Profecias

07/05/2024

1. Panorama profético

Ele estava no saguão daquele grande hotel, em algum lugar dos Estados Unidos. Sob seu braço esquerdo, segurava uma grande Bíblia. Ele dava a impressão de ser simpático e aberto, e parecia feliz. Não foi difícil reconhecer nele um cristão ... Deveria ter em torno de trinta anos. Quando me viu chegando, dirigiu-se ao meu encontro e sem nenhuma cerimônia foi logo dizendo:
"O senhor acredita que estamos vivendo nos últimos dias?"Sim, estou convicto disto", respondi, após minha surpresa inicial."Baseado em quê, o senhor crê assim?"


"Bem, eu vejo que o senhor tem uma Bíblia; imagino, então, que o senhor seja um cristão. Portanto, o senhor também sabe, que a Bíblia menciona características precisas dos tempos finais, ou seja, dos dias próximos à volta de Cristo. 

Uma das características importantes é, assim pensou eu, a grande decadência da cristandade, o modernismo, a "descristianização", o desaparecimento dos fundamentos da fé; tudo isto deve conduzir à grande apostasia sob o anticristo que está por vir. Pense o senhor também nas circunstâncias políticas: a união dos países da Europa Ocidental e, com ela, o ressurgimento do antigo Império Romano em forma de uma aliança de países, tal como a Bíblia predisse. Por outro lado, também a prosperidade da Rússia (Gogue e Magogue de Ezequiel 38 e 39), surgindo como uma superpotência, além do ressurgimento de antigos povos do Oriente Médio, principalmente a instituição do Estado de Israel. "


Ele acenou positivamente às minhas primeiras palavras, mas no final ele estava espantado e decepcionado, e me interrompeu:
"Sim, mas o senhor acredita que a instituição desse Estado de Israel é um cumprimento da profecia?"


"É claro que creio - mas o senhor não deve me entender mal. As profecias falam de um Israel convertido, reestabelecido em sua terra, ou seja, como um povo que reconheceu seus pecados diante de Deus e aceitou o seu Messias. E este certamente ainda não é o caso! Mas as profecias também mostram que, antes de chegar a tal ponto, um certo número de judeus não controvertidos há de retomar à terra de Palestina e lá, em descrença, fundar um Estado próprio e se fortalecer por uma aliança com o Ocidente contra os Estados vizinhos inimigos. E é justamente isso que vemos acontecer nos dias de hoje na Palestina! Se o senhor quiser, posso mostrar-lhe em sua própria Bíblia, onde isso está escrito nas profecias."


Um Futuro para Israel?
"Não, o senhor não precisa fazer isso, pois eu não creio que as profecias se refiram a Israel, e, sim, à Igreja. Israel, como povo, está consumado para sempre. Transgrediram a lei e por fim mataram Messias. Por isso, Deus deixou Israel de lado e deu à sua Igreja uma nova configuração. Ela agora consiste em crentes dentre os gentios e de alguns judeus, que aceitaram o Evangelho. O senhor veja, isso está bem claro nas cartas de Paulo. Em Gálatas 3, Efésios 2 e Colossenses 3, vemos claramente que Deus, hoje, não faz mais distinção entre crentes, dentre os judeus ou dentre os gregos. Como, pois, na Igreja, não se fala mais de judeus ou gregos, é impossível que paralelamente à Igreja ainda haja lugar para um Estado Bíblico com um povo convertido de Israel.


"Sim, eu devo dar lhe a razão.Não se pode conceber que na terra haja, ao mesmo tempo, uma Igreja composta por ex-judeus e ex-gentios convertidos e uma nação de Israel convertida a Deus.Também não é isso o que eu afirmei. 

Mas, qual a sua postura diante disto: Israel quebrou a lei e rejeitou o seu Messias.Como ficam agora as promessas que Deus deu aos patriarcas? Elas não foram absolutas e incondicionais? Paulo não diz que os israelitas, quanto à eleição, são amados por causa dos patriarcas?: 'porque os dons e a vocação de Deus são irrevogáveis!' (Rom. 11.28,29).

Deus não pode voltar atrás em suas promessas incondicionais dadas aos patriarcas. O profeta Miquéias não diz que Deus nos últimos dias tomará para si um remanescente e o reestabelecerá em sua terra por causa do juramento dado aos pais (patriarcas)? (Miquéias 7. 14-20)"


"Sim, eu também creio que as promessas dadas aos pais foram incondicionais. Mais tarde, porém, elas foram substituídas pela aliança do Sinai, e esta aliança agora estava Vinculada a condições. Se Israel quebrasse esta aliança, Deus o julgaria, o rejeitaria e o dispersaria entre todos os povos."


"Mas o senhor não está considerando duas coisas.Primeiramente, a lei não foi dada em substituição às promessas, mas foi acrescentada sem invalidar as promessas incondicionais. Isto está escrito no capítulo (Gálatas 3) que o senhor mesmo mencionou há pouco (versos 15-22).

 A aliança do Sinal estava de fato Vinculada a condições, de modo que o castigo não deixou de ser aplicado depois de Israel ter pisoteado a lei por séculos a fio. 

Em segundo lugar, o senhor está deixando de observar que Deus de antemão prometeu que, caso Ele tivesse que julgar o povo como um todo, por causa de seu pecado, por fim concederia Sua graça a um pequeno remanescente. 

E neste remanescente Ele cumpriria posteriormente as promessas que havia dado aos pais, reestabelecendo-o em sua terra.

Leia, por exemplo, Levítico 26.31-45 e Deuteronômio 29.24-30.10. 

Também nos profetas: veja, por exemplo, Isaías 10.11-27 e Miquéias 4.6-5,7."


"Mas como o senhor chegou a isso? O senhor não sabe que estas profecias se relacionam a acontecimentos ocorridos já há muito tempo? Isaías 10 se refere ao livramento da mão dos assírios nos dias do rei Ezequias, e Miquéias 4 se refere ao retorno do remanescente judaico do cativeiro na Babilônia."


"Certo, eu não quero desconsiderar que estes acontecimentos mencionados pelo senhor, são um cumprimento parcial destas profecias. Mas não podemos desprezar que estas profecias mencionam incontáveis detalhes que ainda não se cumpriram! Para citar os mais importantes: tanto Isaías como Miquéias relacionam suas previsões sobre a conversão e salvação de um remanescente; note bem, com o governo pessoal do Messias na terra de Israel sobre este remanescente reestabelecido.

Aqui não se trata apenas de uma conversão espiritual deste povo, mas também de seu retorno à terra de seus pais, na qual Messias é seu Chefe de Estado. 

Veja Isaías 11 e Miquéias 5! 

O senhor pode imaginar que Isaías 11 já se cumpriu? Ali, lemos sobre um povo de Israel que vive em paz na Palestina sob o domínio do filho de Jessé; ali observamos grandes modificações, inclusive no reino vegetal e animal; vemos que Israel será o centro dos povos, e vemos um reatamento entre as duas tribos (Judá) e as dez tribos (Efraim) e, vemos, também, que os estados vizinhos inimigos serão julgados.

Isto já se cumpriu alguma vez?Aliás, isto não somente deixou de se cumprir após o cativeiro na Babilônia, como também vemos os profetas, que vieram após esta época, escrevendo sobre um reino de paz futuro, com um povo de Israel convertido num estado reestabelecido, cujo principal (chefe) será o Messias. Veja, por exemplo, Zacarias 2, 8 e 14."


A Teoria da Espiritualização
O meu simpático colega começou a hesitar; mas não quis se dar tão logo por vencido e replicou:
"Mas nós não temos que aplicar estas profecias à Igreja?De fato, Israel não está, em sua totalidade, rejeitado para sempre; mas, a graça de Deus não se manifesta em que hoje os judeus podem aceitar o Evangelho, tornando-se, deste modo, participantes da Igreja, encontrando ali o cumprimento da promessa feita a Abraão?"
"Sinto muito, caro irmão, mas esta não é uma solução", disse eu sorrindo.
"É certo que a Igreja está relacionada com as promessas feitas a Abraão, pois ela comprova que Deus, baseado nestas promessas, preparou uma bênção para todos os povos (Gal. 3.8).

Isso se aplica portanto às nações.Por meio de Abraão, Deus certamente tem uma bênção para os povos; mas que proveito o judeu tem disso tudo? Ele pode estar certo de que Deus também tem uma bênção para o próprio Abraão e sua descendência. Estas profecias não tratam de uma bênção para os judeus dentro da Igreja; aliás, elas nem mencionam a Igreja, mas tratam de uma reconstituição nacional e espiritual de Israel como povo. 

E isso o senhor está desconsiderando ao afirmar que estas promessas se referem a "Israel", referindo-se contudo a um Israel "espiritual", ou seja, a Igreja... "Isso mesmo !" exclamou...
"... Mas então o senhor precisa me explicar, baseado em quais passagens da Escritura, toma o direito de ..espiritualizar" de tal forma estas profecias, desprezando totalmente o significado literal daquilo que está escrito. Explique-me também se de igual modo as maldições anunciadas a Israel, também se aplicam à Igreja. E o senhor me explique também, se podemos igualmente ..espiritualizar" todas as outras profecias. 

Quando se trata, por exemplo, em Miquéias 5, de um estado de Israel reestabelecido sob o governo do Messias, há também um significado espiritual?

Como posso entender então o verso 1 espiritualmente? 

O Messias teria nascido de um Belém ou de um Judá espiritual? 

Como fica então Isaías 9? 

Eu creio que o senhor toma o verso 6 literalmente (um menino nos nasceu, um filho se nos deu); sendo assim o senhor também teria que tomar o verso seguinte na forma literal, e crer que Cristo reinará literalmente sobre o trono de Davi em Jerusalém? 

Se o senhor deseja espiritualizar, deve fazê-lo de forma correta. Se Israel é a Igreja, o senhor também precisa dizer o que Judá representa, e Efraim e a Assíria e o Egito e Jerusalém e todas as figuras principais das profecias!Silenciamos. Mas então meu amigo prosseguiu:"Mas mesmo assim é impossível que, ao mesmo tempo, subsista uma Igreja cristã sobre a terra e um Israel convertido em um Estado de Israel reestabelecido. Isso o senhor mesmo reconheceu há pouco. "
"Sem dúvida. E isto também não é necessário. Quando Deus, em breve, retomar a relação com Israel,.não haverá mais nenhuma Igreja cristã sobre a terra. Pois quando houver se cumprido a plenitude dos gentios, todo o Israel será salvo (Romanos 11 ,25-26).

Antes que Deus traga o verdadeiro e escolhido povo de Israel à conversão, a Igreja estará acolhida nos céus!"
"Como!? Impossível! O senhor não quer me dizer que também é um adepto da doutrina do rapto secreto? Esta é a doutrina mais tola que eu já ouvi. "

"O que o senhor fala é forte.Mas eu posso compreender que o senhor pense assim. Se o senhor faz uma ideia completamente errada acerca da Igreja e do futuro de Israel, então o senhor tem no nariz um óculos cor-de-rosa, e olhando através dele o senhor não consegue mais distinguir corretamente uma série de verdades bíblicas.Mas, se o senhor considerar estes dois pontos que acabamos de tratar, ou seja, que segundo a Bíblia seguramente ainda haverá um futuro para Israel; e que este futuro não se pode realizar enquanto a Igreja Cristã ainda permanecer sobre a terra, as coisas não começam a ficar mais claras?"

"Não, de modo algum, pois segundo a Bíblia a Igreja permanecerá até o último dia sobre a terra. Então Cristo voltará e separará as ovelhas dos bodes; como as ovelhas são os crentes, portanto a Igreja, então ela ainda estará aqui quando Cristo voltar à terra."
"Mas isso não é tão lógico quanto lhe parece. Embora as ovelhas representem os crentes, não significa que estes crentes aqui pertençam à Igreja."
"Como? O senhor quer dizer que pode haver crentes que não pertençam à Igreja?"


A Igreja subsiste desde Adão?
"Sim, certamente. Partindo-se do princípio que entendamos o sentido bíblico da expressão Igreja.
O senhor foi introduzido na opinião de que a Igreja subsiste desde Adão e estará sobre a terra até o último dia, não é?" Naturalmente. Não é esta a compreensão entre todos os cristãos?

"Não, felizmente não. Muitos cristãos, e também eu, acreditam baseados na Bíblia que aquilo que se chama por Igreja, subsiste somente desde o dia de Pentecostes (Atos 2); estará sobre a terra até o seu arrebatamento aos céus, e este arrebatamento acontecerá um certo tempo antes da aparição de Cristo. Após o arrebatamento da Igreja, haverá crentes tanto dentre as nações como também dentre Israel, mas estes crentes não pertencem mais à Igreja, assim como também não pertencem os crentes do Velho Testamento."


"Estes crentes não são renascidos, e nem remidos pelo sangue de Cristo?"


"Mas claro; pois se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus e nem entrar nele (João 3.3 e 5), e sem derramamento de sangue não há remissão (Hebreus 9,22). 

O novo nascimento e o perdão dos pecados são posse de todos os crentes de todos os tempos, mas não são apenas estes aspectos que caracterizam alguém como um membro da Igreja de Deus. O que caracteriza aqueles que pertencem à Igreja é que eles possuem o Espírito Santo habitando em si, e este somente foi derramado no dia de Pentecostes. Foi então que, pelo Espírito Santo, crentes foram batizados em um só corpo, que é a Igreja (1 Cor. 12.13; Atos 1.5).

Portanto, a Igreja subsiste desde o dia de Pentecostes. E, é por isso, que em Mateus 16,18 o Senhor Jesus fala na forma futura ("sobre esta pedra edificarei a minha igreja"), já que naqueles dias a Igreja ainda não subsistia. E Paulo também ensina o mesmo quando escreve que a Igreja é edificada sobre os fundamentos dos apóstolos e dos profetas (neotestamentários) (Efésios 2,19-22 e 3,1-6). 

Além disso, Paulo enfatiza que, no Velho Testamento, a Igreja ainda era um mistério, oculto aos homens (Ef. 3.1-12; Ro. 16.25- 27; Cl. 1.26-2,3)."


"Isso eu não entendo; a Bíblia não fala no Velho Testamento sobre a "congregação" de Israel?E a palavra grega ekklesia, usada para a Igreja no Novo Testamento, também não é aplicada em algum lugar do Velho Testamento à congregação de Israel?
" Correto. 

Em Atos 7, Estevão fala sobre a ekklesia de Israel no deserto (verso 38), mas isto nada tem a ver com a Igreja. 

Igualmente a ekklesia, a assembleia do povo em Éfeso (At. 19,32) tampouco tem algo a ver com a Igreja. Isso é evidente; a "congregação" de Israel era um povo que de modo algum era uma "congregação de crentes". 

Somente uma (pequena) parte era realmente renascida, mas o resto não, embora este resto pertencesse de igual forma à congregação de Israel.Também havia os renascidos fora de Israel; lembre só de Melquisedeque, Jó e Naamã. Então, eles pertenciam à "Igreja" ou não? Não, pois se existisse uma Igreja no Velho Testamento, deveria ter ocorrido uma união entre os renascidos de Israel com os dos outros povos."
"E não podemos chamar esta união de "Igreja"?"
"Não, A Bíblia não nos dá motivo para isto. Pelo contrário, ela diz que embora houvesse "filhos de Deus" antes da cruz, estes eram "filhos de Deus disperses", e que nunca foram unidos em um só corpo, uma unidade. E Cristo veio justamente para reunir em um só corpo os filhos de Deus que andavam dispersos (Jo. 11.52). 

Baseada em Sua obra na cruz, a Igreja, no dia de Pentecostes, pôde ser fundada; e ali, todos os crentes foram unidos, através do derramamento do Espírito Santo, a uma unidade, um organismo, um "corpo", formando a partir deste instante a Assembleia - ou Igreja de Deus."


"Isso eu não entendo. Os crentes do Velho Testamento também não são remidos baseado na obra de Cristo?"


"Certamente, mas aqui não se trata da remissão. Baseado no sangue expiatório de Cristo, todos os crentes de todas as épocas recebem uma eterna remissão. Mas Cristo consumou muito mais sobre a cruz do que o que foi necessário para a nossa remissão! E, baseado naquilo que ele fez a mais, Deus pode agora oferecer mais à Igreja - mais do que é necessário para a remissão de pecadores. 

O Senhor Jesus glorificou a Deus de tal forma, que Deus o exaltou acima de todas as coisas e o glorificou à sua extra (Jo. 13.31-32; 17.1-5 e 22) - o grandioso é que agora, nós, os membros de sua Igreja, fomos colocados por Deus, em Cristo, na mesma posição que Ele; de tal forma estamos ligados com Cristo. (Jo. 17.22; Ef. 1.18-23; 2.4-7; Cl. 3. 1-3)."
"Os crentes do Antigo Testamento não receberam estas bênçãos? 

Eles também estão no céu?"


"Sim, sem dúvida eles agora estão no paraíso. Mas este não é o lugar que lhes está definitivamente determinado. E nem é a este que eles anelaram. 

Deus lhes havia prometido as bênçãos terrenas, as quais eles iriam usufruir sob o maravilhoso governo do Messias - e, por isso, a sua esperança se baseava na ressurreição e finalmente na nova terra (Apesar de que os patriarcas aspiravam a uma pátria celestial (Hb. 11.10 e 16), eles:

a) não estavam sob a lei do Sinai (G 1. 3,17·8);

b) não recebiam o que lhes era prometido, mas vendo as promessas de longe, e saudando-as, confessavam que eram estrangeiros e peregrinos sobre a terra, e aspiravam a uma pátria superior, isto é, celestial, e não baseados em revelações, porém pela fé (Hb. 11.13-16);

c) nisto eles são exemplos para os crentes do Novo Testamento (Ro. 4.11 e 12 e 20-25; Gl. 4.28).

Tão certo como eram propôs ao povo (Dt. 28.1-14), assim também as mesmas bênçãos terrestres que os profetas propunham, quando anunciavam a vinda do Messias (Is. 11 e 35; Jr. 31; Joel 3; Sf. 3; Zc. 8).
Porém, do mesmo modo, certo está que as bênçãos típicas à Igreja jamais são terrestres; a esperança dos cristãos não se dirige a uma permanência sobre esta terra, e nem a uma nova terra. Nós, agora já estamos em Cristo, assentados nos lugares celestiais (Ef. 2,6): e é esta a posição que nos caracteriza, estamos ligados com um homem glorificado à direita de Deus (no Velho Testamento ainda não havia nenhum homem glorificado no céu!). 

E por toda a eternidade será o céu, a casa do pai, o lugar que nos caracteriza. Cristo foi para nos preparar um lugar na casa do Pai, e Ele voltará, tal como prometeu, para nos levar pra si, para que já estejamos lá, onde Ele está (Jo. 14,1-3). 

Nós seremos arrebatados para o encontro do Senhor nos ares; e, assim, estaremos para sempre com o Senhor. (1 Ts. 4,17)."


Quando a Igreja Será Arrebatada?
"Eu também conheço estas maravilhosas passagens muito bem. Mas tanto João 14 como 1 Tessalonicenses 4 falam da vinda de Cristo: e é nesta ocasião que a Igreja será arrebatada aos céus, e não antes, como o senhor afirma."
"Um momento.Vamos retomar a sequência. Eu procurei mostrar que: ainda existe um futuro espiritual e político para o povo de Israel, mas também que este reestabelecimento de Israel está impedido de ocorrer, enquanto a Igreja ainda permanece sobre a terra. Somente isto já evidência que a Igreja deverá ser arrebatada algum tempo antes da vinda de Cristo. Não há dúvidas de que João 14 e I Tessalonicenses 4 tratam de um fato que antecede a aparição de Cristo."


"Isso me surpreende muito.Gostaria que o senhor o comprovasse primeiro. Parece-me uma teoria que o senhor foi buscar muito longe, elaborada para tentar sustentar as suas afirmações anteriores."
"E não, pelo contrário! Tudo fica claro e evidente quando se lê as duas passagens com muita atenção e as compara às outras passagens. 

De antemão, vemos que o arrebatamento da Igreja não pode ser a mesma coisa que a aparição de Cristo, pois o primeiro foi um mistério 1 Co. 15,51 que Paulo pôde transmitir baseado na palavra do Senhor (1 Ts. 4.15), enquanto o segundo já era algo relativamente conhecido na época do Velho Testamento (1 Ts. 5.1). 

Na vinda de Cristo, Ele voltará sobre a terra; seus pés estarão sobre o Monte das Oliveiras (Zc. 14,4), e Ele se assentará sobre o trono de seu pai Davi. 

E, por outro lado, no fato descrito em Jo. 14 e 1 - 1 Ts. 4, o Senhor vem à terra. É certo que Ele virá dos céus, mas na metade do caminho Ele se encontrará com a sua Noiva (a Igreja). 

João 14,3, diz, que Ele voltará (dos céus)e nos tomará para si (tirando-nos da terra), e 1 Ts. 4,16-17 diz, que o Senhor descerá dos céus e que os crentes, todos juntos, serão arrebatados para o encontro do Senhor nos ares. 

