A PÁSCOA 

O Princípio dos Meses

Êxodo 12

 

"E falou o SENHORa Moisés e a Arão na terra do Egito, dizendo: Este mesmo mês vos será o princípio dos meses; este vos será o primeiro dos meses do ano" (Êxodo 12:1-2). Eis aqui uma alteração muito importante na ordem de contar o tempo. O ano comum ou civil seguia o seu curso ordinário, quando o Senhor o interrompeu por causa do Seu povo, e assim, em princípio, ensinou-lhes que deviam começar uma nova era em Sua companhia. A história anterior de Israel não devia ser doravante tomada em conta. A redenção tinha de constituir o primeiro passo na vida real. Isto ensina-nos uma verdade bem simples. A vida do homem não é realmente de interesse até que ele comece a andar com Deus no conhecimento de uma salvação perfeita e de uma paz estável, pelo sangue precioso do Cordeiro de Deus. Antes disto, segundo o j uízo de Deus e a expressão das Escrituras, ele está "morto em ofensas e pecados" e "alienado da vida de Deus" (Ef 2:1; 4:18). Toda a sua história não é mais que um espaço vazio, ainda que, na opinião do homem, haja sido uma cena de ruidosa atividade. Tudo aquilo que desperta a atenção do homem deste mundo, as honras, as riquezas, os prazeres, os atrativos da vida, assim chamados, todas estas coisas, quando examinadas à luz do juízo de Deus e pesadas na balança do santuário, não são mais que um vazio horrível, um espaço inútil, indigno de ocupar um lugar nos registos do Espírito Santo. "Aquelequenãocrê no Filho nãoverá a vida" Qo 3:36). Os homens falam de gozar a vida quando se lançam ao mundo, quando viajam de um lado para o outro, para ver tudo que é digno de se ver; porém esquecem que o único meio verdadeiro, real e divino de "ver a vida" é "crer no filho de Deus". Como os homens pensam tão pouco nisto! Julgam que a verdadeira vida acaba quando um homem se torna cristão, real e verdadeiro e não apenas de nome e profissão exterior; ao passo que a palavra de Deus nos ensina que é então que podemos ver a vida e experimentar verdadeira felicidade. "Quem tem o Filho tem a vida" (1JO5:12).E "Bem-aventurado aquele cuja transgressão é perdoada e cu jo pecado é coberto" (Sl 32:1). Somente em Cristo podemos ter vida e felicidade. Fora d'Ele tudo é morte e miséria, segundo o juízo do céu, sejam quais forem as aparências. É quando o véu espesso da incredulidade é tirado do coração, e nos é dado ver, com os olhos da fé, o Cordeiro de Deus carregando o nosso fardo pesado de culpa sobre a cruz, que entramos na senda da vida e participamos do cálice da felicidade divina—vida que principia na cruz e corre para uma eternidade de glória —, uma felicidade que, cada dia se torna mais profunda e mais pura, mais relacionada com Deus e repousando melhor em Cristo, até chegarmos à sua própria esfera, na presença de Deus e do Cordeiro. Buscar a vida e a felicidade por outros meios é um trabalho muito mais penoso do que fazer tijolos sem palha. Por certo, o inimigo das almas dá brilho a esta cena passageira, para fazer crer aos homens que ela é toda de ouro. Ele sabe como levantar mais de uma representação de fantoches com o fim de provocar o riso falso de uma multidão descuidada, que não sabe que é Satanás quem move os cordelinhos e que é seu objetivo conservar as almas afastadas de Cristo para as arrastar para a perdição. Não existe nada verdadeiro, nada sólido, nada que satisfaça a alma, senão em Cristo. Sem Ele "tudo é vaidade e aflição de espírito" (Ec 2:17). Só n'Ele se encontram os gozos verdadeiros e ternos; e por isso é só quando começamos a viver n'Ele, d'Ele, com Ele e para Ele que começamos verdadeiramente a viver: "Este mesmo mês vos será o princípio dos meses; este vos será o primeiro dos meses do ano". O tempo passado nos fornos de tijolo e junto das panelas de carne é como se não tivesse existido. Deve, doravante, ser uma coisa sem importância, salvo que a sua recordação deve, de vez em quando, servir para despertar o seu sentido daquilo que a graça divina havia realizado em seu favor.

