se dirige ao homem como um ser responsável, como tal, sem dúvida, é. E também a sua responsabilidade, em cada caso, é medida por seus benefícios. Portanto, quando você abre o livro de Romanos, vemos que o gentil é considerado na condição sem lei, mas sendo responsável por dar atenção ao testemunho da criação, que não o fez. O judeu é considerado como estando sob a lei, responsável por guarda-la, que não o fez. Em seguida, no capítulo 11 da epístola, o cristianismo é considerado responsável por ficar na bondade de Deus, que ele não o fez. Em 2 Tessalonicenses 1 lemos que aqueles que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo, serão punidos com a destruição eterna. Finalmente, no capítulo 2 da epístola aos Hebreus, o Apóstolo, lança a consciência esta solene pergunta: "Como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação?" Mas o gentil não será julgado na mesma base do judeu; o judeu não será julgado na mesma base como cristãos nominais. Deus vai lidar com cada um em seu próprio terreno distintivo e de acordo com a luz e os privilégios recebidos. Algumas pessoas recebem "muitos açoites" e outros “poucos açoites" de acordo com Lucas 12.

Será "mais tolerável" para alguns do que outros, de acordo com Mateus 11. O Juiz de toda a terra vai fazer o que é certo; mas o homem é responsável, e a responsabilidade é medida pela luz e os benefícios que lhe foram dadas. Nem todos são agrupados indiscriminadamente, como se estivessem em um terreno comum. Por outro lado, é feita uma distinção tão rigorosa, e ninguém nunca vai ser condenado por menosprezar e rejeitar benefícios que não estava dentro do alcance.

Mas, certamente, o próprio fato de que haverá um julgamento, ainda que se não tivesse outra prova, mostra que o homem é responsável.

E quem -preguntamos- quem é ​​o protótipo perfeito de irresponsabilidade? Aquele que rejeita ou despreza o Evangelho da graça de Deus. O Evangelho revela a plenitude da graça de Deus. Todos os recursos divinos são implantados no Evangelho: o amor de Deus; o precioso trabalho e a Pessoa gloriosa do Filho; o testemunho do Espírito Santo. Além disso, no Evangelho, Deus é visto no maravilhoso ministério da reconciliação, rogando aos pecadores que se reconciliar com Ele [1].

Nada pode ultrapassar isso. É a maior implantação cheia de graça, misericórdia e amor de Deus; portanto, todos aqueles que rejeitam ou desprezam, são responsáveis ​​no sentido mais estrito, trazendo sobre si mesmos o julgamento mais severo de Deus. Aqueles que rejeitam o testemunho da Criação são culpados; aqueles que violam a lei são culpados também; mas aqueles que rejeitam a graça oferecida, são os mais culpados de todos.

Existe alguém que ainda se propõe a dizer que não é possível conciliar as duas coisas: a impotência do homem e a responsabilidade do homem?

Em tal caso é bom que tenha em conta que não fomos incumbidos de concilia-los. Deus o fez ao incluir ambas as verdades uma ao lado da outra em sua Palavra eterna. Cabe a nós nos sujeitarmos e crer, não a raciocinar. Se olharmos para as conclusões e deduções das nossas mentes, ou dogmas das escolas antagônicas da teologia, nós cairemos em uma confusão e perplexo e confuso. Mas se estamos inclinados simplesmente as Escrituras, nós saberemos a verdade. Os homens podem pensar e se rebelar-se contra Deus; mas a questão é se é o homem que deve julgar a Deus ou é Deus julgará o homem. É Deus soberano ou não? Se é o homem quem vai julgar Deus, então Deus não é mais Deus. "Oh homem, quem és tu, que a Deus replicas?" (Romanos 9:20). Esta é a questão fundamental. Podemos responder a isso?

O fato é que esta dificuldade em relação à questão do poder e responsabilidade é um erro que surge da nossa ignorância da nossa verdadeira condição e nossa falta de completa submissão a Deus. Toda alma que está em uma condição moral boa, reconhecem abertamente a sua responsabilidade, sua culpa, o seu absoluto desamparo, seu mérito do justo juízo de Deus, e que se não fosse pela graça soberana de Deus em Cristo, seria inevitavelmente condenada. Todos aqueles que não reconhecem isso, do profundo da sua alma, se ignoram a si mesmo, e colocou inevitavelmente em juízo contra Deus. Tal é a situação, se quisermos ser ensinados pelas Escrituras.

 

Tomemos um exemplo. Um homem me deve algum dinheiro; mas é um inconsciente e desperdiça tudo, de modo que este homem não é capaz de me pagar; e não é apenas incapaz, mas não tem a menor vontade de fazê-lo. Você não quer me pagar; Você não quer nada comigo. Se ele me vê descendo a rua, esconde-se o mais rápido que pode para que eu não o veja. É o responsável? Não tenho motivos para processá-lo? Será que sua incapacidade total de me pagar o exonera?

Então eu envio o meu servo com uma mensagem amorosa; o Insulta. Eu enviar outro; e o fere. Então eu envio o meu próprio filho para pedir que você venha a mim e reconheça que me deve, confesse e assuma seu lugar apropriado, pois eu quero dizer-lhe que não só perdoo a sua dívida, mas também quero associá-la a mim. Em seguida, ele insultou o meu filho em todas as formas possíveis, faz todos os tipos de crueldade contra ele e, eventualmente, mata-o. Tudo isso é apenas uma ilustração muito fraco do verdadeiro estado de coisas entre Deus e o pecador.

No entanto, alguns poderiam argumentar e discutir sobre a injustiça de considerar que o homem é responsável. Este é um erro fatal, a partir de qualquer ponto de vista. No inferno não há uma única alma que tenha qualquer dificuldade sobre esta questão. E certamente que no céu ninguém sente qualquer dificuldade quanto a isso. Todos os que estão no inferno reconhecem que tiveram o que mereciam segundo as suas obras; enquanto que aqueles que estão no céu reconhecem unicamente "devedores somente à graça Deus".

Os primeiros devem agradecer a si mesmos; os últimos devem agradecer a Deus. Acreditamos que esta é a única solução real para a questão da responsabilidade e o poder do homem.

 

 

NOTAS

 

[1] N. de A. Alguns ensinam que no verso: "Nós vos suplicamos em nome de Cristo: Reconciliai-vos com Deus" (2 Coríntios 5:20) refere-se aos cristãos que são incentivados a se reconciliar com os caminhos de Deus. O que um erro!

Isso ignora completamente a noção clara da passagem e seus termos atuais. Deus estava em Cristo, NÃO reconciliando consigo os crentes com os Seus caminhos, mas reconciliando O MUNDO consigo.

E agora a palavra da reconciliação é confiada aos embaixadores de Cristo, que têm de rogar aos pecadores que se reconciliem com Deus. A força e a beleza desta bela passagem são sacrificadas, a fim de manter certa escola de doutrina que não pode enfrentar o ensino completo das Sagradas Escrituras. Quanto melhor é deixar todo o sistema de escola de teologia, e vir como um filho para o oceano infinito e insondável da inspiração divina!

 

Devo contribuir?
Ao receber o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador, uma das primeiras coisas que você irá aprender é que Deus é amor. Como resultado disto, você logo perceberá que o amor precisa de uma forma prática para se expressar. Você aprenderá que há uma relação entre amar e dar. Deus é um Deus que nos dá muitas coisas. Amar e dar estão intimamente ligados nas Escrituras. “O Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim” (Gl 2:20), e “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito” (Jo 3:16). Continuar Lendo...
Desenvolvido por Palavras do Evangelho.com