Já na vinda de Cristo, (Sua segunda volta) todo o olho o verá (Ap. 1,7); mas quando do arrebatamento da Igreja a trombeta soará apenas para os crentes, ajuntando-os para a "partida" (1 Ts. 4.16; 1 Co. 15.52). 

Primeiro, o Senhor Jesus vem para a Igreja, Ele vem como a "brilhante estrela da manhã" (Ap. 22.16; 2 Pe. 1.19), estrela esta que aparece um certo tempo antes da alvorada e que só é vista por aqueles que vigiam(Ro. 13.11- 13; 1(1 Ts. 5.4-8); mas, depois, o Senhor volta como o "sol da justiça" , o que significa para juízo dos que não temem a Deus e para salvação do remanescente de Israel (Ml.4.1-33). 

Mas a mais notável diferença entre estes dois fatos é a seguinte: Na ocasião do arrebatamento da Igreja o Senhor vem "para" os seus, na sua vinda Ele virá "com" os seus. 

Primeiro, Ele virá para, "na metade do caminho", tomar a Igreja para Si, e depois, mais tarde, é que Ele virá à terra, juntamente com a Igreja. "
"O Senhor tirou isso da Bíblia?"
"Lógico, de onde mais! Uma passagem bastaria, mas como se trata de um ponto tão importante, eu lhe mencionarei seis.

Zacarias 14.5: "Então virá o SENHOR meu Deus, e todos os santos com Ele".

Colossenses 3.4: "Quando Cristo, que é nossa vida, se manifestar, então vós também sereis manifestados com Ele, em glória."

1 Tessalonicenses 3.13: " ... na vinda de nosso Senhor Jesus, com todos os Seus Santos."

1 Tessalonicenses 4.14: "Pois se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também Deus, mediante Jesus, trará juntamente em Sua companhia os que (agora dormem."

Judas 14: "Eis que veio o Senhor entre Suas santas miríades para exercer juízos contra todos."

Apocalipse 19.11-14: "Vi o céu aberto, e eis um cavalo branco. O seu cavaleiro (se chama) Fiel e Verdadeiro, e julga e peleja com justiça ... e seguiam-no os exércitos que há no céu, montando cavalos brancos, com vestiduras de linho finíssimo, branco e puro." 

(compare também Ap. 17.14)."
"Aqui não se trata de anjos?Não lemos muitas vezes que Cristo há de voltar com o seus santos anjos?"
"Certo, os anjos também estarão juntos. 

Lemos sobre isso expressamente em Mateus 24.30- 31; 25,31 e 2 Tessalonicenses 1.7. 

Mas eles não serão os únicos.

A palavra "santos" nunca é aplicada aos anjos (apesar que lemos dos "santos anjos"), mas somente aos crentes. 

Fora isto, é evidente que Colossenses 3.4 e 1 Tessalonicenses 4.14 tratam de crentes. E também em Apocalipse 19.14 não se pode interpretar um outro grupo a não ser os crentes; compare, pois, os versos 7 e 8, onde os crentes são chamados de as esposa do Cordeiro, que está vestida de linho finíssimo, resplandecente e puro, "porque o linho finíssimo são os atos de justiça dos santos". 

(Em apocalipse 15.6 lemos de anjos que também estão vestidos de linho puro, mas para isto temos no texto original a palavra (linho fino) como em 19.8 e 14.). 

Não, se formos realmente sinceros, não chegaremos a nenhuma outra conclusão a não ser a de que, quando da volta de Cristo, os crentes aparecerão com Ele, vindo dos céus."
"Não poderíamos solucionar esta questão aceitando que Cristo, quando de sua vinda, tomará primeiramente para si, desta terra, a Igreja e, imediatamente após, surgirá, com ela, dos céus?"
"Não, estaríamos forçando uma formulação, que é impossível de ocorrer. Pois em nenhum lugar na Bíblia, a vinda de Cristo é descrita assim. 

Aliás, seria muito estranho, pois qual seria a razão pela qual o Senhor Jesus viria do céu, tomasse sua Igreja para Si e voltasse ao céu para, imediatamente após, voltar novamente com Ela do céu? Mas, o mais importante nisso tudo é que a Bíblia mostra muito claramente que entre o arrebatamento da Igreja e a vinda de Cristo ocorrerão fatos de extrema importância, tanto no céu também sobre a terra!!"


Por W. J. Ouweneel

2. O Dia do Senhor

"Por esta razão, pois, amados, esperando estas coisas, empenhai-vos por ser achados por ele em paz, sem mácula e irrepreensíveis, e tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor" 

(2 Pedro 3:14-15)


O "dia do Senhor" é um evento, ou melhor, um período de tempo do qual os profetas escreveram desde há muito tempo, algo como 800 a.C. 

O "dia do Senhor" foi o tema principal do profeta Joel quando escreveu a Israel durante o reinado de Joás (talvez no ano 830 a.C. - Joel 1:15; 2:1, 11, 31; 3:14). 

Muitos outros profetas também escreveram sobre o tempo futuro do juízo de Deus, utilizando a frase "o dia do Senhor" para identificar aquele tempo.  

A seguir, alguns exemplos:
Sofonias 1:7-18; 3:8-9. Sofonias nos mostra o propósito daquele dia: "... para sobre eles cair a minha maldição e todo o furor da minha ira... " (3:8).

Obadias declara que é "para todas as nações", (v.15), enquanto Zacarias ensina que o "dia do Senhor" trará desolação sobre Jerusalém, (14:1-2). 


Há muitas outras referências ao "dia do Senhor" utilizando outras frases similares para identificá-lo, tais como: "aquele dia", "o dia", "o grande dia", e tais frases ocorrem umas 75 vezes no Antigo Testamento.

O Novo Testamento, de modo geral, ensina que" o dia do Senhor" começa com a vinda do Senhor Jesus. 

O Senhor, Ele próprio, falou sobre isso com seus discípulos. Por exemplo: (Mateus 24; Marcos 13; Lucas 17:22-31 e 21:5-37). 

Os autores das epístolas também ensinaram: 1 Coríntios 1:8, 5:5, 2 Coríntios 1:14, 1 Tessalonicenses 5:2, 2 Tessalonicenses 2:2, 2 Pedra 3:10 e Apocalipse 16:14 falam daquele dia como, "aquele grande dia do Deus Todo-poderoso".


De todos esses textos das Escrituras podemos concluir que "o dia do Senhor" no Velho Testamento é visto como principalmente juízos para Israel. 

Também é o tempo quando as nações pagãs serão julgadas (todas as nações gentias). 

O propósito desses juízos é trazer a nação de Israel ao arrependimento (Sofonias 3:12-20), e também submeter as demais nações ao Senhor Jesus e estabelecer o reino de justiça, (Filipenses 2:10-11 - Mateus 25:31-46). 

Será o tempo em que todo o joelho se dobrará ao Nome do Senhor Jesus e todos receberão as bênçãos do reino. Este reino é o que chamamos de "o milênio" do qual se fala em Apocalipse 20.


Baseados em 2 Pedro 3: 10-13, temos a autoridade bíblica para dizer que a destruição da terra e dos céus como hoje existem é parte do "dia do Senhor".

"Quando finalmente o dia da graça acabe com o arrebatamento da Igreja, o dia do Senhor se seguirá. Será um tempo quando os juízos de Deus serão derramados sobre a terra. Inclui a vinda do Senhor com seus santos para executar juízo sobre seus inimigos e apoderar-se do Reino... e reinará com justiça por mil anos gloriosos" (H.A. Ironside). 


O dia do Senhor inclui a "tribulação" para os judeus, (Sofonias 3:8, 9; Mateus 24:4-35; 2 Pedro 3:3- 13), e a vinda do Messias para Israel, (Zacarias 12:10"13:1).


Tudo começa com o arrebatamento da Igreja.
A frase, "o dia do Senhor", não fala de um dia de 24 horas, mas de uma série de eventos que estão em uma estrutura de tempo, que começa com a vinda de Cristo para sua Igreja e termina com a nova terra e os novos céus (2 Pedro 3: 13). 

Há outros "dias" metafóricos mencionados nas Escrituras que estão dentro de uma estrutura de tempo e eventos, por exemplo: "o dia de Cristo", (Filipenses 1: 10), "o dia da Salvação", (2 Coríntios 6:2), e o dia do castigo", (Isaías 10:3).

A vinda do Senhor por Sua Igreja será para Israel e todos os incrédulos como a vinda de um "ladrão de noite", (Mateus 24:42; 1 Tessalonicenses 5:2). 


Os crentes em Jesus, ao contrário, devem estar prontos e vivendo com a esperança bem-aventurada como uma esperança viva, (1 Tessalonicenses 5:4-8). 

Estaremos prontos se tivermos Sua vinda constantemente em nossas mentes. Esta esperança nos ajuda a manter nossas vidas em boa condição, (1 João 3:3; Tito 2: 11- 14).

Não devemos confundir "o dia do Senhor", como "o dia de nosso Senhor Jesus Cristo", nem como "o dia do Senhor" Jesus", ou frases semelhantes, (1 Coríntios 1:8; 2 Coríntios 1: 14; Filipenses 1:6, 10; 2:16, etc). 


"O dia de Cristo" fala das bênçãos e galardões que aguardam os crentes em Cristo no dia de sua vinda, enquanto" o dia do Senhor" fala da ira de Deus julgando os não-crentes que ficam na terra depois do arrebatamento.

Da mesma forma, não devemos confundir o "Tribunal de Cristo" como o "trono branco", (2 Coríntios 5:10, 1 Coríntios 3: 12-15; Apocalipse 20: 11-15). 

O "Tribunal de Cristo" é o lugar onde o Senhor premiará com coroas e outros galardões os seus fiéis servos.


Em contraste, o "trono branco" é o lugar diante do qual os ímpios que rejeitaram a Deus e sua salvação serão condenados eternamente ao inferno. Nenhum crente terá que se apresentar diante do trono branco, porque todo nosso juízo foi julgado sobre a cruz. 

"Agora, pois, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus" (Romanos 8: 1).


Segue uma lista de alguns eventos principais que acontecerão no "dia do Senhor".
O conhecimento de todos estes juízos, e o horror daqueles dias futuros que cairá sobre os perdidos, deve infundir-nos um zelo para levar a mensagem gloriosa da salvação em Cristo Jesus a todos os que encontramos a cada dia. 

Ao mesmo tempo, deve fazer com que desatemos os laços com um mundo que espera somente juízo e destruição.

"Se, pois, ressuscitastes com Cristo, buscais as coisas de cima, onde Cristo está sentado à destra de Deus. Colocai os olhos nas coisas de cima, não nas da terra. Porque morrestes e vossa vinda está escondida com Cristo em Deus. Quando Cristo, vossa vida, Se manifestar, então também sereis manifestados com Ele em glória." (Colossenses 3: 1-4).


ALGUNS EVENTOS QUE ACONTECERÃO NO DIA DO SENHOR

  1. O Arrebatamento. 1 Tessalonicenses 4: 15-18
  2. Uma confederação de nações se estabelecerá (talvez o mercado comum europeu), as mesmas que formavam em tempos antigos e Império Romano. Daniel2 e 7:23-25.
  3. Um poderoso ditador se levantará dentre essas nações e fará um pacto com Israel. Daniel 9 a 27.
  4. As falsas religiões do mundo se unificarão (o verdadeiro movimento ecumênico) e ficarão sob o controle do falso profeta. Apocalipse 13: 11-18.
  5. Os juízos dos" sete selos" que se abrem. Apocalipse 6:8. F. As 144.000 testemunhas (judeus) separados e selados. Apocalipse 7.
  6. Os juízos das trombetas. Apocalipse 8: 11.
  7. As duas testemunhas aparecem. Apocalipse 11. 1
  8. Perseguição intensa a Israel. Apocalipse 12.
  9. Os juízos das "Sete copas de ira". Apocalipse 16.
  10. A condenação e queda da grande Babilônia (a religião falsa). Apocalipse 17-18.
  11. A Batalha do Armagedom. Ez 38-39; Ap 16: 16; Ap 19:17-21.
  12. O Evangelho do reino será pregado a todas as nações. Mt 24:14. (Não se deve confundir este evangelho com o evangelho da graça que se prega agora. O Evangelho do reino será semelhante ao que pregou João Batista "Preparem-se para a vinda do Messias").
  13. A volta do Senhor com os Santos. Mt 24:29-30; Ap 19:11-16.
  14. A ressurreição dos crentes do A.T. e os santos da tribulação. Apocalipse 20:4-6.
  15. A destruição dos exércitos da Besta. Apocalipse 19:12-19.
  16. A Besta e o Falso Profeta lançados ao inferno. Apocalipse 19:20.
  17. O juízo das nações. Mateus 25:31-46
  18. Israel recolhido dentre as nações. Ezequiel 27: 1-4. O que vemos em nossos dias é somente um recolhimento parcial que se iniciou em 1948, quando Israel foi reconhecido como uma nação.
  19. Israel julgado. Ezequiel 20:33-38.
  20. Israel restaurando em sua terra. Amós 9:15.
  21. Satanás amarrado por 1000 anos. Apocalipse 20:2, 3.
  22. O Milênio (o reino de Cristo). Apocalipse 20:7-10.
  23. Satanás lançado no inferno. Apocalipse 20:10.
  24. O juízo do trono branco para os inconversos. Apocalipse 20: 11-15.
  25. Os céus e a terra queimados e a criação de novos céus e uma nova terra. 2 Pedro 3:10-13.


por Ian Taylor

3. O homem do pecado

O capítulo 2 de 2 Tessalonicenses é uma chave para nos ajudar a entender parte do plano de Deus sobre a Vinda de Cristo para Sua Igreja e também eventos que acontecerão antes e logo depois. 

O apóstolo Paulo assegurou aos tessalonicenses que os crentes seriam arrebatados primeiro conforme o que já tinha escrito em sua primeira carta (cap. 4), e que eles não deviam crer em outras doutrinas, menos que fossem anunciadas por "profecias", ou ainda por cartas supostamente escritas por ele (v.2).

O Dia do Senhor será principalmente um tempo de juízos, como vimos no estudo anterior, e por isso não é para a Igreja.O apóstolo procura lembrá-los "de nossa reunião com ele" (v.1). Os Tessalonicenses não deviam desviar-se pelos maus ensinamentos, pensando que já havia começado o "Dia do Senhor", apesar de que algumas manifestações características já estarão em evidência antes do arrebatamento e o começo daquele dia.


A manifestação do "homem do pecado" acontecerá durante os sete anos de tripulação, mas antes haverá "a apostasia" (v.3).

A apostasia é rebelião contra Deus.

Podemos perceber algo da apostasia hoje, (foi profetizado em 2 Tm 3:1-5, e é evidente na Igreja de Laodicéia que tipifica a Igreja nos últimos dias - Ap 3: 15-16), mas será pior naquele tempo quando haverá uma rebelião mundial total contra Deus.

O movimento religioso ecumênico que vemos no mundo hoje, continuará depois do arrebatamento porque representa a Igreja falsa e será composto dos falsos crentes que ficam. 

Seu juízo está profetizado em Ap 17-18 quando "Babilônia, a grande, a mãe das rameiras", será destruída para sempre. 

Alguns dizem que é uma determinada religião, mas apesar de haver uma descrição bem específica quanto à sede dessa organização, ("As sete cabeças são sete montes, sobre os quais se senta a mulher" Ap 17: 9) será na realidade a união ecumênica de todas as falsas religiões do mundo.


Manifesta-se o Homem do Pecado (2 Tessalonicenses 2:3-8)
A. Quem é?
A influência dos verdadeiros crentes, nascidos de novo pelo Espírito de Deus, depois do arrebatamento da Igreja, será tirada da terra.

O "sal da terra" e a "luz do mundo" (Mateus 5:13-14) desaparecerá, e o homem do pecado não terá obstáculos para se manifestar (v.3).

Devemos entender que o "Homem do pecado" não é um homem simbólico, nem um sistema, nem uma organização, nem uma condição. Será um homem de carne e osso. É chamado também de "o homem da perdição" (v.3) ou "o homem condenado à destruição", os mesmos nomes dados a Judas (João 6:70; 13:27; 17:12;).

Esse homem fará diferentes tipos de Sinais e "milagres" e logo "senta-se no templo de Deus como Deus, fazendo-se passar por Deus", (v.4). 

Quando o fizer, será o ato supremo da apostasia e o cumprimento da profecia da Daniel, confirmada pelo próprio Senhor Jesus - "a abominação desoladora", (Daniel 12:11; Mateus 24: 15). 

Isso ocorrerá na metade do período da tribulação, (Daniel 9:27).

O "Homem do Pecado" é a segunda besta do Apocalipse 13. A primeira besta sai do mar e o mar, em geral, tipifica as nações do mundo. A primeira besta terá poder incrível sobre as nações do mundo como ditador, mas tal poder político vem de Satanás. A segunda besta sai da terra e a terra, em geral, significa a terra de Israel; por essa razão, provavelmente será um judeu.

Satanás usa essa besta para imitar a Cristo como profeta e rei. A segunda besta é semelhante a um cordeiro; outra imitação do Cordeiro de Deus, mas fala como dragão (13: 11). A segunda besta é o anticristo, e apesar de todos terem rejeitado a existência de Deus, ninguém perderá dentro de si mesmo um "instinto" de necessitar de Deus. 

Aceitarão facilmente esse substituto e adorarão esse objeto de suas depravações. Todos ficarão maravilhados de seu poder e dos milagres que fará, e logo ele se proclamará a si mesmo como deus e se sentará no templo em Jerusalém para ser adorado.


B. Aquele que o detém (2:6-8)
O "ministério da iniquidade já operava desde o tempo dos apóstolos (v.7). Em outras palavras, o espírito do anticristo já estava trabalhando e continua até o presente. 

"Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? Este é o anticristo, o que nega ao Pai e ao Filho"; "... todo espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne, não é de Deus; e este é o espírito do anticristo, o qual vós tendes ouvido que vem, e que agora já está no mundo"; (1 João 2:22;4:3). 

O Espírito do anticristo que é do diabo opera desde o princípio da Igreja, mas não pode operar como quer porque há Um que o detém. Quem é Aquele que coloca tal restrição sobre o "espírito do anticristo"? (v.6). 

Alguns pensavam que Paulo se referia ao governo romano que impôs suas leis e restrições sobre todas as nações naqueles tempos. 

Outros pensam que é uma referência a todos os governos que impuseram leis e ordem em cada século. Está ideia não tem muito peso porque a história nos relata a maldade que ocorre no mundo apesar dos governos, e muitas vezes promulgada pelos próprios governos.


C. O Espírito Santo na Igreja
A explicação mais lógica é que quem o detém é o Espírito Santo, que vive em cada crente (Romanos 8:9; I Coríntios 6: 19). 

Alguns acham que não pode ser o Espírito Santo porque Ele voltará durante a tribulação para operar nos 144.000 pregadores judeus (Apocalipse 7 e 14). Devemos entender que há uma grande diferença entre o Espírito operando por meio de alguns homens como fez nos tempos do Antigo Testamento e sua morada contínua em todos os crentes que formam a Igreja. 

Embora a Igreja esteja em ruínas e débil hoje em dia, é ainda uma força que Satanás não pode conquistar. O crente mais fraco tem poder para resistir Satanás que fugirá, (Tiago 4: 7).

Enquanto houver dois ou três crentes com vida no mundo, haverá poder para resistir e fazer o diabo fugir. 

A debilidade que sentimos está na nossa falta de fé e porque não valorizamos como devemos o poder que está a nossa disposição. Nunca devemos nos esquecer de que a Igreja é uma grande restrição a Satanás. É a razão por que nosso adversário, Satanás, "como um leão rugente, anda ao derredor procurando a quem devorar", (1 Pedro 5:8). 

Não está rugindo como um leão guardando a presa de outros animais (Amós 3:4), mas está rugindo com frustração porque não pode fazer tudo o que quer.

Ele não pode conquistar a Igreja, que como um exército indomável marcha para a vitória, porque o poder do diabo foi tirado na cruz, (Colossenses 2: 15). 

"Em todas estas coisas somos mais que vencedores por meio daquele que nos amou" (Rm 8:27).

Quando a Igreja for arrebatada para o céu, todas as restrições sobre Satanás e os seus serão tiradas e logo seus planos infernais Poderão se desenvolver sem impedimento. 

"Somente há quem no presente o detém, até que seja tirado. E então se manifestará o iníquo ... " (v.7-8). 

A expressão "no presente" inclui a igreja em todas as épocas, e depois da vinda do Senhor, o tempo do "então" pode começar.


D. O homem do Pecado destruído (2:9)
Os agentes de Satanás terão poder por um tempo para controlar o mundo como querem, mas o fim deles está profetizado.O Senhor Jesus os "matará com o sopro de sua boca, e os destruirá com o resplendor de sua Vinda".

A destruição referida, não é o aniquilamento, mas a derrubada completa. Seu poder será tirado e logo julgado. Seu fim está profetizado em Apocalipse 19:20.