 

O Cordeiro Guardado 

 

"Falai a toda a congregação de Israel, dizendo: Aos dez deste mês, tome cada um para si um cordeiro, segundo as casas dos pais, um cordeiro para cada casa... O cordeiro, ou cabrito, será, sem mácula, um macho de um ano, o qual tomareis das ovelhas ou das cabras, e o guardareis até ao décimo quarto dia deste mês, e todo o ajuntamento da congregação de Israel o sacrificará à tarde" (versículos 3 a 6). Eis aqui a redenção do povo de Israel baseada sobre o sangue do cordeiro segundo o desígnio eterno de Deus. Isto dá à redenção toda a sua estabilidade divina. A redenção não foi o resultado de um segundo pensamento de Deus. Antes que o mundo existisse, ou Satanás, ou o pecado; antes que a voz de Deus houvesse interrompido o silêncio de eternidade e chamado os mundos à existência, Ele tinha os seus grandes desígnios de amor, e estes desígnios não podiam achar jamais um fundamento suficientemente sólido na criação. Todos os privilégios, todas as bênçãos e as glórias da criação repousavam sobre a obediência de uma criatura, e, no próprio momento em que esta caiu, tudo foi perdido. Porém, a tentativa de Satanás de corromper a criação apenas serviu para abrir o caminho à manifestação dos propósitos profundos de Deus quanto à redenção. Esta maravilhosa verdade é-nos apresentada em figura debaixo do fato que o cordeiro devia ser guardado desde o dia dez "até ao décimo quarto dia". Este cordeiro era indiscutivelmente uma figura de Cristo, como nos ensina, sem dúvida, a passagem da ICoríntios 5:7: "Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós". Na primeira epístola de Pedro faz-se alusão à guarda do cordeiro durante estes quatro dias: "Sabendo que não foi com cosias corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver, que por tradição recebestes do vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado, o qual na verdade, em outro tempo, foi conhecido, ainda antes da fundação do mundo, mas manifestado nestes últimos tempos; por amor de vós" (versículos 18-20). Todos os desígnios de Deus, desde toda a eternidade, tinham relação com Cristo; e nenhum esforço de inimigo podia interferir com esses desígnios: antes pelo contrário, esses esforços apenas contribuíram para a manifestação e a estabilidade inabalável da sabedoria insondável de Deus. Se "o Cordeiro imaculado e incontaminado" foi "conhecido antes da fundação do mundo", certamente que a redenção devia estar no pensamento de Deus antes da fundação do mundo. O bendito Senhor não teve que improvisar um plano para remediar o terrível mal que o inimigo havia introduzido na criação. Não, Ele apenas teve que tirar do tesouro inexplorado dos Seus maravilhosos desígnios a verdade quanto ao Cordeiro imaculado, conhecido desde a eternidade, e que devia ser "manifestado nestes últimos tempos por amor de nós". Quando a criação saiu das mãos do Criador, mostrando em cada fase e em cada parte a obra admirável da Sua mão—provas infalíveis do seu eterno poder, e da sua divindade veja (Rm 1:20) —, não houve necessidade do sangue do Cordeiro. Porém, quando "por um homem entrou o pecado no mundo", foi revelado o pensamento mais alto, mais rico, mais profundo, mais pleno da redenção pelo sangue do Cordeiro. Esta verdade gloriosa apareceu primeiramente através da nuvem espessa que rodeava os nossos primeiros pais, quando saíram do j ardim doÉden;asualuz começou a brilhar nas figuras e sombras da dispensação moisaica; e, por fim, resplandeceu sobre o mundo com todo o seu esplendor, quando "o Oriente do alto nos visitou" na Pessoa do Deus manifestado em carne (1 Tm 3:16); e os seus ricos e gloriosos resultados serão realizados quando aquela grande mul-tidão vestida de branco, e tendo palmas em suas mãos, se reunir em torno do trono de Deus e do Cordeiro, e toda a criação descansar sob o cetro de paz do Filho de Davi. Assim, o cordeiro tomado no dia dez e guardado até ao dia catorze mostra-nos Cristo conhecido de Deus, desde a eternidade, porém manifestado na plenitude dos tempos por amor de nós. O desígnio eterno de Deus em Cristo vem a ser o fundamento da paz do crente. Nada menos do que isto seria suficiente. Somos reconduzidos muito para lá da criação, para lá dos limites do tempo, além da entrada do pecado e de tudo que pudesse possivelmente af etar o fundamento da nossa paz. Aexpressão "conhecido antes da fundação do mundo" faz-nos retroceder às profundidades insondáveis da eternidade, e mostra-nos Deus fazendo os Seus próprios planos de amor redentor e baseando-os sobre o sangue expiador do Seu precioso Cordeiro imaculado. Cristo foi sempre o pensamento primário de Deus, e por isso, logo que começa a falar ou atuar, Ele aproveita a ocasião para manifestar Aquele que ocupava o lugar mais elevado em Seus conselhos e afetos; e, seguindo a corrente de inspiração divina, descobrimos que cada cerimónia, cada rito, cada ordenação, e cada sacrifício indicava "o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo" (Jo 1:29); porém em nenhum de uma forma tão evidente como a Páscoa. O cordeiro da páscoa, com tudo que com ele se ligava, apresenta-nos uma das figuras mais interessantes e instrutivas das Escrituras.