"E a besta foi presa, e com ela o falso profeta, que diante dela fizera os sinais, com que enganou os que receberam o sinal da besta, e adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no ardente lago de fogo de enxofre. 

"Vivendo com Esperança É triste pensar que apesar da pregação do Evangelho no mundo, há muitas pessoas que, ou rejeitam a mensagem, ou não a levam a sério.

A incredulidade leva-os à eternidade sem Cristo e sem esperança da salvação. Cada pessoa que rejeita a Cristo terá que comparecer perante o trono branco para ser julgado, e imediatamente lançado ao lago de fogo com Satanás e seus seguidores (Apocalipse 20: 11-15).

Sabendo isso, nós, os crentes, devemos ter um afã e um amor pelos perdidos, e devemos sentir a urgência da proclamação do Evangelho. Paulo disse: "Conhecendo, pois, o temor do Senhor, persuadimos aos homens ..." (2 Coríntios 5:11)

Sabendo que o juízo vem e o fim das coisas se aproxima, devemos também sentir a necessidade de viver de uma forma digna do Senhor, e, ao mesmo tempo, aproveitar bem o tempo, porque os dias são maus (Efésios 5:16). 

A vinda do Senhor deve encher nossos corações de gozo, paz e esperança, mas também deve influir no propósito de nossas vidas. "Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite, no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra e as obra que nela há, se queimarão. 

Havendo, pois de perecer todas estas coisas, que pessoas nos convém ser em santo trato, e piedade!" (2 Pedro 3: 10-11)


por Ian Taylor

4. Arrebatada pelo Esposo, e vindo como Rei

Milhares de pessoas por toda a parte estão sendo despertadas para esse fato solene e bendito da volta do Senhor, e ainda que os "escarnecedores" dos últimos tempos estejam perguntando: 

"Onde está a promessa da Sua vinda?" (2 Pedro 3:4) 

e o mau servo diga no seu coração: "O meu Senhor tarde virá" (Mat. 24:48), 

mesmo assim "O que há de vir virá, e não tardará" (Heb. 10:37), 

"O Filho do homem há de vir à hora em que não penseis" (Mat. 24:44).

No espírito do povo de Deus, por todo o mundo, há uma convicção crescente e certíssima - convicção baseada nas verdades da Palavra divina - de que a história da Igreja na Terra está prestes a findar; e que o Senhor Jesus está para vir para levar a Sua noiva para a casa do Pai. Leitor, estás já compenetrado da realidade deste solene assunto, e do que ele significa? Se não estás ainda, que o Espírito Santo se sirva destas linhas para despertar a tua preciosa alma:"Para que o Senhor não venha de improviso e não te ache dormindo" (Marcos 13:36).

Há quatro coisas em relação a esse assunto que desejamos apresentar em poucas palavras:

  • 1- A promessa da Sua vinda;
  • 2- A Pessoa que está para vir;
  • 3- O propósito da Sua vinda;
  • 4- A preparação para a Sua vinda.


A Promessa da Sua Vinda
Houve um tempo em que a Sua vinda como humilde Sofredor era ainda uma profecia por cumprir. Muitas gerações tinham vindo e desaparecido; impérios se tinham levantado e caído; Israel e Judá tinham sido "espalhados" ,levados para o cativeiro; e um resto do povo tinha sido novamente restaurado à sua terra; mas o prometido Messias não tinha aparecido. A maior parte dos que tinham voltado do cativeiro de Babilônia achavam-se, sem dúvida, estabelecidos com todo o conforto, e quase esquecidos d'Aquele cuja vinda lhe tinha sido prometida, quando, eis que, uma manhã, houve em Jerusalém um grande movimento. Chegaram visitantes de fora com a extraordinária notícia de que tinha nascido o Rei há muito prometido.Desde o palácio de Herodes até aos sacerdotes do templo, a notícia espalhou-se rapidamente.

Mas qual foi o resultado desta notícia? 

Foi porventura que os filhos de Sião gritaram unânimes louvores a Deus por ter, finalmente, cumprido a Sua palavra e mandado o Messias? 

Porventura a alegria brilhou em todos os rostos, foram consolados os corações? Infelizmente não. Pelo contrário. 

A tristeza invadiu a cidade. "O rei Herodes ... perturbou-se, e toda a Jerusalém com ele" (Mat. 2:3).

Mas por que razão? Foi porque, se pelas Escrituras eles conheciam um pouco o assunto, deviam saber que Isaías tinha predito que "Reinará um Rei em .... justiça (Isa. 32.1) 

Ora, apesar de em Jerusalém haver nesse tempo muitos que se glorificavam da sua própria justiça e religião, havia sem dúvida na consciência da maior parte um íntimo sentimento de que não estavam preparados para a presença daquele Justo, e, portanto, a notícia que devia encher de gratidão e júbilo todos os peitos em Jerusalém, apenas produziu o efeito contrário.Mas quer estivessem preparados para O receber, quer não, Ele tinha vindo; tinha vindo para revelar o Pai, tinha vindo não só como o Messias de Israel, mas também como o "Salvador do Mundo". 

A solene consequência é bem sabida por todos. O "Amado de Deus" foi odiado e rejeitado, e o Seu caminho neste mundo findou no Calvário - crucificado e morto pelas mãos dos injustos (Atos 2:23).

Deus tinha assim cumprido completamente a promessa feita aos pais de mandar Jesus; eles cumpriram os escritos proféticos condenando-O (Atos 13:27, 32,33). Antes da Sua morte, contudo, Aquele que tinha sido prometido tornou-se n'Um que prometia. Tinha reunido à roda de Si os Seus amados discípulos. O traidor Judas tinha acabado de se retirar daquele pequeno grupo. A negra sombra da cruz estava a poucos passos à frente, e Ele lhes falou, insinuando a esse respeito. Que momento solene foi aquele! Pensemos naqueles rostos tristes e transtornados ao escutarem ansiosamente aquela comunicação de despedida! 

"Não se turbe o vosso coração", diz Ele, "credes em Deus, crede também em Mim" (João 14:1).

Como se tivesse dito: Vós confiastes em Deus sem O ver, e agora que Eu me vou apartar de vós, ponde a mesma confiança em Mim. Deus vos fez uma promessa por meio dos profetas, e cumpriu fielmente esta promessa pela Minha vinda. Eu, também, vou fazer-vos uma promessa, e vós deveis igualmente confiar que Eu hei de cumpri-la.Mas qual era esta nova promessa?

Vamos ler João 14:2 e 3 e veremos: "Na casa de Meu Pai há muitas moradas: vou preparar-vos lugar. E se Eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para Mim mesmo, para que onde Eu estiver estejais vós também."

Não se podia cair em maior erro do que pensar que esta segunda "vinda" se refere à morte do crente. Vejamos a diferença que há entre uma coisa e outra.Suponhamos que um pai muito afetuoso leva pela primeira vez o seu filho para uma escola distante, como interno. Ao apartar-se dele bem vê a luta que se está travando no coração da pobre criança, que tenta por todos os modos reprimir as lágrimas. 

Assim, para o animar, o pai diz: - Então, meu filho, não estejas triste. Eu agora tenho que te deixar aqui e voltar para casa, mas, quando começarem as férias, eu mesmo hei de vir para buscar-te e levar-te comigo para casa. 

Ora, ninguém vai se enganar quanto ao sentido que o pai queria fazer perceber ao seu atribulado filho por estas palavras. E assim também a linguagem do bendito Jesus para os Seus tristes discípulos, na crítica ocasião já aludida, não foi menos clara e livre de enganos.

Não disse: "Eu vou para o céu, mas vós haveis de morrer e ir ali ter comigo", mas sim: "Se Eu for, e vos preparar um lugar, virei outra vez e vos levarei para Mim mesmo".

Se os crentes morrem, as Escrituras falam deles como tendo "deixado o corpo e habitado com o Senhor" (2 Cor. 5:8).

Enquanto que quando a vinda do Senhor tiver lugar, em vez de estarem ausentes do corpo, ou, como exprime o versículo 4, estarem "despidos", os seus corpos serão conformados ao Seu corpo glorioso (Fil. 3:21; I Cor. 15:52). 

"Num momento, num abrir e fechar de olhos", os "mortos em Cristo" ressuscitarão e os vivos serão "transformados".

De modo que, em lugar da vinda do Senhor se referir à morte dos crentes, pelo contrário, desfará tudo que a morte tem feito nos corpos do povo de Deus durante perto de seis mil anos. Que dia de vitória tanto para Ele como para aqueles que O conhecem. Mas consideremos agora a segunda parte do nosso assunto, isto é:


A Pessoa que está vindo
Muitos dos que conhecem alguma coisa da doutrina da vinda do Senhor, parecem preocupar-se mais com os "acontecimentos" que julgam terem sido ou estarem sendo cumpridos, do que com a própria bendita Pessoa que há-de vir.Uma viúva, por exemplo, está no cais duma cidade marítima, olhando fixamente para o lado do mar. Ouviu dizer que estão para chegar em breve navios de transporte que trazem as tropas de volta duma guerra no estrangeiro, e ela espera ardentemente que num deles venha o seu muito amado filho.Estão a fazer-se grandes preparativos para uma grandiosa recepção após o desembarque dos bravos soldados. 

Mas tudo isso tem poucos atrativos para ela. As bandas militares, as bandeiras tremulando e os arcos triunfais podem agradar a um simples observador; mas é pelo seu querido filho que ela espera.De dia e de noite desde que ele partiu, ela tem desejado e orado pelo seu regresso, e, na verdade, o que é que lhe daria alegria igual a vê-la de volta são e salvo? 

Não é que ela não goste de vê-la honrado nos festejos; na verdade, ela o considera digno de todas as honras que lhe possam dar; no entanto, isso ocorrerá depois de seu desembarque. Agora, a maior preocupação do seu coração é esta: "ele está para vir".


Ora, leitor amigo, podem estar a dar-se certos acontecimentos, hoje, que pareçam indicar que não pode estar longe o tempo em que o "Sol da justiça" há-de levantar-se, trazendo nas Suas asas a cura para o restante do povo de Israel que tema o Seu nome, e o julgamento para os maus. Mas a esperança imediata do cristão é a volta do próprio Cristo, como sendo a "Resplandecente Estrela da Manhã ", como Ele próprio diz no Apocalipse 22: 16. 

Usando do Seu próprio precioso nome pessoal, Ele diz: "Eu Jesus enviei o Meu anjo para vos testificar estas coisas nas igrejas; Eu sou a raiz e a geração de Davi, a resplandecente estrela da manhã".Ora, a estrela da manhã aparece no firmamento antes do sol. É entre o tempo em que Ele vem como "Estrela da manhã", e o tempo em que Ele apareceu novamente como" Sol de justiça" que o terrível julgamento de que se fala no Apocalipse há de se desencadear sobre a Terra. 

Então entrará em cena aquela terrível consumação de maldade e insubordinação, aquele "homem do pecado", o anticristo (2 Tess. 2); então também há-de vir o "tempo de angústia para Jacó" (Jer. 30:7), e "grande aflição" (Mat. 24:21,22), mas haverá uma porção do remanescente fiel daqueles dias que será poupado no meio de tudo isto, tal como os três filhos hebraicos no forno ardente (Dan. 3). 

A cristandade professa, aqueles que somente levam o nome de cristãos, mas que não receberam "o amor da verdade para se salvarem", será deixada na Terra após o arrebatamento, e o próprio Deus os abandonará a uma "operação do erro, para que creiam a mentira; para que sejam condenados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniquidade" (2 Tess. 2).

Haverá, então, inúmeros sinais - sinais do mais medonho caráter, muitas tristezas esmagadoras, espetáculos e sons que hão de fazer tremer os corações mais fortes - de modo que os homens "desejarão morrer e a morte fugirá deles" (Apoc. 9:6). 

Mas lembremo-nos de que tudo isso se deve esperar depois da "Estrela da Manhã" ter raiado, e não antes; isso é, depois que a Igreja, a noiva celestial de Cristo, tenha sido arrebatada da Terra para ir ao Seu encontro nos ares. Oh, não esqueçamos nunca que é Ele próprio que está para vir brevemente para recolher os Seus remidos!A preocupação com "acontecimentos", em lugar do coração estar ocupado com a Sua pessoa, rouba ao coração muito daquele bem-estar e conforto que deve resultar desta esperança celestial. 


Infelizmente, o inimigo tem conseguido fazer com que no espírito de muitos esta linda promessa da vinda do Senhor se pareça com uma ameaça judicial; enquanto, como vemos em João 14, foi o melhor tônico escolhido pelo Grande Médico para reanimar os corações desfalecidos e receosos dos Seus amados discípulos. E quando o inspirado apóstolo, anos mais tarde, escreve a sua primeira carta aos enlutados e perseguidos jovens convertidos de Tessalônica, ele conclui as suas observações sobre a vinda do Senhor com esta pequena, mas significativa frase: "Portanto, consola i-vos uns aos outros com estas palavras".

Leiamos agora I Tess. 4: 16 e examinemos cuidadosamente estas palavras de conforto: "O mesmo Senhor descerá do céu, com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro.Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles, nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor".

Notemos que aqui se trata de um verdadeiro Homem, vivo, o "mesmo Senhor," que ia descer do céu. Era o próprio Senhor que iriam encontrar nos ares. Quando se converteram, os tessalonicenses aprenderam que o "mesmo Jesus", que pela Sua morte e ressurreição os tinha livrado da "ira futura", estava para vir outra vez; e eles "dos ídolos se converteram a Deus, para servir o Deus vivo e verdadeiro, e para esperar dos céus a Seu Filho" (I Tess.1:9,10).

Paulo também diz, quando escreve dos Filipenses, que: "A nossa cidade está nos céus, donde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo" (3:20); isto é, eles estavam à espera de uma Pessoa, e essa Pessoa era o conhecido e amado Filho de Deus, em Quem tinham aprendido a confiar.Mas, onde esse bendito Salvador não é conhecido, onde não se confia na Sua obra consumada, nem a Sua autoridade é reconhecida e obedecida, não é para admirar que as novas da Sua próxima vinda encham as consciências de terror e receio, como na antiga Jerusalém. 

Mas, querido leitor cristão, isso não se deve dar contigo. 

Devemos, sem dúvida, velar para nosso Senhor chegam aos nossos ouvidos? 

Não temos nós, provado a doçura do Seu amor? 

Não sofreu Ele e morreu por nós? 

Não nos tem Ele sempre guardado desde que O conhecemos, aliviando- -nos de muitos pesos, socorrendo-nos e compadecendo-Se de nós em muitas tristezas, restaurando-nos depois de muitas quedas? 

As palavras não podem exprimir quão queridos nós Lhe somos. Ah, caro irmão ou irmã, é quando pensamos n'Ele que os nossos corações ardem com desejos de O ver!Não faz muito tempo que uma senhora cristã me disse: Às vezes, quando penso na vinda do Senhor, o meu coração pula de alegria dentro de mim.

"Outra mocinha, que já conheço há anos - ela tinha onze anos na ocasião - disse o seguinte, após ter saído na noite escura para passar um recado: "Mamãe, quando eu vinha subindo, as nuvens estavam se movendo tão depressa no céu ... então eu fiquei quieta e olhei para cima, porque pensei que o Senhor Jesus estava voltando ... ser a primeira a vê-Lo!" 

Ora, qual era o segredo desta paz e alegria no peito daquela criança, que estava completamente só naquele caminho de campo, ao crepúsculo, e desejando ardentemente ver o bendito rosto do Senhor? Era justamente por isto: Ela conhecia e confiava na Pessoa que estava para vir: "Ao qual, não havendo visto, amais" (I Pedro 1:8). 

Ela sabia que, por Ele ter morrido por ela, todos os seus pecados estavam não só gratuitamente perdoados, mas eternamente esquecidos.Mas talvez alguém possa dizer: "Eu não estaria tão sossegado se pensasse que Ele pode vir imediatamente, embora o meu coração confie no Seu precioso sangue."

Ah, então é porque se esquece quem é que está para vir! É o "mesmo Jesus", o qual uma vez "cansado do caminho", pediu de beber à mulher samaritana (João 4); o mesmo que deparou o cortejo fúnebre à saída da cidade de Naim e restituiu o seu único filho à pobre viúva(Lucas 7); que permitiu à pecadora em casa de Simão que manifestasse o seu amor por meio de lágrimas e beijos aos Seus benditos pés (Lucas 7); ainda mais: é o mesmo Jesus que dirigiu as maravilhosas palavras de misericórdia e graça ao ladrão moribundo no Calvário(Lucas 23).

É Ele, é Ele próprio que está para vir!Leitor, você quer uma prova disso? Leia no livro de Atos, capítulo 1, o que aqueles dois anjos disseram aos discípulos no monte das Oliveiras.O seu Senhor tinha acabado de deixá-los, foi para o céu, mas não sem primeiro ter um cuidado especial de Lhes demonstrar que não era um Espírito, mas um Homem vivo com carne e ossos, e que, se duvidassem, podiam eles próprios verificar, apalpando-O (Lucas 24:39). 

"Varões galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu avistes ir" (Atos 1:11).

Perto de mile novecentos anos na glória não O mudaram, em nada! É a mesma Pessoa que Marta foi esperar depois da morte de seu irmão, e é por Ele que nós esperamos. 

Se, porventura, "adormecermos" , isto é, morrermos antes que Ele volte, então Jesus, "será ressurreição e a vida". Aquele que disse: "Lázaro, o nosso amigo dorme, mas vou despertá-la do sono", então, quando Ele voltar, há de nos despertar também para que, assim como Lázaro, nós possamos sentar-nos com todos os Seus santos nas moradas celestes (João 11,12 e 14). 

Por que, então, temeríamos, se um Amigo tão bendito está para vir do céu para nos encontrar?

"Certamente cedo venho" é a promessa animadora; nossos corações não deveriam corresponder a um tal amigo, e dizer "Amem; ora vem, Senhor Jesus?" (Apoc. 22:20).


O Propósito de sua Vinda
Notemos agora este ponto, com a máxima atenção.É importante ver que, depois da nação judaica ter rejeitado o seu Messias, Deus revelou ao apóstolo o que as Escrituras chamam "o mistério". 

Este mistério, segundo lemos, esteve oculto desde os tempos eternos (Rom. 16:25), esteve oculto em Deus (Ef 3:9). 

Isto é, havia, acima e além de tudo que é revelado no Velho Testamento, um propósito secreto no coração de Deus de ter uma noiva para o Filho amado, e esta noiva seria formada pela união dos judeus e gentios salvos em um corpo (a Igreja), e unidos pelo Espírito Santo à cabeça no céu (Veja-se Col. 1:18; Ef. 1:22-23; 3:6 e 5:30, 32). 

O Espírito Santo começou esta obra no dia de Pentecostes, batizando para este corpo uno aos próprios discípulos aos quais tinha sido feita aquela promessa a que já nos referimos.Mas para a boa compreensão do assunto é igualmente importante ver que a rejeição de Cristo pelos judeus deixou ainda por cumprir muitas das mais importantes promessas do Velho Testamento quanto à bênção terrestre da nação de Israel. Por exemplo, leiamos o que diz do reinado do verdadeiro Filho de Jessé em Isaías 11, quando ele tiver ajuntado os desterrados de Israel e congregados os dispersos de Judá desde os quatro confins da Terra (v. 12). 

"Morará o lobo com o cordeiro, e o leopardo com o cabrito se deitará, e o bezerro, e o filho de leão e o animal cevado andarão juntos, e um menino pequeno os guiará. A vaca e a ursa pastarão juntas, seus filhos juntos se deitarão e o leão comerá palha como o boi. E brincará a criança de peito sobre a toca de áspide, e o já desmamado meterá a sua mão na cova do basilisco. 

Não se fará mal nem dano algum em nenhum a parte em todo o monte da Minha santidade, porque a Terra se encherá do conhecimento do Senhor, como as águas cobrem o mar". (v.6-9).

Leiamos também Isaías 65: 25, 31:5; Amós 9:12-15; Miquéas 4:3; Habacuque 2: 14, onde se diz que "o deserto se alegrará, e florescerá como a rosa" etc., e que se "converterão as suas espadas em enxadas, e as suas lanças em foices... nem aprenderão mais a guerra".

E também quanto à restauração da nação à sua própria terra, leiam-se os textos, tais como Isaías 35:10; Jeremias 23:5 e Ezequiel 34:24; 31: 10.

Por uma cuidadosa leitura desses textos e de outros, veremos que estas bênçãos prometidas não são o resultado da conversão do mundo, por meio da pregação do Evangelho; mas, pelo contrário, que elas serão precedidas e introduzidas pelos mais terríveis julgamentos sobre os maus.

Queremos agora acentuar aqui que há dois grandes assuntos que formam o tema de testemunho profético no Velho Testamento, e estes são os sofrimentos de Cristo e o reinado de Cristo; ou, conforme diz Pedro: "Os sofrimentos que a Cristo haviam de vir, e a glória que se Lhes havia de seguir"( 1 Pedro 1:11)

Ora, os judeus dos tempos antigos esbarraram num dos lados deste testemunho, enquanto que aceitaram plenamente o outro, Não tinham dificuldade alguma em crer no que os profetas tinham dito a respeito de um Messias que havia de reinar, mas tinham problemas em considerar que ele haveria de sofrer. 

Por outro lado, enquanto que todo o verdadeiro cristão aceita inteiramente o testemunho profético de que o Messias havia de sofrer, quantos não rejeitam ou procuram dar um sentido puramente espiritual à verdade do Seu próximo reinado!Mas, lembremo-nos de que nem um jota, nem um só til destas Escrituras, deixará de ser cumprido. 

Quando o Senhor voltou ao céu, ele legou duas categorias de promessa a serem cumpridas-as que dizem respeito à Igreja, e as que se referem a Israel, cada uma delas particularmente distinta da outra, Quando estas se cumprirem, Ele irá Se apresentar como fez outrora Isaque, na ocasião em que, segundo Gênesis 24, saiu ao encontro de Rebeca, não como um reto juiz, ou um rei guerreiro, mas com a terna dedicação de um noivo afetuoso.Enquanto que, ao cumprir estas, há de Se apresentar como Davi, o poderoso conquistador; virá para assumir uma posição de grande poder e reinar. 

Por outras palavras, Ele é o Noivo da Igreja; Ele é o Rei de Israel.Há, portanto, duas fases distintas da segunda vinda do Senhor, mencionadas na palavra de Deus - duas etapas, por assim dizer, na mesma jornada. Primeiro Ele descerá aos ares para arrebatar os Seus santos para o céu; depois, em seguida, a um curto período, há de voltar para reinar, e então os Seus santos celestes desfrutarão com Ele as glórias do Seu reinado.

Exemplifiquemos esta parte do nosso assunto. Suponhamos que, ao caminharmos pela estrada numa manhã, notamos uma pequena poça de água, Afastando-nos dela, seguimos o nosso caminho e nem mais pensamos nisso, Alguns dias depois acontece passarmos lá outra vez; mas os vestígios de água que aliviamos na primeira vez desapareceram.

O que aconteceu com todas aquelas gotas de água? Foi o sol brilhante que, pelo seu poder, as evaporou e atraiu para si. Ninguém as viu partir, mas elas certamente partiram, Algumas semanas mais tarde pode-se ver as mesmas gotas de água. Mas quão mudadas desde a última vez que as vimos e nos afastamos delas, na poça lamacenta! Agora são lindas, brancos flocos de neve, e são a admiração de todos! Assim também acontecerá em breve, caro leitor. 

O próprio Senhor descerá do céu, e no "abrir e fechar de um olho" ressuscitará do pó os corpos de todos os Seus santos adormecidos, e transformará os corpos dos vivos, arrebatando-os todos juntos para irem ao Seu encontro nos ares.As Escrituras não nos dão nenhum motivo para supor que os incrédulos verão este acontecimento. Provavelmente a solene descoberta da falta de cada um deles em seu lugar costumeiro será o primeiro anúncio público do que se passou. 

Enoque "não foi achado, porque Deus o trasladara" (Heb. 11:5). Ora, tendo sido, com mais ou menos segredo, arrebatado para a glória, a igreja aparecerá em seguida na mais completa publicidade com Ele, quando, como está escrito, "todo o olho O verá" (Apoc. 1:7).Mas o próprio bendito Senhor apresenta em um capítulo, em Mateus 25, a mais clara descrição destas duas fases da Sua vinda. 

A primeira etapa da vinda é apresentada na parábola das" dez virgens", a outra na parábola dos "bodes e ovelhas". Na primeira veem-se as virgens prudentes entrando com o esposo para as bodas; na outra vê-se o rei saindo para julgar. Notemos bem este notável contraste. Na primeira parábola os salvos são levados para o céu, e os incrédulos são deixados na Terra para o julgamento que há de vir.Na outra, são os maus que são levados para julgamento, enquanto que os justos são deixados na Terra para partilharem as bênçãos do reino do Messias.

Num dos casos, os santos entram, e as portas se fecham; no outro, o céu se abre, e os santos saem, juntamente com o Filho do homem.Ora, no Apocalipse, capítulos 4,5 e 19, lemos o que realmente tem lugar no céu depois de a Igreja ter sido arrebatada e ter entrado ali. 

No capítulo 4, verso 4, os santos como anciãos estão sentados sobre os tronos, vestidos de branco, com coroas de ouro sobre as suas cabeças; e nos versículos 10 e 11 são vistos adorando, prostrados diante d'Aquele que estava sentado sobre o trono, lançando as suas coroas aos Seus pés e dizendo: "Digno és, Senhor" (Veja também o capo 5:9). 

Então, no capítulo 19: 7, após um poderoso coro de "Aleluias", lemos "Regozijemo-nos e alegremo-nos e demos-Lhe glória, porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou". Em seguida vem "a ceia das bodas" (verso 9).Vimos, pois, que Mateus 25 nos apresenta o grito aflitivo das "loucas" do lado de fora, e no Apocalipse vemos a alegria festiva dos salvos do lado de dentro.


Querido leitor, com qual destas companhias acharás o teu lugar?Seguido adiante, em Apocalipse 19:11-16 vemos o Rei dos reis, o Senhor dos senhores, acompanhado pelos Seus exércitos saindo dos céus para julgar e pelejar.Mas vejamos novamente o que se lê em Mateus 25. Há uma ideia comum - mas totalmente errônea - a respeito da última parte deste capítulo. Considera-se que parte é uma figura do julgamento geral, como é chamado. 

E desta aceitação resultam perguntas como "Não estaremos todos perante Ele para sermos julgados, não receberemos o nosso lugar entre as ovelhas à Sua mão direita, ou entre os bodes à Sua esquerda?A isso pronto podemos responder: Não. 

O que temos aqui é o julgamento daquelas nações presentes na Terra na ocasião em que o verdadeiro Rei vier para reinar.Ora, de Israel está escrito que "Entre as gentes não será contado" (Núm. 23:9), quando menos o devem ser os santos que compõem a Igreja (Veja-se Col. 3:11; Atos 15:14).


Alguém poderia perguntar: - Se nem Israel, nem a Igreja fazem parte das nações ali julgadas, qual é a parte que lhes toca nesta cena solene? Eis ai a resposta:

1 - A parte dos santos desta dispensação da graça: "Quando Cristo, que é a nossa vida, Se manifestar, então também vós vos manifestareis, com Ele em glória" (Col. 3:4).

"Eis que é vindo o Senhor, com milhares de Seus santos, para fazer juízo" ... (Judas 14,15).

"Virá o Senhor meu Deus, e todos os santos contigo ... e o Senhor será o rei sobre toda a Terra" (Zac. 14:5,9; veja-se também Apoc, 3:21).

Haveria alguma indicação mais clara quanto ao lugar onde os co-herdeiros hão de estar quando Aquele, que tem sido constituído o Herdeiro de todas as coisas, tomar a herança?

2 - A parte de Israel: Lembremo-nos em primeiro lugar de que esta nação é da "semente de Abraão", segundo a carne. Notemos também que, conforme Mateus 1: 1, Jesus Cristo é o filho de Davi, o filho de Abraão. Assim, pois, enquanto que como Filho de Davi Ele é o Rei deles, como Filho de Abraão Ele pode falar deles como Seus irmãos; e, em cumprimento da profecia do filho de Abraão (Isaque), Ele abençoa todos os que favoreceram os filhos de Jacó e amaldiçoa todos os que o não fizeram. 

"Malditos sejam os que te amaldiçoarem, e benditos sejam os que te abençoarem" (Compare-se Gen. 27:29 com Mat. 25: 34,41).Vemos, pois, que além dos santos celestiais que, segundo outras Escrituras, hão de aparecer com Ele em glória, o Senhor menciona aqui, ao fim de Mateus 25, três companhias distintas, a saber: ovelhas, bodes e irmãos.

Já temos visto que os irmãos de que se fala aqui são os da Sua própria nação, segundo a carne.Agora surge a pergunta: Quem são então as ovelhas e os bodes? 

Ora, bem, outros textos nos mostram que depois da Igreja ter sido arrebatada para a glória, há de haver um especial testemunho, apresentado por missionários judaicos, "em testemunho a todas as gentes", ao qual o próprio Senhor chama, em Mat. 24:14, de o "evangelho do reino" e cuja nota dominante será, sem dúvida, a próxima vinda do verdadeiro Rei. 

Algumas destas nações receberão o testemunho e, portanto, farão tudo que puderem para beneficiar aqueles que o apresentem, enquanto que outros, pelo contrário, não só rejeitarão a mensagem, mas também negarão toda a simpatia e socorro aos mensageiros desprezados e mal tratados.Notemos aqui com cuidado que é somente neste terreno, isto é, quanto ao modo pelo que elas têm tratado os Seus irmãos, que as nações serão separadas pelo Rei quando Ele aparecer em glória, e por fim abençoadas por Ele. 

As "ovelhas" representam uma classe; os "bodes", a outra. A primeira será recompensada, sendo-lhe permitido participar das bênçãos do reinado milenar do Messias sobre a Terra, enquanto que a outra será destruída pelo julgamento. Não há nada nesta parábola sobre a ressurreição dos mortos ou o fim do mundo, nem mesmo no Apocalipse 19, que fala da mesma cena. A ressurreição dos salvos já terá ocorrido antes, como vimos em I Tes. 14:16 e 1 Cor. 15:51; enquanto que a ressurreição dos ímpios mortos só terá lugar depois dos mil anos do reinado do Messias.

No Apocalipse 20:4-6, depois de falar de várias classes de salvos que hão-de viver e reinar "com Cristo durante mil anos", lemos: "Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram. Esta é a primeira ressurreição. Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição: sobre este não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo e reinarão com Ele mil anos".


Não é porventura, claro, que haverá duas ressurreições? 

A primeira incluindo todos os que reinarão com Ele durante mil anos, e que, portanto, deve necessariamente ter lugar antes dos mil anos; os demais mortos não serão ressuscitados até que os mil anos se acabem, quando o céu e a terra fugirão, e os mortos, pequenos e grandes, terão que se apresentar para julgamento perante o grande trono branco, sendo em seguida lançados para sempre no lago de fogo. 

Após narrar esses fatos, João, o escritor do Apocalipse, acrescenta: "Vi um novo céu e uma nova Terra ... e já não havia ma r. " Bendito seja Deus por nos revelar tão maravilhosas realidades e por nos dar também o meio para compreendê-las pelo Seu Espírito. Oh profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus!" (Rom. 11 :33). 

Consideremos agora rapidamente a última parte do assunto de que estamos tratando, isto é:


A preparação para a sua vinda
Há dois aspectos segundo os quais podemos dizer que estamos preparados e que estão representados nas seguintes Escrituras:
1) "As que estavam preparadas entraram com Ele para as bodas, e fechou-se a porta" (Mat. 25: 1O).
2) A mim já agora me ofereço ... "Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a Sua vinda" (2 Tim. 4:6-8).
No primeiro texto todos os que são de Cristo (1 Cor. 15:23) estão preparados. Creram n'Ele, foram purificados dos seus pecados por Ele, n'Ele foram feitos aceitáveis (Ef. 1:6). 

Seu Santo Espírito habita neles (Rom. 8:9), e tudo isto sem haver da parte deles algum merecimento. "Dando graças ao Pai que nos fez idôneos para participar da herança dos santos na luz" (Col. 1:12).

Mas, no segundo, Paulo estava pronto, não só porque estava salvo - ele sabia isso há anos -mas, porque o seu serviço e testemunho tinham sido tais, que ele tinha a certeza de que naquele dia de glória o seu Senhor lhe diria "bem está, servo bom e fiel". Simplifiquemos isso por outro exemplo. Suponhamos que alguém envie algum filho a uma cidade distante para negócio. 

Dá-lhe todas as instruções necessárias sobre o lugar onde há de ir e o que tem a fazer, aconselhando-o, enfim, a empregar toda a diligência para se sair bem do seu encargo, especialmente porque tem pouco tempo para ali se demorar.

Quando o filho chega à cidade, parece a princípio muito enérgico e desejoso de bem desempenhar o seu trabalho; mas depois de fazer uma pequena parte daquilo de que foi encarregado, encontra alguns antigos companheiros, esquece-se dos bons conselhos do seu pai para ser diligente, anda por um lado e por outro com os companheiros, até que, por fim, fica espantado quando ouve o relógio de uma torre que lhe indica que infelizmente não tem mais um minuto a perder se quiser apanhar o último trem. 

Corre para a estação e apenas tem tempo de tomar o seu assento. A porta se fecha, ouve-se o sinal de partida, e logo a seguir ele está a caminho de sua casa.Ora, ele estava pronto para esta jornada?

Podem se dar duas respostas.Estava e não estava.Sob o aspecto da empresa que opera a linha do trem, ele estava, visto que portava o bilhete de passagem (graças, não a ele, mas ao pai que lho tinha comprado).

Nenhum fiscal da linha ousaria contestar o seu direito de viajar no trem.Mas, que diremos a respeito do negócio de que ele ia tratar e dos desejos de seu pai? Ah! Será que ele perdeu o direito ao sorriso de aprovação do seu pai por isso? Sim. 

O pai não lhe pôde dizer "bem está, servo fiel" pelo serviço que lhe foi confiado; mas, ainda assim, nessa mesma noite ocupará lugar na família, como um filho, à própria mesa do seu pai.

Ora, todo o crente tem, no Salvador que outrora foi crucificado e que agora está glorificado, à destra de Deus, o que corresponde ao "bilhete", isso é, uma prova inegável de que foi pago o preço por inteiro.

Mas ainda que "é justificado todo aquele que crê " (At. 13:39), e que "aos que justificou a estes também glorificou" (Rom. 8:30), apesar disso, nem todos os crentes receberão naquele dia a mesma recompensa. 

"Cada um receberá o seu galardão, segundo o seu trabalho" (I Cor. 3:8).

O Senhor há de considerar tanto a quantidade como a qualidade do nosso trabalho - o que cada um ganhou negociando (Lucas 19:15) - qual seja a obra de cada um (1 Cor. 3: 13).

Deus permita, caro leitor cristão, que a nossa sorte não seja apenas termos o direito de ir "com Ele para as bodas"- sentarmo-nos ali com Ele na Sua casa - mas que possamos ser encontrados vigiando, esperando e trabalhando para Ele aqui, consultando os Seus desejos e cuidando dos seus interesses, no poder dominante do Seu inalterável amor, até que Ele venha. Tenhamos sempre na nossa mente que, se desejarmos tomar a nossa cruz e segui-Lo com terna dedicação, devemos fazê-lo já! 

É um dia difícil- os tempos são perigosos, os homens maus e sedutores se tornam cada vez piores, enganando e sendo enganados (2 Tim. 3: 13). (Que solene contradição ao engano vulgar de que todo o mundo terá que se converter antes que Ele venha!0 É um dia de muita profissão, mas de pouca prática, um dia caracterizado por um espírito desregrado, dia em que o desleixo de princípios e falta de lealdade a Cristo abundam na Igreja.

Mas, apesar de tudo isso, havemos de ter "Deus e a Palavra da Sua graça"até ao fim - a Sua palavra dirigir os passos para o caminho direito, e a Sua graça para nos sustentar neste caminho depois que o tenhamos encontrado. Não nos deixemos enganar por "aparências" neste dia de vanglória, nem desanimemos se não encontramos no caminho da obediência aquilo que,aos olhos do mundo, parece bom êxito. "Obedecer é melhor do que sacrificar". 

Que a exortação do nosso bendito Mestre entre bem nos nossos corações: "Estejam cingidos os vossos lombos, e acesas as vossas candeias; e sede vós semelhantes aos homens que esperam o seu senhor, quando houver de voltar das bodas, para que, quando vier e bater, logo possam abrir-lhe. Bem-aventurados aqueles servos, os quais, quando o Senhor vier, achar vigiando! Em verdade vos digo que se cingirá, e os fará assentar à mesa, e, chegando-se, os servirá" (Lucas 12:35-37). 

Caro leitor, se ainda não estás salvo, deixa-nos dirigir-te agora uma palavra. Queremos fazer-te considerar que a Sua vinda será repentina, e da certeza de seres deixado cá quando Ele vier arrebatar os Seus, se porventura te encontrar sem "azeite na tua lâmpada". Considere, por um momento, o futuro. 

Pense na ligeireza com que as asas do tempo te estão levando para a eternidade! E que será esta eternidade para ti?

Ficarás na Terra para descobrir que os salvos(talvez muitos amigos e parentes) têm sido arrebatados para o céu sem ti? 

Para te dar conta de que não fizeste caso do último aviso que o Espírito te deu; que ouviste em descrença a última pregação do Evangelho e recusaste a última chamada de misericórdia? 

Isso, certamente, seria por demais solene e triste. Mas não menos triste há de ser para o teu corpo ficar debaixo da terra, na tua fria e negra sepultura, enquanto os mil anos de bênção milenar forem transcorrendo, e depois dos quais toda a Terra será cheia da Sua glória (Salmos 72: 19) e o Príncipe da Paz há de ter "o Seu domínio ... de um mar até outro mar e desde o rio às extremidades da Terra (Zac. 9:10). 

Oh, sim, perder tudo isso seria para ti uma perda atroz! Mas lembra-te de que depois disso tens que enfrentar a eternidade! Serás ressuscitado dos mortos pela voz do Filho de Deus (João 5:28-29). 

O solene julgamento perante o grande trono branco seguirá então. De toda a palavra vã, da história de cada dia, terás de dar conta; e, como Deus é verdadeiro, a tua sentença será certamente uma eternidade no lago de fogo!Não penses nisso com leviandade.A porta ainda está aberta. Jesus ainda te convida. O Seu povo aqui está. Mas solenemente te avisamos do perigo que corres, e sinceramente te rogamos que fujas para o refúgio enquanto ainda há lugar. O Senhor Jesus pode vir até mesmo antes de acabares de ler este artigo! Sê, pois, sincero. Prostra-te aos Seus pés e confessa perante Ele a tua pecaminosa condição. Ele te receberá, abençoará e salvará agora mesmo.
Bendito Salvador!
"Esta é uma palavra fiel, e digna de toda a aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores" (1Tim. 1:15).

Mas uma vez que o Mestre se tiver levantado e "fechado a porta", a tua sentença será lavrada para sempre. Graças a Deus "ainda há lugar".


Por George Cutting

5. Revestidos ou despidos

"Assim é: mas o Senhor mesmo tinha revelado a Pedro, que "deixar o tabernáculo" estaria próximo para ele (João 21,18.19 e 2 Pedro 1, 13-15) e, de resto, o seu coração estava transbordando da Vinda do Senhor (2 Pedro 1,16-19). 

Também Paulo sabia, pouco antes da sua morte, que a sua "Partida" estava próxima (2 Tm 4,6-8, comp. Fp 1,23). 

Noutro lugar, contudo, ele deixa bem claro, que preferiria ser revestido, ou ter parte como vivo na Vinda do Senhor, em lugar de passar antes pela morte. Em 2 Co 5,1, diz ele: Sabemos que se a nossa casa terrestre, na qual habitamos, se desfizer, temos uma casa, não feita por mãos, eterna nos céus; isto quer dizer, um corpo glorificado, celestial. (Compare 1 Co 15, 2-50). 

E continua, conforme citei há pouco: "Porque neste tabernáculo gememos, desejando ser revestidos da nossa habitação celestial". E, logo em seguida: "Se bem que preferimos ser revestidos, e não despidos, para que o mortal seja absorvido pela vida". 

Então podemos inferir que existem duas possibilidades de se obter um corpo glorificado: 12, se formos despidos, isto é, deixar o corpo material, através da morte, e, mais tarde, ser vestido com o corpo glorificado; 22, poderemos ser revestidos, sendo o mortal absorvido pela vida, isto é, quando os crentes vivos forem transformados, e o mortal se revestir de imortalidade (1 Co 15, 1-54; Fp 3,21). 

Portanto, tratando-se de escolher entre morrer (dormir), ou ser revestido, a escolha não é difícil.


Por outro lado, se for para escolher entre estar no corpo (isto é, ainda não estar com o Senhor e carregar, no corpo, as vicissitudes desta vida terrena) ou estar ausente do corpo, na presença do Senhor (2 Co 5,6-8), a escolha torna-se igualmente fácil: Estar com Cristo é muito melhor (Fp 1,23)."
"O lugar definitivo dos crentes é, portanto, eternamente no céu. Sabe o senhor, que há algum tempo eu me admirei muito com Isso? 

Originalmente, foi dada a terra aos filhos dos homens (Salmo 115, 16) e, também, quando houver a nova terra, os homens viverão nela. (Ap 21,3). Como poderá ser, pois, que a Igreja habite para sempre na Casa do Pai?"
"Esta pergunta subsiste com razão. 