 

O Cordeiro Imolado 

 

Na interpretação deste capítulo 12 de Êxodo temos que tratar com unta assembleia e um sacrifício é: "todo o ajuntamento da congregação de Israel o sacrificará à tarde" (versículo 6). Não se trata tanto de um número de famílias e alguns cordeiros (o que por certo é muito verdade) como de uma assembleia e um cordeiro. Cada família era a expressão local de toda a assembleia reunida em torno do cordeiro. O antítipo deste ato têmo-lo em toda a Igreja de Deus reunida pelo Espírito Santo em nome do Senhor Jesus, da qual cada assembleia em particular, onde quer que se reúna, deve ser a expressão local.

 

O Sangue sobre as Ombreiras e na Verga das Casas

 

"E tomarão do sangue e pô-lo-ão em ambas as ombreiras e na verga da porta, nas casas em que o comerem. E naquela noite comerão a carne assada no fogo, com pães asmos; com ervas amargosas a comerão. Não comereis dele nada cru, nem cozido em água, senão assado ao fogo; a cabeça com os pés e com a fressura" (versículos 7 -9). O cordeiro da páscoa é-nos apresentado sob dois aspectos, a saber: como

fundamento da paz e como centro de unidade. O sangue na verga das portas assegurava a paz de Israel: "...vendo eu sangue, passarei por cima de vós" (versículo 13). Nada mais era necessário, senão a aspersão do sangue, para se desfrutar paz em relação com o anj o destruidor. A morte devia fazer a sua obra em todas as casas do Egito. "Aos homens está ordenado morrerem uma vez" (Hb 9:27). Porém, Deus, em Sua grande misericórdia, encontrou um substituto imaculado para Israel, sobre o qual foi executada a sentença de morte. Assim, as exigências de Deus e a necessidade de Israel foram cumpridas por uma e mesma coisa, a saber: o sangue do cordeiro. O sangue fora das portas era prova de que tudo estava perfeita e divinamente arrumado; e, portanto, dentro reinava perfeita paz. Uma sombra de dúvida no coração dum israelita teria sido uma desonra para o fundamento divino da paz—o sangue da expiação. É verdade que cada um daqueles que se achavam dentro de casa, em cuja porta o sangue havia sido posto, deveria sentir, necessariamente, que se tivesse de receber a justa retribuição dos seus pecados, a espada do anjo destruidor cairia irremediavelmente sobre si; porém o cordeiro havia sofrido em seu lugar. Este era o fundamento sólido da sua paz. O juízo que lhe competia caíra sobre uma vítima designada por Deus e, crendo isto, podia comer em paz dentro de casa. Uma dúvida sequer teria feito do Senhor mentiroso; pois Ele havia dito: "vendo eu sangue,passarei por cima de vós". Isto era suficiente. Não era uma questão de mérito pessoal. O ego nada tinha a ver com o assunto. Todos os que se achavam protegidos pelo sangue estavam salvos. Não estavam apenas num estado de salvos, mas salvos. Não esperavam nem oravam para ser salvos, sabiam que isso era um fato assegurado, em virtude da autoridade daquela palavra que permanecerá de geração em geração. Demais, não se achavam em parte salvos e em parte expostos ao juízo: estavam completamente salvos. O sangue do cordeiro e a palavra do senhor constituíam o fundamento da paz de Israel naquela noite terrível em que os primogénitos do Egito foram abatidos. Se um simples cabelo da cabeça de um israelita pudesse ser tocado, isso teria anulado a palavra do Senhor e declarado nulo o sangue do cordeiro. É da máxima importância ter-se um conhecimento claro daquilo que constitui o fundamento da paz do crente na presença de Deus. São associadas tantas coisas à obra consumada de Cristo, que as almas se vêem envolvidas na confusão e incerteza quanto à sua aceitação. Não discernem o caráter absoluto da redenção pelo sangue de Cristo na sua aplicação a si mesmas. Parece que ignoram que o perdão dos seus pecados descansa sobre o simples fato de se ter efetuado perfeita expiação: um fato comprovado, à vista de todos os entes inteligentes criados, pela ressurreição de entre os mortos do Substituto do pecador. Sabem que não existe outro meio de salvação senão pelo sangue da cruz, porém demónios sabem isto também, e de nada lhes aproveita. O que necessitamos saber é que estamos salvos. O israelita sabia não somente que havia segurança no sangue, mas que estava em segurança. E em segurança porquê £ Era devido a alguma coisa que havia feito, ou sentido, ou pensado1?-De modo nenhum; mas, sim porque Deus havia dito: "vendo eu sangue passarei por cima de vós". O israelita descansava sobre o testemunho de Deus; acreditava naquilo que Deus havia dito, porque Deus o havia dito: "esse confirmou que Deus é verdadeiro."

 

"Vendo Eu Sangue..." 