Não é uma cousa tão natural assim, que a Igreja vá habitar definitivamente no céu, pois ali não é a morada original para o homem, mesmo depois da queda no pecado, nem ainda depois da redenção. 

A morada do homem é a terra. E não só agora, como também, por toda a eternidade. Os crentes de todos os tempos habitarão na nova terra, com corpos glorificados, ou ressuscitados. Lemos desta nova terra em Ap 21,3; o tabernáculo de Deus estará com os homens, e Ele Mesmo, habitará com eles. 

É bem verdade que os santos do Velho Testamento, os quais já dormiram, estão agora no Paraíso. Porém, o seu destino final será a nova terra, quando ela tiver passado pela mesma renovação que eles também experimentaram na ressurreição. 

Mas, como é diferente a parte da Igreja! O Senhor Jesus foi preparar para nós um lugar na Casa do Pai, e prometeu: "Voltarei, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estou, estejais vós também". João 14,3. 

Aproximadamente 1 hora mais tarde, Ele disse: "Pai, eu quero que aqueles que Tu me deste, também estejam comigo para que vejam a minha glória, que me deste, pois me amaste antes da fundação do mundo" (João 17,24).
E Paulo escreveu: "Nós seremos arrebatados ao encontro do Senhor nos ares. E assim estaremos para sempre com o Senhor" 1 Ts 4, 17. 

A esperança de Israel estava ligada à ressurreição dos mortos e à nova terra. (Veja entre outras, Jr 29, 11;31,17; Ez 37,11; Os 2,15; Atos 23, 6; 24, 15; 26, 6.7; Rm 2, 7). A esperança cristã, porém, é uma esperança que está reservada nos céus (Cl 1,5; 1 Pedro 1,3-4). 

Por outro lado, a esperança da vocação de Deus, que é resumida no fato de Ele nos ter escolhido para desfrutar de todas as bênçãos espirituais, nos lugares celestiais Ef 1,3-6.18. E logo Ele nos introduzirá na glória Rm 5,2; I João 3,2-3; CI 1,27; Tito I, 2; 2,13; 3, 7. 

Esta parte é somente dos crentes que estão ligados a um Homem ressuscitado e glorificado nos céus (Ef 1,13) e que, como garantia, receberam o Espírito Santo (Ef 1,13). Sobre isto já falamos."


"O senhor falou também que depois do arrebatamento da Igreja, e antes do aparecimento do Senhor em glória, haverá acontecimentos Importantes, tanto na terra, como no céu. Em quais o senhor pensou?"


"Pensei principalmente nas bodas do Cordeiro, que lemos em Ap 19,6-10. Não é sem significado que este acontecimento, tão importante, seja encontrado tão longe do capítulo 4 (onde vemos, pela primeira vez, a Igreja no céu), e tão próximo da Vinda gloriosa (a segunda volta de Cristo - cap 19,21; ... ).


Ao menos dois acontecimentos devem ter se realizado antes. São dois requisitos: O que está exposto em Rm 14,10: "Porque todos compareceremos ante o tribunal de Deus" e em 2 Co 5,10 "Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo para que cada um receba segundo o bem ou mal que tiver feito por meio do corpo." "Sempre pensei que isso se aplicasse ao julgamento das ovelhas e dos bodes (Mt 25,31-46) e ao juízo do grande trono branco (Ap 20, 11-15). Porém, agora, assim me parece duvidoso."

6. O Tribunal de Cristo

"Não está tão errado assim... São três casos diferentes, mas trata-se do mesmo tribunal de Deus, no qual Cristo está sentado... no entanto, são três sessões de julgamento distintas: diferentes quanto aos que serão julgados, quanto aos locais e quanto ao próprio julgamento. 

A primeira sessão terá lugar, sem dúvida, no céu, depois do arrebatamento da Igreja, e trata do julgamento dos crentes. 

Anda sessão terá lugar na terra (Mt 25), logo em seguida à Vinda de Cristo em glória; nesta serão julgadas as nações conforme as suas atitudes tomadas com respeito aos irmãos do Rei (isto é, os judeus crentes durante a grande tribulação; veja também Mt 24). 

As ovelhas entram no reino, os bodes para o tormento eterno. A terceira sessão será para os incrédulos, estão ressuscitados e se realizará somente depois dos mil anos do Reino. Serão julgados conforme os seus atos."

"Posso entender bem que os descrentes devam comparecer ante o tribunal, mas porque os crentes (mesmo sendo em outro tempo) devem comparecer?"


"Para que toda a sua vida seja revelada. Os crentes reinarão brevemente com Cristo sobre toda a terra. Devem, pois, aprender antes a pensar, sentir e conhecer como Cristo, e isso principia com o conhecimento próprio. "Então conhecerei, como também sou conhecido" I Co 13,12. 

Assim, a obra de cada um será revelada, pois o dia as há de manifestar, pois é revelada pelo fogo; e qual for o tipo da obra de cada um, o fogo as provará (I Co 3,13). Quem me julga é o Senhor (I Co 4,3-5)."
"Mas nossos pecados já não foram perdoados e apagados?"

"Não se trata disso aqui. Não se trata da pergunta, se há perdão para meus pecados, mas quais são os meus pecados. Tudo na minha vida, até aquelas cousas que pensei não fossem tão ruins, ou até fossem boas, serão colocadas ali diante da luz de Deus. 

Só ali é que conhecerei perfeitamente quantos pecados eu fiz, e, consequentemente, quantos pecados me foram perdoados; quão grande foi o sofrimento do Senhor Jesus por causa dos meus pecados, e quão grande foi o amor de Deus e do Senhor Jesus por mim. 

Não só de Ele ter-me redimido, mas também, por ter-me conduzido com tão grande paciência e amor. Somente então é que poderei louvar, adorar e amar plenamente o Pai e o Filho, muito mais do que alguma vez o fiz aqui na terra.

Lembro Lucas 7,47: "A quem muito se perdoa, muito se ama".
"Então, nenhum crente que comparece ante o tribunal, perecerá?"
"Como poderia acontecer tal coisa? Quem creu, nunca poderá entrar em condenação (João 5,24). 

Nós haveremos de comparecer com corpos glorificados, semelhantes ao corpo de glória de Cristo (Fp 3,21); e o Juiz, que está ali sentado no trono, é o Filho de Deus, que me amou e Se entregou a Si mesmo por mim. (Gl 2,20). 

Como poderia eu me perder ainda!? Por mais lamentável que seja o caso de ver nossas obras todas serem queimadas, o crente mesmo, porém, será salvo, ainda que "como que pelo fogo" I Co 3, 15."
"E o verso anterior diz que recebe recompensa se sua obra resistir. Significa Isto que um crente receba mais bênçãos celestiais do que outros?"


"Não, não significa isso. Todos os crentes são abençoados com toda a sorte de bênçãos celestiais, as quais Deus preparou para nós, desde a eternidade. 

Como poderia haver uma classificação, dependente das nossas obras? Não, nosso galardão, na Bíblia, está sempre em relação com o nosso governo sobre a terra, durante o Reino de Paz. Pense, por exemplo, na parábola dos talentos em Lucas 19. 

O servo que ao seu talento ganhou outros dez, recebeu autoridade sobre dez cidades; e o que ganhou outros cinco, tornou¬-se senhor sobre cinco cidades. " 

7. As bodas do Cordeiro

"Esta revelação, diante do tribunal, acontece antes das Bodas do Cordeiro?"
"Sim, e não pode ser diferente; é a interpretação do Ap. 19,7-8: "Pois são chegadas as Bodas do Cordeiro, cuja esposa a si mesma já se ataviou, pois foi-lhe dado vestir-se de linho finíssimo, resplandecente e puro; pois que o linho finíssimo são as obras de justiça dos santos." 

"Tendo sido manifesta ante o tribunal, ela foi preparada para isso; pois ali é que se manifestou quais são os atos de justiça dos santos."
"E qual é o segundo requisito para as Bodas do Cordeiro?"
"Quando a Igreja estiver no céu, haverá na terra uma igreja aparente, nominal, que aqui ficou, e que afirma ser a verdadeira noiva de Cristo. 

Esta igreja falsa, que é descrita em Ap 17 e 18, tem, antes de tudo, as características da Igreja Católica Romana. 

Veja Ap 17, 4, 6.9; 18, 3.9-16. 

Ela afirma ser a igreja-mãe, a verdadeira, a noiva do Cordeiro, mas é, na verdade, chamada de prostituta, por causa de suas ligações adúlteras com o mundo, e por suas idolatrias. Veja cap. 17,1-3.5. Imediatamente, após Deus ter envergonhado as suas aleivosas jactâncias e tê-la julgado (17,15-19; 18,5), acontecerá, no céu, o casamento, e a verdadeira noiva se tornará a esposa do Cordeiro."
"Poderá ainda haver algum crente fiel nesta Igreja falsa?"
"Não, pois a totalidade da Igreja já foi antes arrebatada. Alguns há que pensam que somente uma parte da Igreja será arrebatada, (por exemplo, a parte dos crentes que esperam fielmente a Sua Vinda), porém, a Escritura não faz tal diferença e mostra claramente que todos os crentes que dormiram (morreram) serão ressuscitados, e todos os crentes que ainda vivem serão transformados, no momento do arrebatamento. (1 Co 15, 23. 51.52; 1 Ts 4,16-17)."
"Não, não foi Isso que pensei; minha pergunta é: Não haverá entre os cristãos nominais, pessoas que se converterão? O senhor mesmo disse há pouco que durante a grande tribulação haverá muitos que se converterão ainda ... "
"Certo, porém não dentre os cristãos nominais. Nós lemos com respeito àqueles que não acolhem o amor pela verdade para serem salvos, mas deleitaram-se na injustiça, que seus corações serão endurecidos quando, por um lado, Satanás os induzirá com toda sorte de engano e sinais de mentira; por outro lado, Deus mesmo lhes enviará a operação do erro, para darem crédito à mentira, a fim de que todos sejam julgados (2 Ts 2, 9-12). 

Pode ser que a "eficácia do erro" consista numa "explicação" que acharão para o repentino desaparecimento da Igreja. Talvez até façam trocas de presentes entre si, pela alegria de haverem desaparecido da terra, os "santos ¬os perturbadores", justamente como lemos em Ap 11, 8-12, com respeito às duas testemunhas."
"Tanto maior será então sua surpresa e terror, quando virem a Igreja vindo com o Senhor do céu - pelo menos, penso eu, que verão não só o Senhor, mas também a Igreja aparecerem glória".
"Exatamente. A Igreja se manifestará com Cristo em glória (Cl 3, 4). Ainda não está manifesto ao mundo o que seremos; mas, naquele dia, verão que seremos semelhantes a Ele (1 João 3, 2). 

Ai o mundo conhecerá que o Pai nos amou como amou o Filho (João 17, 23). Sim, então o Senhor Jesus fará com que os cristãos nominais, os quais afirmam ser o povo da aliança de Deus, porém, não o são, mas mentem, venham aos pés dos crentes fiéis e se inclinem, reconhecendo que o Senhor Jesus os amou (Ap 3, 9).

 Então o Senhor, naquele dia em que voltar, será glorificado nos seus santos, e admirado em todos os que creram. (11 Ts 1,10)."
"Começa com esta Vinda de Cristo, o Reino milenial? Ouvi multas vezes dizer que já estamos agora vivendo esse Reino milenial. "
"Posso compreender isso. Examinemos rapidamente Ap 20, pois é o único lugar na Bíblia, que fala de um governo de mil anos. Não quero entrar em todos os pormenores, mas neste capítulo encontramos três pontos dos quais podemos entender, irrefutavelmente, não estarmos agora no Reino milenial. 

É fora de dúvida que o cap. 20 segue cronologicamente o capo 19. Pode-se reconhecer pelos repetidos "e eu vi" (20,1.4, 11) os quais, juntos com os "Vi" e "Ouvi" nos capítulos 18, 1.4 e 19, 1.6.11. 17 e 19; e cap 21,1-2) nos mostram uma sequência de acontecimentos, um em seguida do outro. 

Na verdade, em Apocalipse, há trechos completamente novos que voltam a falar de acontecimentos anteriores (assim em cap. 11, 19 com 12, 1 e 17, 1 com 21,9) mas quando isto acontece, fica bem claro através do contexto. 

Agora, no contexto de Ap 19 e 20, não há como duvidar de que os mil anos acontecerão depois da Vinda do Senhor. 

Durante os mil anos, Satanás estará acorrentado no abismo (versos 1 e 3 e 7), o que não se pode identificar com o tempo atual, onde Satanás anda bramando como leão que ruge (I Pedro 3, 8). 

Todos os crentes estarão ressuscitados e glorificados, e reinarão com Cristo. (Versos 4 e 6). Também as almas daqueles que morreram durante a "hora da provação" por causa da sua fé, serão vivificados e terão parte na primeira ressurreição (verso 5). 

Durante os mil anos nenhum crente estará na sepultura, pois estarão todos ressuscitados e reinarão com Cristo mil anos."

8. Reinar com Cristo

"Mas Cristo não reina agora já sobre o mundo, com os crentes que morreram?"
"Claro que não." 

A Bíblia jamais diz que os crentes que já morreram e ainda não ressuscitaram estejam reinando agora. Eles reinarão sobre a terra (Ap 5, 20), porém somente após a primeira ressurreição. E o que é mais importante ainda: Cristo Mesmo, como Filho do Homem ainda não reina agora. Não é o mundo atual, mas o que há de vir é que estará sujeito a Cristo; agora ainda não vemos tudo a Ele sujeito, (Hb 2,5.8). 

Deus disse ao Senhor Jesus: "Senta-te à minha direita até que eu ponha os teus inimigos por estrado dos teus pés" (Atos 2, 34-35). Isso já se cumpriu? Não, Cristo mesmo ainda espera o cumprimento desta palavra (Hb 10,12-13). Deus, certamente, logo Lhe dará o trono de Davi (Lucas 1, 32) 

Entretanto, o Senhor Jesus ainda não está sentado nesse trono, porém à direita de Deus, no trono de Deus. O Senhor diz: "Ao que vencer, DAREI que se sente comigo, no meu trono, como eu venci, e me sentei com o meu Pai, no Seu trono (Ap 3, 21). 

Portanto, fica bem claro, como podemos ler também em Ap 19, 15 e 20, 4-6, que o governo de Cristo será depois da Sua Vinda."
"Realmente estas são provas bem claras da Escritura; logo, tudo estará colocado aos pés de Cristo, e nós reinaremos com Ele. Não é consolo para nós agora?" 

"Se perseverarmos, reinaremos também" (2 Tm 2, 12)"
"Oh, sim, e serve também como exortação: Paulo explica que os crentes devem estar em condições de resolver os problemas entre si mesmos; deverão eles julgar o mundo e os anjos, isto é, governar. (I Co 6,2.3) 

Porém, o mais glorioso é que o nosso reinar com Cristo, é objeto do eterno propósito de Deus. 

Um desígnio, que no Velho Testamento era um mistério, pois não foi revelado que, quando Cristo reinasse sobre Israel e as nações, os crentes glorificados partilhariam com Ele esta posição de glória e poder. 

Daniel no cap. 7 afirma que os santos dos lugares altíssimos, ou seja, os santos celestiais receberão o poder juntamente com o Filho do Homem (versos 18,22 e 27). 

Mas não fala nada de governar, e, muito menos, que terão a mesma glória e poder como o Filho do Homem. Só agora nos foi revelado; agora, sabemos que Deus não só coroará de honra e glória o Filho do Homem, colocando tudo a Seus pés, como também, (e isto estava em Seu coração!) trará muitos filhos à glória (Hb 2,5-10 compare com Salmos 8, 4-6). 

Foi-nos revelado o mistério da Vontade de Deus, que, segundo o Seu desígnio, começa uma dispensação, na qual não só tudo é colocado aos pés de Cristo, mas também, os santos seja co-herdeiros com Ele (Ef 1, 9-11; Rm 8,17). 

Sim, quando o Salmo 8 se cumprir, e tudo estiver aos pés de Cristo, não só Deus será uma exceção; também a Igreja será uma exceção, pois não será posta em sujeição a Cristo. Pelo contrário, Deus deu justamente a Cristo como Cabeça à Igreja, a qual é o Seu corpo, a plenitude daquele que enche todas as cousas, Ef 1,20-23.

"Como pode ser que esta parte gloriosa da Igreja não seja mencionada nas profecias?"
"Porque a Igreja mesma, como já dissemos, era um mistério totalmente desconhecido no Velho Testamento (Ef 3,2-6; Cl 1, 26.27). 

As profecias tratam dos caminhos de Deus com respeito a esta terra, quer dizer também, com respeito ao governo de Cristo sobre aqueles que estarão na terra. As ovelhas que entrarão no Reino (Mt 25, 34) e o povo remido de Israel. 

No entanto, podemos encontrar a parte da Igreja nas profecias, observando a parte de Cristo mesmo. É digno de nota que aquilo que os profetas falam de Cristo, no Novo Testamento, é atribuído à Igreja várias vezes, e não significa de maneira alguma um pensamento estranho, se considerarmos a ligação íntima de Cristo com Sua Igreja. Como a esposa com o marido, como a cabeça com o corpo. 

Como eu disse há pouco: O Salmo 8 fala do governo glorioso do Filho do Homem sobre todas as cousas; porém, em Ef 1 e Hb 2 temos visto que os santos não estão incluídos em "todas estas cousas", mas têm parte na mesma posição do Filho. O Salmo 2 diz que o Filho de Deus governará e despedaçará as nações com vara de ferro, porém em Apocalipse, a mesma profecia é atribuída aos crentes. 

Assim, Isaías 9,7 diz que Cristo reinará no trono de Dai; mas em Ap 3, 21, o Senhor Jesus diz que os crentes se sentarão com Ele no Seu trono. Tão gloriosa será a futura posição da Igreja, que dela, a esposa do Cordeiro, a Nova Jerusalém, é dito que tem a glória de Deus (Ap 21, 11). 

Seu brilho será como cristal de jaspe; isto é, o brilho de Deus mesmo (Ap 4,3). A glória de Deus a ilumina, e o Cordeiro é sua lâmpada; e os povos andarão na sua luz, e os reis da terra lhe trarão a sua glória (Apoc 21,23-24)."


"Por que termina depois de mil anos o glorioso governo de Cristo e Sua Igreja?"

9. A posição eterna 

"Bem, em certo sentido não existirá fim." 

O governo de Cristo é um governo eterno (Daniel 2, 44; 7, 14.27). 

Também dos santos nós lemos que terão um governo eterno (Ap 22, 5). 

Porém, depois dos mil anos, será modificado o caráter desse Reino. 

Lembre-se de que durante o milênio, ainda não haverá uma condição perfeita aqui na terra: Paz e justiça reinarão ali (Isaías 32,1). 

Mas ainda não "habitarão" ali como há de ser na nova terra (II Pedro 3, 13.22): Durante o milênio ainda haverá pecado na terra, mesmo que não tão acintoso, porque Satanás estará preso e sentir-se-á o poder e a majestade de Cristo; somente pecadores obstinados serão amaldiçoados. (Isaías 65, 20; Salmo 101, 8). 

No final do Reino de paz, revelar-se-á que, a maioria dos povos, na terra, apesar das bênçãos, não se converteu realmente, porém submeteu-se ao Senhor com fingimento (Salmos 66, 3; Ap 20,7-10). 

Até os santos que habitarem na terra, durante o Reino de paz, terão corpos mortais; mesmo que não morram, estão submetidos à lei da morte; ainda serão mortos inimigos, enquanto a morte igualmente, ainda não entregou os mortos incrédulos; como se vê em Ap 20, 5-15, estes mortos ressuscitarão depois dos mil anos, para comparecer ao julgamento diante do trono branco. 

Por isso, diz-se em I Co 15, 25-28: "Porque Ele, Cristo, precisa reinar, até que todos os seus inimigos estejam a Seus pés. O último inimigo a ser vencido é a morte (Ap 20, 14). 

Pois tudo Deus pôs a Seus pés. Leia agora o verso 24: "Então virá o fim, quando Ele entregar o Reino ao Deus e Pai, quando houver destruído todo principado, bem como toda potestade e poder". 

E depois, o final em verso 28: "Quando, porém, todas as cousas lhe estiverem sujeitas, então o próprio Filho também se sujeitará àquele que todas as cousas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos." 

Com isso, inicia-se a condição eterna, na qual o governo do Filho, como tal, termina, mas na qual Deus (Pai, Filho e Espírito Santo)."
"E qual será a posição da Igreja na condição eterna?"

"Já vimos que, por toda a eternidade, sua morada será na Casa do Pai. 

Mas, se ela também vai reinar eternamente (Ap 20,5) deverá ter alguma relação com a nova terra, que será criada (Cap 20,11; 21,1; Hb 12, 27; II Pedro 3, 12-13). 

Em Ap 21,1-8, lemos no que consiste esta relação. Podemos ver ali, depois da criação de novos céus e nova terra, a cidade santa, a Nova Jerusalém, descendo do céu, da parte de Deus, preparada como uma noiva para o seu noivo (Versos 2, 9 e 10). 