 

Note-se que o israelita não descansa sobre os seus próprios pensamentos, nos seus sentimentos ou na sua experiência, a respeito do sangue. Isto teria sido descansar sobre um fundamento fraco e movediço. Os seus pensamentos e os seus sentimentos podiam serprofundos ou superficiais: mas, quer fossem profundos, quer superficiais, nada tinham que ver com o fundamento da sua paz. Deus não havia dito: "vendo vós o sangue, e avaliando-o como ele deve ser avaliado, eu passarei por cima de vós" .Isto teria bastado para lançar um israelita em profundo desespero quanto a si próprio, visto que é impossível para o espírito humano apreciar o valor do precioso sangue do Cordeiro de Deus. O que dava paz era a certeza de que os olhos do Senhor estavam postos sobre o sangue, e que Ele apreciava o seu valor. Isto tranquilizava o coração. O sangue estava de fora da porta, e o israelita encontrava-se dentro de casa, de modo que não podia ver aquele sangue; mas Deus o via, e isso era perfeitamente suficiente. A aplicação deste fato à questão da paz do pecador é bem clara. O Senhor Jesus Cristo, havendo derramado o Seu precioso sangue, em expiação perfeita pelo pecado, levou esse sangue à presença de Deus, e fez ali aspersão dele; e o testemunho de Deus assegura o crente de que as coisas estão liquidadas a seu favor—liquidadas, não pelo apreço que ele dá ao sangue, mas, sim, pelo próprio sangue, que tem um tão grande valor para Deus, que, por causa desse sangue, sem mais um jota ou um til, Ele pode perdoar com justiça todo o pecado e aceitar o pecador como um ser perfeitamente justo em Cristo. Como poderia alguém desfrutar paz segura se a sua paz dependesse da sua apreciação do sangue?- Seria impossível! A melhor apreciação que o espírito humano possa tomar do sangue estará sempre infinitamente abaixo do seu valor divino; e, portanto, se a nossa paz dependesse da apreciação que lhe devíamos dar, nós jamais poderíamos gozar de uma paz segura, e seria o mesmo que se a buscássemos pelas obras da lei (Rm 9:32; Gl 2:16; 3:10). O fundamento de paz ou há de ser somente o sangue, ou então nunca teremos paz. Juntar-lhe o valor que nós lhe damos, é derrubar todo o edifício do cristianismo, precisamente como se conduzíssemos o pecador ao pé do monte Sinai e o puséssemos debaixo do concerto da lei. Ou o sacrifício de Cristo é suficiente ou não é. Se é suficiente, por que essas dúvidas e temores1?- As palavras dos nossos lábios confessam que a obra está cumprida, mas as dúvidas e temores do coração declaram que não. Todo aquele que duvida do seu perdão perfeito e eterno, nega, tanto quanto lhe diz respeito, o cumprimento do sacrifício de Cristo. Há muitas pessoas que fogem da ideia de pôr em dúvida deliberada e abertamente a eficácia do sangue de Cristo, mas que, todavia, não têm uma paz segura. Estas pessoas dizem estar completamente convencidas da suficiência do sangue de Cristo, desde que possam estar certas de ter parte nele — desde que possam ter a verdadeira fé. Há muitas almas preciosas nesta infeliz condição. Ocupam-se mais da sua fé e dos seus interesses do que com o sangue de Cristo e a palavra de Deus. Por outras palavras, olham para o seu íntimo, em vez de olharem para Cristo. Isto não é o procedimento da fé, e, por conseguinte, carecem de paz. O israelita protegido pela umbreira da porta manchada de sangue podia dar a estas almas uma lição muito apropriada — não fora salvo pelo interesse que tinha no sangue nem pelos seus pensamentos acerca dele, mas simplesmente pelo próprio sangue. Sem dúvida, ele tinha uma parte bem-aventu-rada no sangue; assim como os seus pensamentos também estavam postos nele; porém, Deus não havia dito: "Vendo eu o vosso apreço pelo sangue passarei por cima de vós". Ah! não; o SANGUE, com o seu mérito exclusivo e eficácia divina estava posto perante Israel; e se eles tivessem tentado pôr só que fosse um bocado de pão asmo ao lado do sangue, como base de segurança, teriam feito do Senhor mentiroso e negado a suficiência do Seu remédio.

 

Devo contribuir?
Ao receber o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador, uma das primeiras coisas que você irá aprender é que Deus é amor. Como resultado disto, você logo perceberá que o amor precisa de uma forma prática para se expressar. Você aprenderá que há uma relação entre amar e dar. Deus é um Deus que nos dá muitas coisas. Amar e dar estão intimamente ligados nas Escrituras. “O Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim” (Gl 2:20), e “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito” (Jo 3:16). Continuar Lendo...
Desenvolvido por Palavras do Evangelho.com