Depois de mil anos, a Igreja ainda tem a mesma glória invariável, como no seu casamento! Ela desce do céu, mas não lemos que vem à terra, Sua morada é no céu. 

Entretanto, existe uma ligação; Deus habita no céu, mas também habitará com os homens na nova terra - verso 3. E como? 

Deus habitará eternamente na Igreja, o templo de Deus (I Co 3, 16; II Co 6, 16), e será neste templo que Deus habitará entre os homens: "O tabernáculo de Deus entre os homens". 

Preste atenção: aqui está escrito 'Tabernáculo", ou seja, "Tenda" e não templo; penso que isto exclui o pensamento de que a Igreja tenha, na nova terra, um lugar fixo. 

Não; os "homens" habitarão na nova terra; esses são todos os salvos, de todas as dispensações, desde Adão, com exceção da Igreja, pois sua morada é no céu; na nova terra, ela será somente uma tenda, ou seja, uma morada de Deus, não fixa, mas móvel. É difícil para nós imaginarmos essa situação perfeita de então, mas poderíamos ver uma semelhança na escada de Jacó; uma ligação direta entre o céu e a terra."

"Isso tudo é realmente difícil, mas não faz mal. Aconteça o que acontecer, seja como for, nada poderá ser comparado com esta gloriosa realidade: "Estaremos para sempre com o Senhor"
"Eu sou a raiz e a geração de Davi, a brilhante estrela da manhã. O Espírito e a noiva dizem: Vem. Aquele que tem sede, venha, e quem quiser receba de graça a água da vida.

Aquele que dá testemunho destas cousas diz: Certamente venho sem demora, Amém, Vem, Senhor Jesus!"

10. Ismael, Esaú e Jacó

Ismael
Antes de comentar a história de Jacó, que é digna de nota, tomo a liberdade de me deter ainda com Ismael, exemplo destes brilhos dourados da Graça de Deus que não chamam a atenção do leitor superficial. Pouco sabemos de Ismael. 

Ele tinha talvez quinze ou dezesseis anos de idade quando seu irmãozinho Isaque caçoou dele, o que foi a causa para sua mãe, bem como ele mesmo, serem enxotados de casa, tornando-se peregrinos errantes, padecendo de sede no deserto. 

Vocês se lembram do desespero de Hagar quando colocou o menino debaixo de um arbusto, afastando-se à distância de um tiro de arco, porque dizia: "Assim não verei morrer o menino; e, sentando-se à frente dele, levantou a voz e chorou" (Gn 21:16). 

O que houve com o menino? Ele também levantou sua voz, porém não para chorar, mas para orar. Embora deva ter sido teimoso (Gn 16:12), talvez até um menino "travesso" , mas não viveu aqueles anos junto ao seu amado e velho pai sem aprender algo sobre o valor da oração. 

Vocês por certo também se lembram de que, de fato, o seu nome significa "por que o Senhor ouviu ... ". 

Pensemos nisto e também levemos em conta que Ismael provavelmente tinha ciúmes daquele irmão menor que deveria se tornar o "herdeiro de tudo"; seria quase que anormal não ser assim. Considerando a situação, é até comovente vermos que mais tarde Ismael está juntamente com Isaque sepultando seu pai (25:9). 

Esse fato, por certo, dá a entender que Deus operou em seu coração. Ismael e sua mãe provavelmente sofreram muito com a expulsão daquele confortável lar de sua infância, e havia muito motivo para amargo arrependimento dos pecados de outrora. Assim, como não é precioso vermos que o nome que Ismael deu à sua filha Maalate (Gn 28:9) significa "PERDOAR"! 

Esta menininha certamente foi criada em condições muito diferentes daquelas que marcaram a infância de seu pai, - tudo por causa do pecado. Mas sempre que olhava para ela, podia se lembrar que tudo estava perdoado. 

No Velho Testamento deram-se muitos nomes bonitos para as crianças; mas não conheço outro que exceda a beleza de "Maalate", a filhinha de Ismael. Mas isso ainda não é tudo. 

Será que o coração de Ismael muitas vezes não doeu por seus filhos serem criados em um lar tão diferente daquele que alegrou a sua infância? 

Em Gênesis 28:9, lemos que a filha de Ismael, Maalate, na condição de noiva, é maravilhosamente introduzida de volta àquela casa que o pai, devido ao pecado, havia perdido. Para mim, isto é por demais precioso. 

Quem mais saberia apreciar o valor da palavra "PERDOAR" senão aquele que após a amarga experiência com o pecado, experimentou algo de sua beleza? Ainda mais amoroso é quando o passo que segue ao perdão é a restauração daquilo que foi perdido. 

Tomara que Ismael e Maalate possam consolar e animar a vocês, assim como também foram um consolo e ânimo para mim. E isso ainda não é tudo: Esaú e Maalate tiveram um filho, ao qual chamaram Reuel (Gn 36:3-4). 

E nos dito que o significado de Reuel é "amigo de Deus". 

Este é, vocês se lembram bem, aquele mesmo nome com que a Palavra de Deus designa Abraão, o bisavô da criança (veja Tg 2:23; Is 41:8; 2 Cr 20:7). 

Para mim é precioso saber que escolheram este nome para sua criança. 

O perdão que motivou Ismael a dar o nome de "PERDOAR" para sua filhinha, foi especificado como o "perdão que restabelece", pois dá a entender que o grande Pastor restabeleceu a sua alma. 

O perdão que concedeu à sua filha aquele lar que ele, devido ao pecado, perdeu, é especificado como o "perdão de governo", pois mostra que Deus, em seu governo, poupou à criança de Ismael aquele castigo que ele próprio teve que suportar por seu pecado. E ainda há um terceiro tipo de perdão: o indulto, que para o crente é o primeiro da lista - o "perdão eterno" que Deus dá. 

É bom entender que nas atitudes de Deus com o seu povo o perdão precisa ser visto segundo estes três aspectos. Tendo em vista que Ismael também era filho de Abraão (Lc 19:9), não podemos considerar que ele, igualmente, recebeu o perdão que restabelece, o perdão segundo o governo e ainda o perdão eterno? 

Embora possamos aceitar assim, temos que nos lembrar de que Ismael foi o avô de Amaleque, do qual é dito que "Porquanto o Senhor jurou, haverá guerra do Senhor contra Amaleque de geração em geração!" Não podemos pecar levianamente contra Deus ou seu povo, sem que tenhamos que arcar com amargas consequência.

Esaú
A história de Esaú é muito triste e deveras séria. Era filho de Isaque, um dos mais honrados patriarcas. Talvez ele tivesse quinze anos quando o seu avô Abraão morreu; este menino deveria, ao menos, ter guardado alguma influência daquele que foi o "pai da fé". 

Ele era o irmão gêmeo mais velho de Jacó, a quem Deus concedeu tal graça indizível, e era dele o direito de primogenitura e a benção. 

Ele notou qual o valor que seu avô e o irmão davam às promessas de Deus; mas parece que estas nada lhe significavam, pois vendeu o direito de primogenitura por uma refeição (Hb 12:16). 

Parece que lhe faltava completamente a fé. O que não podia ver, não tinha valor aos seus olhos. A Escritura classifica-o como "profano", e dele é dito: "Amei a Jacó, porém me aborreci de Esaú". 

Eu sei muito bem que foi assim para que o "propósito de Deus, quanto à eleição, prevalecesse" (Rm 9: 11); porém, não tenho dúvidas de que a causa estava no comportamento do próprio Esaú. 

Ele desprezou as promessas de Deus, e depois," querendo herdar a benção, foi rejeitado, pois não achou lugar de arrependimento, embora, com lágrimas, o tivesse buscado" (Hb 12:17). 

Vocês se lembram de que a intenção de Esaú era matar a seu irmão; e o que parece ter sido pior aos olhos de Deus, foi o ódio irreconciliável que a semente de Esaú conservava contra a semente de Jacó, que era o povo de Deus. 

Ainda assim, reconhecemos no coração de Deus o anseio e o pesar pela descendência de Esaú; Deuteronômio 23:7: "Não aborrecerás o edomita, pois é teu irmão". Desconsiderando toda a obstinação e todos os pecados de Esaú e sua semente, vemos o Senhor empenhado em fazer com que Israel lembrasse as prerrogativas que Edom tinha como irmão. 

Mas menosprezaram até mesmo essa boa vontade e a rejeitaram; então o Senhor teve que dizer a Edom que: "Por causa da violência feita a teu irmão Jacó, cobrir-te-á a vergonha, e serás exterminado para sempre" (Obadias 10). 

Nós, pais crentes, fazemos bem em lembrar que o prazer da comida parece ter sido o início da decadência de Esaú, e também já fomos lembrados de que este foi o mesmo pecado no qual também caiu o seu pai. 

Como não é profundamente triste considerar que, num dia futuro, será manifesto que o exemplo do pai levou Esaú àquilo, e comprovou ser a sua perdição. Que o Senhor nos guarde, pois nós não temos como nos guardar a nós mesmos! 

Mas também não podemos nos esquecer, de que o mau exemplo de Isaque não diminui e nem desculpa a responsabilidade de Esaú por não ter seguido a fé de seu pai. 

O juízo de Deus diante disso não será atenuado. E para reconhecer a gravidade de tal juízo, temos que recorrer aos profetas. 

Encontramos todo o livro de Obadias ocupado com este tema, outros profetas também se referem a ele com frequência - veja como exemplo Jeremias 49:7-22: Edom será "exterminado para sempre" e "como na destruição de Sodoma e Gomorra, e das suas cidades vizinhas, diz o Senhor, assim não habitará ninguém ali, nem morará nela homem algum" (Jr 49:18). 

Enquanto haverá alegria no restante da terra, Edom estará completamente desolado. Esaú e sua descendência nos fazem lembrar os filhos de pais crentes, filhos, que rejeitaram o evangelho. O seu "direito de primogenitura" era a salvação, mas não lhe deram valor, menos-prezaram-na. 

Ouviram e conheceram as abençoadas promessas de Deus, e rejeitaram-nas. Tinham avós, pais, irmãos e irmãs que muito estimavam aquilo que eles próprios rejeitaram. Talvez muitos tiveram amargas decepções com o povo de Deus, por certo até tinham motivo para tal; quanto motivo de rancor Esaú não tinha para com o irmão! 

Porém, isso não o desculpava. Muito me dói escrever estas palavras; mas tomara que este triste exemplo nos leve, aos que temos filhos rebeldes, a buscar a face do Senhor com muito mais fervor por amor a eles. 

Se acaso um tal filho se deparar com estas linhas: lembre-se da Graça de Deus que ainda se ocupa com você; ainda existe um caminho "para casa". Será que é tão difícil dizer: "Pai, eu pequei?"

Jacó
A história de Jacó está repleta de lições profundas e proveitosas. Do começo ao fim de sua vida está a epígrafe: "aquilo que o homem semear, isso também ceifará". Ele enganou a seu pai e fraudou a seu irmão. 

Mais tarde ele próprio é enganado e traído pelo sogro e mais tarde pelos próprios filhos. Contudo, isso tudo somente faz com que a Graça de Deus para com ele brilhe mais claramente. 

Vocês certamente perceberam quanto espaço o Espírito de Deus dedicou à história de Jacó no livro de Gênesis. Eu creio que nossos corações se alegram com isso. Jacó é muito parecido conosco, de forma que sempre vem o seguinte pensamento: "Este poderia muito bem ser eu mesmo!" 

Seus pontos fracos, a vontade própria, os planos, a falta de fé, a pendência para o mundo; tudo isso - infelizmente são cousas que todos nós conhecemos muito bem. 

Por isso mesmo nos alegramos de que o nosso Deus é tão insistente em denominar-se a Si mesmo como "Deus de Jacó" e raramente como "o Deus de Abraão". 

Veja Sl 20,1; 46,7.11; 75,9; 81,1.4; 94,7; 114,7; 132,2.5; 146,5. Compare com Sl 47,9. 

Note que por treze vezes encontramos nos Salmos" o Deus de Jacó", enquanto que somente uma vez "o Deus de Abraão".
Consideremos ainda que o significado de Jacó é "aquele que ilude, enganador" , enquanto que Abraão quer dizer "pai de muitas nações". 

Não preciso tomar o tempo para enumerar os detalhes de toda a sua (tão cativante) história. Aquele travesseiro de pedra, aonde o sol se pôs, os mais de vinte anos de trabalho duro que se seguiram até que possamos ler do próximo nascer do sol, todos os sofrimentos em Harã - tudo são consequências incontestáveis do pecado contra o pai e irmão. 

Não esqueçamos também que Jacó tinha duas mulheres e duas concubinas, muito em contraste com seu pai e seu avô. Logo em Harã vemos Rubem, seu primogênito, ainda criança naquele tempo, envolvido em uma cena que somente deveria ter sido contornada pelo amor (Gn 30,14-16). 

Assim, não é de se admirar que este mesmo filho, mais tarde, comprova uma falta de reverência para com estas cousas santas ao se deitar com Bila, concubina de seu pai (35,22). Este gesto custou a Rubem a perda do direito de primogenitura, além do mais foi para Jacó uma mágoa muito amarga. 

Parece que Jacó, no fim de sua vida, teve mais consciência do horror desta ação suja e má do que nos primeiros dias (Gn 49,3-4), quando seguia a Deus, porém de longe, não na intimidade que parece ter gozado com Deus nos últimos anos de sua vida. 

Sob certo aspecto aconteceu como deveria ser. Verdadeiramente, os pecados estão perdoados, foram encobertos, estamos justificados: E se é Deus quem justifica, quem nos condenará? 

O "acusador dos irmãos" está sempre ocupado em nos lançar os velhos pecados em rosto; mas, graças a Deus, nós temos Alguém que se dispõe a dizer: "O Senhor te repreende, ó Satanás, sim, O Senhor... te repreende; não é este um tição tirado do fogo?" (Zc 3,2). 

Mesmo assim, o repúdio diante destes velhos pecados deveria ser tanto maior, quanto mais reconhecemos o quanto custaram para o nosso Redentor. Abraão e Isaque eram estrangeiros e peregrinos. 

Tinham sua tenda e altar. A única propriedade desses patriarcas em Canaã era a sepultura; Jacó deveria ter seguido os seus passos, mas em Gênesis 33,17 e 19 vemo-lo construir uma casa e comprar um campo. Demonstrou que sua motivação era outra que a de seu pai e avô. 

Nem sempre é fácil ou agradável portar-se como estrangeiro. Aquele que disse que "as raposas têm seus covis e as aves do céu, ninhos; mas o Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça" (Mt 8,20 e Lc 9,58), não encontrou aqui lugar algum onde pudesse deitar a Sua santa cabeça, até que na cruz clamou... Está consumado" e inclinou a cabeça (no grego ambas as citações usam a mesma palavra, sendo estas as únicas citações desta forma no Novo Testamento). 

Houve outro igual que, caminhando aqui, manifestou tão claramente esta condição de estrangeiro? Ainda que cada um foi para sua casa, Jesus, entretanto, foi para o Monte das Oliveiras; pois aqui não tinha um lar onde poderia se recolher (Jo 7,53-8,1). 

Parece que Jacó saturou-se de ser peregrino e cedeu à tentação de construir uma casa. Qual a consequência desse comportamento? Sua filha Dina saiu para ver as filhas da terra. 

Ao invés de se portar como um peregrino celeste, que somente está aqui de passagem, seu pai se fixou no mundo para construir uma casa; haveria algo mais natural quando sua filha agora deseja ter amizade com o mundo? Nós conhecemos o triste e vergonhoso resultado dessa atitude. 

Quem imaginou que trocar a tenda por uma casa teria consequências tão amargas? Mas é assim; e, em nossos dias, a amizade com o mundo continua sendo inimizade contra Deus. Quando nos amoldamos ao mundo (e assim perdendo o caráter de estrangeiros) dificilmente podemos censurar nossos filhos quando buscam a amizade daqueles em cujo meio nós nos fixamos. 

Parece que somente anos mais tarde da ocorrência dos fatos (Gn 49)a alma de Jacó se sensibilizou por tudo o que se passou em sua casa, e pela desonra causada ao Nome de Deus, e então exclama: "Maldito seja o seu furor, pois era forte, e a sua ira, pois era dura! Dividi-los-ei em Jacó. E os espalharei em Israel" (Gn 49,7). 

Como castigo por sua crueldade, cometida muitos anos antes em Siquém, Levi foi espalhado em Israel. 

Agora, pois, anime-se - veja a Graça de Deus: justamente este castigo, ser espalhado em Israel, tomou-se uma benção indizível. 

Esta tribo é escolhida para chegar-se a Deus, e é espalhada visando que o conhecimento de Deus e de Sua Palavra se alastre em israel. Mais uma vez a "ira do homem" resulta para o Seu louvor, mais uma vez "do comedor saiu comida". 

Como é animador! Não podemos encerrar o estudo de Jacó, tão cheio de falhas, e seus filhos, sem mencionar a graça que representou ter um filho como José! Pelo que sei, a Escritura Sagrada não descreve sequer uma falha em sua vida. 

Podemos dar graças a Deus, e tomar ânimo, ao constatar renovadamente que a Sua graça excede os nossos pecados. E é justamente a mesma Graça com a qual os pais hoje precisam contar. A história de Jacó é do começo ao fim, a história desta Graça.

11. Símbolos do Apocalipse

O assunto do livro do Apocalipse é juízo, e seu estilo é o de simbolismo. Deus é revelado como o Todo Poderoso, o Eterno, o Juiz de toda a terra. Cristo aparece exercitando Suas funções judiciais, primeiro na casa de Deus, e depois entre as nações. O Espírito Santo é visto, não, como "um Espírito", mas em Sua perfeita diversidade de ação em conexão com o governo de Deus. Aqui, como em todas as Escrituras, a Pessoa de Cristo é a figura central, a glória de Cristo o objeto central. Mas juntamente com a Pessoa e glória de Cristo, o reino e a Igreja ocupam o lugar de maior proeminência.

Todavia, o mundo de uma forma geral é visto como o cenário do juízo. Portanto, são os juízos, e não as bênçãos do reino terrenal, que são registrados aqui. Da mesma forma, a Igreja na terra é tratada, mas não em seus privilégios, e sim em suas responsabilidades como a casa de Deus, pela qual o julgamento deve começar. Por outro lado, as glórias celestiais da Igreja e o aspecto celestial do reino, coisas sobre as quais o Antigo Testamento nada menciona, são aqui descortinados de uma maneira bendita.

O estilo do livro é principalmente simbólico, e neste sentido faz lembrar as profecias de Daniel. Mas enquanto no livro de Daniel os símbolos são geralmente explicados, neste livro sua interpretação costuma ser deixada para se buscar de outras porções das Escrituras. (Extraído de "The Things Which Are", de T. B. Baines).


Símbolos bíblicos, especialmente em Apocalipse

Compilados por John Nelson Darby


Sol — autoridade suprema estabelecida sobre a terra.
Lua — um instrumento subordinado, refletido para repercutir a autoridade governamental sobre a terra.
Estrelas — autoridades independentes menores, instrumentos de luz e poder.
Mar/grandes águas — multidão de pessoas, sem forma e sem direção.
Rios — partes de povos/população ao qual foi dada uma determinada forma e direção. Mais conectados com as influências que fluem da presença de Deus.
Água — quando usada por si só, é a Palavra no poder do Espírito de Deus, até agora a fonte divina da verdade. É usada como "purificadora" e "renovadora".
Grandes águas/muitas águas — uma massa poderosa e sem forma, muitas vezes em um movimento turbulento, não caracterizada por instituições formadas em particular, o fluxo dos princípios ativos de Deus ou do mundo. "Rios" também podem significar simbolicamente as nações, exércitos de pessoas sob determinada direção ou influência, fluindo ativamente em uma determinada direção.
Grande árvore — poder exaltado e grandeza na terra.
Erva verde — prosperidade geral.
Montanha — sede da autoridade.
Montes — possuem o mesmo sentido de montanha, mas referem-se a um poder inferior.
Figueira — homem sob o cuidado divino, especialmente Israel.
Vinha/vinhedo — plantação de Deus e o que Ele formou religiosa e eclesiasticamente, portanto, primeiro Israel, o próprio Cristo, claro que sempre falando em relação à terra; e por último, a corrupção e a apostasia, ainda na terra e, finalmente dele, embora sob uma forma religiosa ou eclesiástica.
Querubim — poder judicial.
Bronze/latão — julgamento do mal.
Ouro — aquilo que está apto para a presença de Deus.
Prata — a fidelidade e estabilidade do propósito de Deus.
Vidro — a pureza em que caminhamos, onde nenhuma contaminação pode ser contraída.
Ouro transparente como vidro — justiça divina e perfeita santidade unidas em nosso estado e todos nós familiarizados com isso.
Fogo adicionado ao bronze — o exame profundo do julgamento, o julgamento de tudo.
Branco — referindo-se as vestes é a humanidade purificada, irrepreensível.
Cavalo — espírito do poder de Deus, para executar Seu propósito em juízo. Por meio de qualquer instrumento Seu.
Cavalo branco — triunfo imperial e vitória; outras cores dão o atributo da intervenção de Deus.
Chifre — expressão de poder, e habitualmente, em um reino e em um rei, mas em um rei como tendo o poder do reino concentrado nele, não o rei em pessoa... redimir, dependendo do caso.
Cabeças — formas de governo.
Asas — rapidez da execução, também usada para proteger o poder.
Terra — cena revelada das interações de Deus, muitas vezes conectada imediatamente com a Palestina.
Terremoto — uma perturbação violenta da ordem e tranquilidade da disposição da terra.
Escurecimento do sol — autoridade suprema sobre a terra, perdendo seu poder de mandar.
Sol negro (escuro) como saco (ensacado) — o mesmo sentido, porém mais forte e com a ideia de problemas, e a extinção como uma luz que rege, guia.
A lua em sangue — poder subordinado e derivado perdendo violentamente o seu atributo natural.
Estrelas do céu caindo sobre a terra — poderes locais menores perdendo todo o seu brilho e autoridade.
Céu recolhido como um pergaminho/livro — todo o assento e lugar de autoridade subvertida; assim como as montanhas e ilhas, os assentos estáveis ​​de autoridade subvertida, que foram dispostas e subiram acima da massa incerta dos povos, é removida.
vezes — sete, a plenitude nas coisas espirituais e que está estabelecida diretamente de Deus; doze perfeição, de acordo com Deus, na instituição humana.
Dragão — rejeição idólatra aberta ao Evangelho de Cristo pelo poder real de Satanás.
Besta — o cidadão associado a glória e assumiu o poder do império romano sob qualquer forma.
Falso profeta — a concentração, em iniquidade moral, da influência do que foi a segunda besta, ou energia hierárquica de engano espiritual.


* * * * *


Símbolos em Apocalipse como aparece em cada capítulo

(Um resumo geral do que foi ensinado por outros)


Capítulo 1
v. 1 Anjo — a representação mística de alguém que não é realmente visto.
v. 4 Os sete espíritos — o Espírito Santo em suas diversas operações de poder governamental.
v. 12 Sete castiçais de ouro — Vasos responsáveis ​​de luz na terra na sua totalidade.
v. 13 Vestido até aos pés — vestimenta de discriminação sacerdotal, não agora em serviço, mas para julgar.
Cinto de ouro — justiça divina e fidelidade (Isaías 11:5).
v. 14 Brancos como lã — a glória divina do Ancião dos Dias, vista neste atributo. (Daniel 7:9).
Olhos como chama de fogo — atributo de julgamento inteligente, discernimento judicial, penetrante.
v. 15 Pés como latão/bronze — justiça de Deus ao lidar com o homem em sua responsabilidade.
Voz como a voz de muitas águas — poder e majestade avassaladora (Ezequiel 1:24; 43:2).
v. 16 Sete estrelas — plenitude da autoridade subordinada a Cristo na luz.
Espada aguda/afiada de dois gumes — julgamento penetrante da Palavra de Deus. (Isaías 49:2; Hebreus 4:12).
Rosto como o Sol — esplendor de autoridade suprema.
v.18 Chaves da morte e do hades — poder sobre a morte e o estado após ela.
v. 20 Anjos das sete igrejas — os representantes morais da responsabilidade das assembleias. A representação simbólica da assembleia vista como os responsáveis ​​por ela.


Capítulo 2
v. 7 Árvore de vida — alimento para os habitantes celestiais, renovação constante (o mesmo que no capítulo 22:2).
v. 9 Judeus — cristãos professos que voltaram para a religião hereditária. (Filipenses 3:2).
v. 10 Dez dias — Um período determinado de sofrimento e perseguição (pode ser uma possível referência ao terrível domínio de 10anos de perseguição aos cristãos durante o reinado do imperador romano Diocleciano, embora houve um longo período de perseguição da regra de Trajano durante o reinado de Diocleciano. (Depois deste tempo de perseguição severa, Constantino governou e apoiou o cristianismo).
v. 14 Comerem das coisas sacrificadas a ídolos — associação com a falsa adoração de demônios no mundo (1 Coríntios 10:20).
Prostituição (fornicação) — comércio ilícito (socialização, companheirismo, relacionamento íntimo) com o mundo.
v. 17 Maná escondido — Aquele uma vez humilhado e rejeitado conhecido no céu.
Pedra branca — aprovação individual por Cristo.
v. 20 Jezabel — concessão sistemática de mundanismo, imoralidade e idolatria.
v. 23 Morte — apostasia de Deus.
Rins e os corações — afeições e pensamentos íntimos.
v. 27 Vara de ferro — poder do reino.
v. 28 Estrela da manhã — anunciador do dia; Cristo conhecido como tal, agora, pelos santos antes do dia raiar


Capítulo 3
v. 5 Livro da Vida — registro da profissão cristã, verdadeira ou falsa; mas tida como verdade até se provar falsa (Êxodo 32:33; Salmo 69:28)
v. 7 Chave — Autoridade delegada. Responsabilidade. (Isaías 9:6,7; 22:22)
v. 12 Novo nome — marca de autoridade suprema.
v. 18 Ouro provado no fogo — justiça verdadeira e reconhecida.
Vestidos brancos — vestuário para nudez moral.
Nudez — pobreza espiritual.
Olhos com colírio — visão espiritual verdadeira.


Capítulo 4
v. 2 Trono — assento real de autoridade e governo.
v. 3 Jaspe e sardônica — glória divina visível ao homem (Apocalipse 21:11).
Arco celeste/arco-íris — aliança imutável de Deus com a terra em misericórdia. Relacionamento pós-diluviano. (Gênesis 9:13,14; Ezequiel 1:28).
v. 4 Vinte e quatro — Plenitude sacerdotal. O número de ofícios do sacerdócio em Israel (1 Crônicas 24:4). Duas vezes a perfeição administrativa no homem.
Anciãos — santos glorificados como investidos de sabedoria e inteligência.
Vestidos brancos — reconhecimento da justiça (capítulo 06:11).
Coroas de ouro — dignidade real.
v. 5 Relâmpagos, e trovões, e vozes — sinais de comportamento judicial.
Sete lâmpadas de fogo — o poder consumidor do Espírito de Deus em manifestação perfeita (Hebreus 12:29; Apocalipse 1:4).
v. 6 Mar de vidro — pureza sólida, em contraste com a água da pia (Êxodo 30:17-21).
Quatro animais/bestas (seres vivos) — atributos de Deus em poder judicial e governamental sobre a terra. Tipos de poder, constância, inteligência e rapidez de execução.
v. 8 Seis asas — rapidez sobrenatural (Ezequiel 1).
Cheios de olhos — inteligência perfeita.


Capítulo 5
v. 1 Livro selado com sete selos — Revelação dos conselhos e mistérios totalmente secretos de Deus.
v. 6 Um Cordeiro como havendo sido morto — O Messias no poder, mas reconhecido como o mesmo Redentor que sofreu.
Sete chifres — perfeição do poder e exaltação (Deuteronômio 33:17, 1 Samuel 2:1, 10, Salmos 75:10).
Sete olhos — inteligência perfeita (Zacarias 3:9; 4:10; 2 Crônicas 16:9)
Sete espíritos — a plenitude da perfeição com a qual Ele regerá a terra (Isaías 11:2).
v. 8 Harpas — cânticos de louvor (Salmo 98:5).
Salvas (taças) de ouro — serviço sacerdotal.


Capítulo 6
v. 2 Cavalo branco — poder agressivo de conquista em ação providencial (Zacarias 6)
Arco — guerra vitoriosa (Salmo 7:12,13).
Coroa — autoridade imperial.
v. 4 Cavalo vermelho — poder com matança espantosa.
Espada — guerra, massacre.
v. 5 Cavalo preto — tristeza e luto.
Balança — precisão na medida devido à escassez (Ezequiel 04:16; 5: 1,10,12; 14:13).
v. 6 Azeite e vinho — o deleite dos ricos.
v. 8 Cavalo amarelo — mortalidade excessiva por espada, fome e peste (Ezequiel 5:16,17; 14:12-21).
Quarta parte da terra — uma parte limitada do território romano.
v. 9 Debaixo do altar — como sacrifícios a Deus; suas vidas oferecidas embaixo do altar — como sacrifícios a Deus; suas vidas oferecidas.
v. 11 Vestes brancas — reconhecimento da prática da justiça (Apocalipse 19:8)
v.12 Terremoto (tremor de terra) — convulsão de toda a estrutura da sociedade. Escurecimento e subversão das autoridades estabelecidas.
Lua como sangue — toda autoridade derivada em um estado de morte moral.
v.13 Estrelas do céu caíram — apostasia aberta (declarada) das autoridades subordinadas.
v.14 Céu retirou-se como um livro — convulsão geral e derrubada de toda a ordem governamental.
Montes/montanhas — posições de autoridade em tempos de estabilidade.
Ilhas — portos marítimos como fontes de riqueza; interesses independentes (Isaías 23:2,6; Jeremias 25:22; Ezequiel 27:3,15).


Capítulo 7
v. 1 Ventos da terra — problemas universais e tumultos políticos. Agentes satânicos (Jó 1:19; Jeremias 49:36; 51:1; Daniel 7:2).
v. 2 Selo — o que marca para preservação (Ezequiel 9:4; Ageu 2:23; 2 Timóteo 2:19).
v. 3 Terra — (ver Apocalipse 10:2) Mar (Ap. 13:1) Árvores (Ap. 8:7)
v. 4 144.000 — um número místico (místico = referente aos mistérios) dos eleitos de Israel selados para preservação
v. 9 Vestes brancas — reconhecimento da justiça.
Palmas (folhas) de palmeira — alegria triunfante após um período de sofrimento; descanso milenial (Êxodo 15:27; Levítico 23:40; Números 33:9; Neemias 8:15; Ezequiel 41:18).
v. 15 Templo — o lugar da presença velada de Deus.


Capítulo 8
v. 1 Silêncio no céu — suspensão temporária do juízo.
v.2 Trombetas (ou buzina no AT) — anúncio alto e claro da interferência de Deus (Êxodo 15:27; Joel 2:1).
v. 3 Outro anjo — Cristo.
Altar — o altar de bronze, o primeiro ponto de contato entre Deus e o homem na terra.
Incenso — o precioso perfume das graças de Cristo.
Altar de ouro — intercessão eficaz do grande Sumo Sacerdote (Êxodo 30).
v.5 Fogo do altar — julgamento em favor dos santos em resposta à intercessão (Ezequiel 10:2).
Vozes, e trovões, e relâmpagos, e terremotos — sinais do poder de Deus subvertendo toda a ordem estabelecida na terra.
v. 7 Saraiva — súbita tempestade de julgamento de Deus (Isaías 28:2; Apocalipse 16:21).
Fogo — julgamento intenso.
Sangue — morte moral; apostasia.
Terça parte — a extensão do império romano (o dragão de sete cabeças e dez chifres levou após si a terça parte do céu) (Apocalipse 12:3, 4).
Árvores — posição exaltada entre os homens; poder e orgulho humano (Ezequiel 31; Daniel 4).
Erva verde — prosperidade temporal; fraqueza humana (Isaías 40:6, 8;1 Pedro 1:24).
Monte ardendo em fogo — um grande poder estabelecido em meio a julgamento (Jeremias 51:25).
Mar — ver Apocalipse 13:1.
Sangue — ver neste capítulo, v. 7.
v. 9 Morte — apostasia pública de Deus; o poder de Satanás. (Apocalipse 2:23).
Navios — comércio lucrativo.
Estrela, ardendo como uma tocha — um dignitário (pessoa influente) caído e apóstata.
Rios — a atividade de massa de pessoas sob determinadas influências.
Fontes das águas — nascente e origem dessas influências.
v. 11 Absinto — a amargura e a miséria da apostasia (Jeremias 9:15,16; 23:15; Lamentações 3:5,19).
v. 12 Sol — poder supremo dominante (Isaías 13:9,10; Ezequiel 32:7; Joel 3:15)
Lua — luz derivada; que reflete a luz do sol na sua ausência.
Estrelas — autoridades subordinadas.
Escuridão — Sem a percepção da vontade de Deus; forte ilusão para acreditar em uma mentira [as quatro trombetas afetam todas as partes da criação simbólica].


Capítulo 9
v. 1 Estrela que do céu caiu — um poder subordinado apóstata.
Poço do abismo — o lugar onde o mal satânico é trancado e acorrentado (Lucas 8:31; 2 Pedro 2:4; Apocalipse 20:1, 3).
v. 2 Fumo (fumaça) de uma grande fornalha — ilusão satânica para cegar.
Sol — (ver Apocalipse 8:12).
Ar — o meio através do qual a vitalidade política é comunicada para as massas (ver Apocalipse 16:17). A esfera do domínio de Satanás (Efésios 2:2)
v. 3 Gafanhotos — instrumentos bélicos de poder satânico na terra, usado providencialmente.
Escorpiões da terra — infligir dor e angústia de coração, agonia mental.
v. 5 Cinco meses — um tempo determinado, limitado.
v. 7 Cavalos aparelhados para a guerra — ver Apocalipse 6.
Coroas semelhantes ao ouro — poder vitorioso que afeta a justiça divina.
Como rostos de homens — energia masculina.
v. 8 Como cabelos de mulheres — sujeição a outros (1 Coríntios 11:15).
Dentes como de leões — ferocidade, crueldade (Salmo 57:4; Provérbios 30:14).
v. 9 Couraças de ferro — consciência como aço [endurecida].
Ruído de carros — guerra fanática e veloz.
v. 10 Aguilhões nas suas caudas — o veneno dos falsos princípios. doutrinas venenosas (Isaías 9:15; Salmo 140:3).
v. 13 Altar de ouro — (ver Apocalipse 8:3).
v. 14 Eufrates — a barreira do território romano.
v. 15 Hora, dia, mês e ano — um prazo determinado.
v. 16 Duzentos milhões (duas miríades de miríades) — inúmeros enxames de gafanhotos morais.
v. 17 Couraças de fogo, e de jacinto, e de enxofre — a armadura de defesa do inferno.
Fogo, fumo (fumaça) e enxofre — juízos infligidos em caráter de escurecimento, infernal.
v. 19 Caudas semelhantes a serpentes — influência e corrupção da serpente (Romanos 1:28; 2 Tessalonicenses 2:11).


Capítulo 10
v. 1 Anjo forte — Cristo apresentando Suas demandas sobre a terra.
Nuvem — símbolo da presença de Jeová (Êxodo 13:21; Isaías 4:5, Ezequiel 10:4, Mateus 17:5).
Arco celeste (arco-íris) — (ver Apocalipse 4:3).
Sol — glória suprema, soberana (Salmo 136:8-9).
Pés como colunas de fogo — constância do julgamento seletivo
v. 2 Livrinho — revelações proféticas conhecidas e de caráter fixo, determinado.
Mar — (ver Apocalipse 13:1).
Terra — cena dirigida pelo governo de Deus.
v. 8 Sete trovões — a perfeição da intervenção de Deus no julgamento.
v. 9 "come-o" (comer o livrinho) — meditar, digerir (Josué 1:8; Salmo 119:103).


Capítulo 11
v. 1 Templo e altar medido — preservação e aceitação dos verdadeiros adoradores judeus.
v. 2 Átrio — profissão exterior sob opressão dos gentios.
v. 4 Duas oliveiras e dois castiçais — testemunho declarada de Deus para o restabelecimento de Israel com a realeza e o sacerdócio (Zacarias 4).
v. 7 Besta — (ver Apocalipse 13:1).
v. 8 Praça da grande cidade — Jerusalém.
v. 12 Uma grande voz — um chamado da parte Daquele que é a ressurreição e a vida.
v. 13 Terremoto — (ver Apocalipse 6:12).
Décima parte da cidade — um dos dez chifres ou reinos.
Sete mil homens — todos os sistemas organizados da terra.
v. 19 Templo aberto (no céu) — o reinício do relacionamento público de Deus com os judeus na terra a partir do Céu.
Arca da Aliança (do seu conserto) — sinal da fidelidade de Deus para Israel; o vínculo visível da Sua ligação com o Seu povo.
Relâmpagos e etc. — (ver Apocalipse 8:5; 16:18).


Capítulo 12
v. 1 Mulher — Israel; a mãe judaica de Cristo personificada em Jerusalém (Isaías 6:9).
Vestida de Sol — Israel ou Jerusalém com autoridade suprema.
A lua debaixo dos seus pés — toda a luz refletida de seu estado anterior sob seus pés.
Coroa de doze estrelas — autoridade humana completa (compare Gênesis 37:9; Isaías 60).
v. 3 Dragão vermelho — Satanás visto em relação ao poder terreno.
Sete Cabeças — totalidade do poder no mal.
Dez chifres — o ideal agregado do domínio do Império Romano dividido; administração real incompleta. (O Cordeiro tinha sete chifres. Doze é totalidade de poder no homem).
Sete diademas (coroas) - totalidade em forma de poder
v. 4 Cauda do dragão — influência maligna através de ensinamento falso (Isaías 9:15).
Terceira parte das estrelas — governantes do Império Romano (ver Apocalipse 8).
v. 5 Varão, filho — Cristo.
v. 6 Deserto — isolamento dos recursos atuais da terra civilizada.
v. 10 Uma grande voz — anúncio com autoridade vindo do céu, por Cristo, de um grande fato público.
v. 14 Asas de águia — meio de fuga rápida.
v. 15 Água como um rio (enxurrada) — movimentação de pessoas sob influência satânica (Salmo 93:3, 4).


Capítulo 13
v. 1 Areia do mar — posição de separação moral dos movimentos tumultuosos do povo.
Besta — forma revivida do Império Romano (Daniel 7).
Mar — a massa turbulenta das nações perturbadas e perdidas em anarquia e confusão (Isaías 57:20). 57:20)
Sete cabeças — (ver Apocalipse 12:3; 17:9).
Dez chifres — (ver Apocalipse 12:3).
Dez diademas (coroas) — poder real de forma incompleta.
Nome de blasfêmia — inimizade declarada com Deus e Seu Cristo.
v. 2 Leopardo — rapidez da conquista; crueldade (Jeremias 6; Daniel 7:6; Oséias 13:7; Habacuque 1:8).
Urso — voracidade; determinação persistente em agarrar.
Leão — Ferocidade, força (Juízes 14:8) [As qualidades características dos impérios macedônio, persa e babilônico].
v. 3 Ferida de morte (mortal) — calamidade política infligida pela guerra.
v. 8 Livro da vida do Cordeiro — registro dos eleitos (Apocalipse 3:5; 20:12).
v. 11 Besta de dois chifres — imitador do poder de Cristo como rei e profeta, semelhante ao falso profeta; o Anticristo (Daniel 7:8; 11:36; 2 Tessalonicenses 2).
Terra — a terra romana, incluindo aqueles que habitam ou ter a sua parte nela
v. 16 Sinal na mão direita ou na testa — profissão pública ou aparência diante dos homens.


Capítulo 14
v. 1 144.000 — O sofrido remanescente judeu descrito no livro de Salmos. Judá e Benjamin. Os irmãos de Cristo de Mateus 25:40; Salmo 69:26; 1 Samuel 22:1, 2; Daniel 3.
Nome em suas testas — confissão declarada de Cristo (compare Apocalipse 13:16).
v. 2 Harpistas — talvez os mesmos de Apocalipse 15:2.
v. 4 Virgens — aqueles que permaneceram apartados das idolatrias da grande prostituta.
v. 8 Babilônia — cidade de confusão (ver Apocalipse 17:5).
v. 14 Uma nuvem branca — (ver Apocalipse 10:1).
Coroa de ouro — dignidade real.
v. 15 Sega (colheita) — julgamento seletivo (Mateus 24:40, 41)
v. 17 Vinha da terra — apostasia religiosa; judaica (Isaías 5; Joel 3:13).
v. 19 Lagar (prensa para tirar suco da uva) — A ira brutal e sem misericórdia de Deus; vingança sem distinção sobre os judeus apóstatas e nações com eles (Salmo 75:8; Salmo 83; Isaías 34; 61:1, 6; Jeremias 25:15, 16).
v. 20 1.600 estádios [320 quilômetros] — ampla matança humana (esta distância é de aproximadamente a extensão da terra de Canaã).


Capítulo 15
v. 2 Mar de vidro — pureza estável, fixa; a lavagem da água pela palavra não é mais necessária.
Misturado com fogo — marca da grande tribulação de fogo através da qual eles passaram.
Harpas de Deus — alegria e louvor perfeitos (ver Apocalipse 14:2).
v. 5 Templo se abriu — testemunho judicial de estado culpado do homem.
v. 6 Vestes de linho puro e cinto de ouro — um julgamento que exigia pureza e justiça divina.
v. 7 Salvas (taças) de ouro — a expressão da ira de Deus contra a corrupção da terra.
v. 8 Fumo (fumaça) da glória — a solene escuridão na qual Deus emudece antes do julgamento ativo, de modo que o homem não pode encontrá-Lo (Isaías 6:4).


Capítulo 16
v. 2 Chaga (ferida) má e maligna — doença e miséria moral (Êxodo 9:8; Isaías 1:6).
v. 3 Sangue como de um morto — alienação e apostasia final declarada a Deus.
v. 4 Rios e fontes de água — (ver Apocalipse 8:10) essas influências populares tornam-se o poder da morte.
v. 7 Altar — testemunha do derramamento de sangue dos santos (Apocalipse 6:9).
v. 8 Abrasasse (queimar) com o fogo — tirania e perseguição intolerável.
v. 12 Eufrates — o limite assegurado do poder profético ocidental. A prosperidade comercial da Babilônia.
v. 13 Três espíritos imundos, semelhantes a rãs — a energia e hostilidade aberta de Satanás; o império romano renovado como saindo do abismo; e o anticristo, uma certa analogia com o mal de Caim, Balaão e Coré.
v. 16 Armagedom — um nome místico (compare com Juízes 5:9, 10).
v. 17 Ar — a influência moral universal que age no homem (compare Apocalipse 9:2).
v. 18 Vozes, trovões, relâmpagos e terremoto (ver Apocalipse 8:5).
v. 19 A grande cidade — a confederação pública da civilização europeia; tudo o que foi estabelecido no Império Romano.
As cidades das nações — Todas as cidades que as nações criaram politicamente e não pertencem à Roma. Os outros centros europeus da vida social.
Babilônia — (ver Apocalipse 17:5).
v. 20 Ilhas e montanhas (ver Apocalipse 6:14).
v. 21 Saraiva com pedra do peso de um talento — incursões rápidas e esmagadora dos exércitos hostis (Joel 2:2, 9; Isaías 28:2; 30:30).


Capítulo 17
v. 1 Águas — Pessoas sob poder e influência satânica (ver versículo 15).
v. 2 Prostituição (fornicação) — (ver Apocalipse 2:14).
v. 3 Deserto — local de desolação e seca, onde não existem fontes de Deus.
Mulher — a grande cidade imperial em seu caráter religioso corrupto. Roma papal.
Besta de cor escarlate (vermelha) — Roma Imperial em sua forma blasfema.
v. 4 Púrpura — vestimenta imperial: [combinada com escarlate, uma mistura de celeste e terrestre].
Escarlate — esplendor e glória humana.
Ouro, pedras preciosas e pérolas — Características da justiça, glória e beleza divina.
Abominações e imundície — idolatria e corrupção, prostituição do cristianismo.
v. 5 Babilônia — a grande corrupção idólatra e sem limites da religião; a civilização ocidental no seu aspecto religioso (Jeremias 51:7).
Mistério — arrogância em relação a verdade.
v. 9 Sete montes (montanhas) — sete formas de governo.
Reis
Cônsules
Ditadores
Decênviro (uma comissão de 10 oficiais)
Tribunas militares.... "Cinco já caíram"
Imperial "Um existe"... no tempo de João, administrada por Domiciano.
Imperador? "outro ainda não chegou (é vindo)" (prefigurado no tipo por Napoleão, para alguns).
v. 18 A grande cidade — Roma (ver Apocalipse 16:19).


Capítulo 19
v. 11 Cavalo branco — energia Divina do governo na terra; poder imperial triunfante (Salmo 45:3, 4).
v. 12 Olhos como chama de fogo — (ver Apocalipse 1:14).
Muitos diademas (coroas) — posse de todos os títulos de soberania.
v. 13 Veste salpicada de sangue — atributo em que Cristo aparece em vingança.
v. 15 Espada aguda (afiada) — (ver Apocalipse 1:16).


Capítulo 20
v. 1 Chave — poder em responsabilidade administrativa a Deus.
Abismo [poço sem fundo] — (ver Apocalipse 9:1).
Cadeia — impedimento de ação.
v. 8 Gogue e Magogue — inúmeras hordas dos quatro cantos da terra. Repetição em maior escala de Ezequiel 38.
v. 11 Grande trono branco — Sessão de julgamento no fim.
v. 12 Livro da Vida (veja Apocalipse 3:5; 13:8).
v. 14 Morte e o inferno [Hades] — Os inimigos personificados do homem; e do Senhor como Salvador, onde o corpo e alma permanece temporariamente preso ("Hades" - temporariamente separado). Esta condição acaba.


Capítulo 21
v. 2 A santa cidade — nova Jerusalém. A noiva mostrada em glória; não a sua morada.
v. 11 Jaspe — (ver Apocalipse 4:3).
v. 12 Muro — segurança, salvação (Isaías 26:1; 60:18; Zacarias 2:5).
Doze portas — administração judicial perfeita [Doze é a perfeição administrativa no homem] (Gênesis 19:1; Deuteronômio 22:15; Daniel 2:49; Amós 5:15).
Nas portas doze anjos — administração providencial (proteção divina).
Nomes das doze tribos — administração terrena direta, como em Israel.
v. 14 Doze fundamentos, e neles os nomes dos doze apóstolos: a igreja apostolicalmente fundada pelos doze (Efésios 2:20).
v. 15 Cana de ouro — medição pelo padrão divino.
v. 16 Quadrado — totalidade; o mesmo de todos os lados; a perfeição de uma cidade cujo construtor e criador é Deus.
v. 18 Ouro puro semelhante a vidro puro (cristal) — pureza, sem mancha ou defeito.
v. 19 Pedra preciosa — raios de glória divina refletidos na noiva.
v. 21 Pérola — a beleza da noiva de Cristo; vista externamente por homens e anjos (Mateus 13:45,46).


Capítulo 22
v. 1 Rio puro de água da vida — vida abençoada fluindo através da noiva, a esposa do Cordeiro.
v. 2 Árvore da vida — alimento para os habitantes celestiais; renovação constante.
Folhas da árvore — bênção para aqueles na terra; cura para as nações.
v. 4 Seu nome na testa — reflexo perfeito de si mesmo (1 João 3:2; comparar com Apocalipse 13:16).


J. N. Darby

12. Os irmãos, as ovelhas e os bodes - (Mateus 25:31-46) 

Quando Jesus, como Filho do Homem, vier e sentar-Se no trono de Sua glória, Ele retomará suas conexões judaicas: Ele terá uma noiva judia (Sl 45), bem como uma cristã (Ap 19). 

Portanto, aqueles que ele chama aqui de "irmãos" são judeus que foram enviados no final desse tempo para pregarem "o evangelho do reino" (Mt 24:14) entre as nações depois do traslado da Igreja. 

O Rei irá considerar o modo como Seus servos tiverem sido recebidos ou rejeitados, e sua mensagem aceita ou desprezada, como se aquilo tivesse sido feito a Ele próprio. O tratamento dado aos servos do Rei e à mensagem que eles levarem é a base do julgamento das nações. 

Aqueles que aceitaram a mensagem e sujeitaram-se a ela são chamados de "ovelhas", e tomam o seu lugar à destra do Rei, entrando na vida eterna. Todavia, aqueles que rejeitaram e insultaram os mensageiros são chamados de "bodes", e tomam seu lugar à esquerda do Rei, sendo lançados no castigo eterno. A bênção das "ovelhas" e o juízo dos "bodes" é algo definitivo e cabal.
Alguns contrastes entre o julgamento das nações e o julgamento dos mortos ajudam a esclarecer as dificuldades que alguns encontram aqui:

  1. Ap 20 registra o julgamento de mortos; Mt 25 é o julgamento de vivos;
  2. Ap 20 fala de indivíduos; Mt 25 fala de nações;
  3. Ap 20 tem Deus como Juiz; Mt 25 tem o Filho do Homem;
  4. Ap 20 é o estado eterno; Mt 25 é um julgamento no tempo;
  5. Ap 20 fala apenas de uma classe de pessoas; Mt 25 fala de três classes de pessoas;
  6. Ap 20 mostra livros de obras; Mt 25 não mostra nenhum livro;
  7. Ap 20 tem o seu livro da vida; Mt 25 não tem;
  8. Ap 20 não fala de uma "Vinda"; Mt 25 fala;
  9. Ap 20 fala apenas de Deus e homens; Mt 25 fala do Filho, de homens e de anjos;
  10. Ap 20 mostra os céus e a terra fugindo; Mt 25 mostra que os céus e a terra continuam a existir;
  11. Ap 20 fala de um grande trono branco; Mt 25 fala de um trono de glória.


Mateus 25:31-46 = E quando o Filho do homem vier em sua glória, e todos os santos anjos com ele, então se assentará no trono da sua glória; E todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas; E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda. Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo; Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me; Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver-me. 

Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber? E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos? E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te? E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes. 

Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos; Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber; Sendo estrangeiro, não me recolhestes; estando nu, não me vestistes; e enfermo, e na prisão, não me visitastes. 

Então eles também lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos? Então lhes responderá, dizendo: Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim. E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna.


Salmo 45:13-15 = A filha do rei é toda ilustre lá dentro; o seu vestido é entretecido de ouro. Leva-la-ão ao rei com vestidos bordados; as virgens que a acompanham a trarão a ti. Com alegria e regozijo as trarão; elas entrarão no palácio do rei.


Apocalipse 19:7-9 = Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória; porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou. E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos. E disse-me: Escreve: Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E disse-me: Estas são as verdadeiras palavras de Deus.


Mateus 24:14 = E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim.


Traduzido de "Future Events and Coming Glories" publicado por Bible Truth Publishers.

13. A parábola do pescador

Havia um grupo de pessoas que se chamavam "pescadores". Havia também muitos peixes nas águas do lugar onde estes pescadores moravam, nos rios, nos lagos, e no mar. E estes peixes estavam com fome.


Atividades dos Pescadores
Semana após semana, mês após mês, ano após ano, aqueles que se chamavam pescadores reuniam-se para falar da pescaria, da sua vocação para pescar, da abundância de peixes, e para estudar os métodos que eles poderiam empregar na pesca. Ano após ano, eles definiam cuidadosamente o que é pescar; defendiam a pesca como uma ocupação digna, e declaravam que é de suma importância ser pescador.
Estes pescadores construíram salões grandes e bonitos para as suas reuniões. Insistiam que todos deveriam ser pescadores, e que todo pescador deveria pescar. Destacavam a necessidade urgente de pescar.


Mas eles não pescavam.
Além disto, organizaram o Comitê Geral de Pescadores, para enviar pescadores para outros lugares, onde também havia muitos peixes. Este Comitê era composto daqueles que possuíam grande visão e coragem para falar da pesca, e para promover a ideia de pescar em rios e lagos distantes, onde havia muitos outros peixes de cores diferentes. O Comitê empregou trabalhadores, defendeu a necessidade de pescar, ensinou como pescar, decidiu quais os rios e lagos onde se deveria pescar.
Mas os membros do Comitê não pescavam.


Peixeologia
Grandes centros foram construídos, onde os pescadores eram ensinados a pescar. Cursos foram oferecidos sobre a necessidade dos peixes, a natureza dos peixes, as reações psicológicas dos peixes, como aproximar-se dos peixes, e como pegá-los. Os professores eram doutores em peixeologia, mas os professores não pescavam; apenas ensinavam a pescar.
Além disto, os pescadores faziam gráficos e escreviam artigos para imprimir e publicar "O Guia do Pescador". Trabalhavam dia e noite para produzir manuais sobre os métodos, o equipamento, e as estratégias necessárias para pegar peixes. Promoviam reuniões para falar da pesca, e contar experiências.
Mas não pescavam.


Pescadores
Forneciam preletores capacitados para falar da pesca, a fim de incentivarem outros (principalmente jovens) a pescar.


Após uma destas reuniões sobre "A Necessidade de Pescar", um jovem emocionado resolveu deixar tudo para se dedicar à pesca. Foi pescar; e logo depois escreveu dizendo que pegara dois peixes notáveis. Ele foi honrado grandemente por causa desta pesca maravilhosa, e foi convidado a falar em todas as reuniões de pescadores, para contar como ele pegara estes peixes.


Por isso, ele teve de parar de pescar, para ter o tempo necessário para contar a sua experiência aos outros pescadores. Foi nomeado membro do Comitê Geral de Pescadores, devido à sua grande experiência.


Ora, é verdade que muitos destes pescadores sacrificavam muito, e suportavam muitas privações. Alguns viviam perto das águas e suportavam o mau cheiro de peixes mortos. Também suportavam a zombaria daqueles que caçoavam das suas reuniões de pescadores e do fato de que diziam ser pescadores, mas nunca pescavam. Eles se entristeciam também pensando naqueles que achavam que não era necessário assistir às reuniões sobre a pesca. Afinal, não estavam eles seguindo o Mestre, que disse: "Segue-Me, e Eu vos farei pescadores de homens" (Mt 4:19)?


Imagine como se sentiram quando, um dia, alguém lhes disse que aqueles que não pescam não são realmente pescadores, não importa o quanto afirmam o ser.
Considere bem: será que alguém é pescador se, ano após ano, ele nunca pesca um peixe? Será que ele está seguindo o Senhor, se não está pescando?

 
Adaptado de Horizons por R. E. Watterson

14. As bênçãos da terra prometida

O Egito, o deserto, e Canaã. Em qual dos três você está? Como sabemos se estamos vivendo no Canaã espiritual?
O cap. 5 de Josué é a ligação entre a travessia do Rio Jordão e a conquista de Jericó. Israel já está na terra prometida (atravessaram o Jordão no cap. 4), mas ainda não começou a lutar por esta terra (derrotarão Jericó no cap. 6).
O capítulo trata, basicamente, de três assuntos: circuncisão (vs. 1-9), celebração (vs. 10-12) e comunhão (vs. 13-15). 

Três coisas que o povo de Deus experimentou logo ao entrarem na terra prometida. Nosso objetivo neste artigo é simples: procurar despertar cada um de nós em relação a estas três coisas. Se estamos vivendo em Canaã, como Deus quer, estaremos experimentando estas coisas nas nossas vidas. Se estas coisas, porém, nos são estranhas, é sinal de que ainda estamos no deserto.


Mas alguém pergunta: "O que é isto, viver em Canaã e viver no deserto?" Estas coisas são "figuras, e estão escritas para aviso nosso" (I Co 10:11). O Egito é figura do mundo, e Canaã é figura do lugar onde Deus quer nos abençoar hoje. Não é figura do céu, pois lá não teremos que lutar como Israel lutou em Canaã. É uma figura do lugar de comunhão. Assim como o Egito não descreve um lugar físico, mas sim uma posição, assim também Canaã.
É interessante que, no caminho do Egito para Canaã, havia duas extensões de água (o Mar Vermelho e o Rio Jordão) e um deserto. 

Não pelo caminho mais curto, mas pelo caminho que Deus escolheu. Era possível ir do Egito a Canaã e não passar nem pelo Mar Vermelho, nem pelo Jordão, mas Deus quis que Seu povo atravessasse ambos, para aviso nosso.
O Mar Vermelho fala de separação do mundo. Quando as águas do Mar encobriram os Egípcios, Israel estava separado do Egito. Poderiam até ter saudades do Egito, como tiveram, mas não podiam voltar; o Mar os separava. O pecador salvo pela graça pode até ter saudades do mundo, lamentavelmente, mas ele não é mais do mundo, nunca mais pertencerá a ele. Cristo o separou.


O Rio Jordão fala de separação para a terra prometida. No deserto, Israel estava separado do Egito, mas com saudades. Não podiam voltar, mas queriam. Onze vezes lemos desta saudade do Egito. Depois de Josué cap. 4, porém, nunca mais Israel teve saudade do Egito, pois agora estavam na sua pátria, na terra que Deus lhes deu.
O Mar Vermelho fez Israel sair do Egito; o rio Jordão fez Israel entrar em Canaã.
Para usufruir das bênçãos que Deus tem preparado para você, é necessário que você tenha cruzado o Mar Vermelho (isto é, você precisa ser salvo) e também o Rio Jordão (isto é, você precisa estar em comunhão com Deus). 

Assim como muitos morreram no deserto, e duas tribos e meia escolheram ficar no deserto, assim também muitos cristãos estão acostumados a viver no deserto, uma vida árida, estéril, sem fruto. Mas não pode ser assim. Se somos salvos, se Cristo nos resgatou, "procuremos, pois, entrar naquele repouso, para que ninguém caia no mesmo exemplo de desobediência" (Hb 4:11).
Mas um cristão recem-convertido pergunta: "Como posso atravessar o Jordão? Como posso saber se estou vivendo em Canaã?" Olhemos para as três coisas mencionadas no início deste artigo.


Circuncisão (vs. 1-9)
A circuncisão fala de separação. Já temos mencionado que quando Israel atravessou o Jordão, cortaram o último vínculo com o Egito. O Senhor mandou que todos fossem circuncidados para demonstrar esta separação total, e disse então: "Hoje revolvi de sobre vós o opróbrio do Egito" (v. 9). Deus demonstra que o povo que entrou em Canaã não foi o mesmo que saiu do Egito. Os que atravessaram o Mar Vermelho morreram todos no deserto, e Deus "em seu lugar pôs a seus filhos" na terra prometida.


Para estar em comunhão com Deus, você precisa mudar! Deus não vai mudar para que você tenha comunhão com Ele; você é quem precisa ser diferente. Você precisa viver, na prática, aquela circuncisão da qual o Espírito fala em Colossenses 2, que consiste em deixar a velha natureza e passar a viver em novidade de vida. 

No instante em que crê, o pecador é salvo; já cruzou o Mar Vermelho! Mas há ainda muitas coisas que ele terá que deixar. Velhos hábitos, gírias, seu modo de se vestir, seu comportamento, etc. Estas coisas precisam estar sendo deixadas para trás.
Em outras palavras: se você, hoje, é a mesma pessoa do que quando creu, ou está agindo da mesma forma que antes da sua conversão, você está no deserto. Para estar em comunhão com Deus precisamos estar totalmente separados do mundo e do pecado, precisamos de circuncisão; precisamos mudar!


Celebração (vs. 10-12)
Ali em Gilgal, às margens do Rio Jordão, o povo celebrou a Páscoa pela terceira vez na sua história. A primeira foi a Páscoa da Redenção, quando o Senhor os livrou do Egito (Ex cap. 12). A segunda foi a Páscoa da Responsabilidade, quando o Senhor lhes mostrou suas responsabilidades e obrigações para com Ele, dando-lhes a Lei (Nm cap. 9). 

Esta é a Páscoa do Repouso, quando o Senhor finalmente lhes trouxe para dentro da terra prometida. O maná cessou (v. 12), e eles comeram do fruto da terra de Canaã (v. 11).
Aquele que vive no deserto só conhece o maná, o alimento simples. Aquele que entra em Canaã pode alimentar-se com o fruto da terra prometida. 

Irmãos e irmãs, estamos desfrutando das bênçãos que Deus nos reservou? Uma coisa é saber aquilo que Deus pode nos dar; outra coisa bem diferente é receber estas coisas, alimentar-se delas. Uma coisa é saber o que Deus nos promete; outra bem diferente é "herdar as promessas" (Hb 6:12).

Se nosso conhecimento das bênçãos de Deus se limita àquilo que outros nos contaram, estamos ainda no deserto. Se não temos conhecimento prático das bênçãos descritas na Bíblia, estamos ainda longe de Canaã. 


Comunhão (vs. 13-15)

No final do capítulo, Josué tem um encontro com o próprio Senhor! Que cena preciosa! Com quanta alegria, temor, gozo e reverência Josué deve ter tirado as sandálias dos pés, maravilhado por estar em terra santa, na presença do Senhor!
Meu prezado irmão, você conhece esta experiência? 

Minha prezada irmã, você já esteve na presença do Senhor? 

Já passamos por experiências onde ficamos tão maravilhados por estar em comunhão com Ele, que reconhecemos a necessidade de "descalçar os pés"?
Todo cristão precisa disto. 

Em algum lugar e hora aonde ninguém irá te incomodar, às vezes no meio da noite, longe de perturbações, procurar estar em comunhão com o Senhor, e conhecer a verdade do que disse o Salmista: "Na Tua presença há plenitude de alegrias; à Tua destra, delícias perpetuamente" (Salmo 16:11).
Se você não sabe o que é ter comunhão com Deus, você está no deserto.


Conclusão
Irmãos, "nem olho viu, nem ouvido ouviu, e nem jamais penetrou no coração humano as coisas que Deus tem preparado para aqueles que o amam. Mas Deus no-las revelou pelo Seu Espírito" (I Co 2:9-10). 

Deus tem bênçãos espirituais que o mundo não pode conhecer. Estamos vivendo no prazer destas coisas? 

Estamos em comunhão com o Senhor, na terra prometida, ou estamos como Israel no deserto, tendo saudades do mundo do qual fomos libertos? 

Que Deus nos ajude a atravessarmos o Jordão, vivendo vidas novas, vivendo no gozo prático das bênçãos que Deus preparou para nós, vivendo em comunhão santa com um Deus santo! Nada aqui na terra pode se comparar com a alegria sublime de uma vida em comunhão com Deus!

 
W. J. Watterson