Salvo duas vezes em Dunguergue

O Perigo

 

A segunda guerra mundial tinha começado havia nove meses e já os alemães tinham empurrado os aliados para cada vez mais perto da costa da França.

 

Na tarde do dia 30 de maio de 1940, João McCoy, um jovem soldado, ficou de pé num morro, olhando a cidade de Dunquerque, na França, já em chamas. Nas praias João podia ver milhares de companheiros se ajuntando, aguardando repatriação. Acima, pelos ares o barulho dos aviões servia de lembrete que o perigo de bombardeio era constante.

 

João tinha se alistado em Outubro de 1939 e logo foi transferido para a França como motorista de caminhão. Agora tanto os britânicos como os outros defensores da França estavam sendo pressionados pelos alemães.

 

Em diversas ocasiões anteriores, João tinha estado perto da morte e também tinha testemunhado a morte de colegas que partiram para a eternidade sem nenhum momento de aviso. Prestando atenção à cena de mortandade e desespero, João se lembrou da Grande Tribulação de que a Bíblia fala e se lembrou dos tempos de sua infância quando assistia à Escola Dominical e a pregação do Evangelho com seus pais que eram salvos. Lá ele tinha aprendido que era um pecador, precisando da salvação de Deus e que sem esta salvação jamais podia estar no Céu ao partir desta vida. Muitos anos tinham passado, e embora tivesse vontade de se salvar, protelou o assunto.

 

Desprevenido

 

Mesmo em grande perigo de morrer, a maior preocupação de João não era mais pela sua vida, mas pela alma, pois sabia que se morresse sem ser salvo estaria no Inferno e por fIm no Lago de Fogo (Apocalipse 20:15).

 

Diante da possibilidade duma morte iminente, João tinha certeza que não estava preparado para morrer. Querendo escapar do pesadelo, tentou embarcar num destróier britânico, mas não permitiram seu embarque porque não sabia nadar. Desapontado, e muito preocupado com sua alma, João se retirou para uma trincheira para pensar na sua alma. Ele não sabia, mas tinha sido guardado duma morte certa, porque dentro de poucas horas o destróier aquele foi torpedeado e logo afundou-se.

 

Que é necessário que eu faça para me salvar?

 

Sozinho na trincheira o moço tirou o, Novo Testamento e começou a ler no Evangelho de João e depois nos Atos dos Apóstolos. Chegando em capítulo 16 de Atos ele leu do carceireiro que com muita preocupação perguntou, "Que é necessário que eu faça para me salvar?" Paulo e Silas deram a resposta em Atos 16:31: "Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo". Lembrando-se do Senhor Jesus Cristo que morreu na cruz pelos pecadores, João simples e sinceramente aceitou que o Senhor Jesus tinha morrido por ele e assim descansou nele. Naquele momento seus pecados foram perdoados e sua alma salva, João estava pronto para morrer caso fosse preciso. Pela primeira vez na vida baixou a cabeça a agradeceu a Deus por ter enviado Seu Filho para morrer por ele. Daí orou que Deus o livrasse do horror que havia em redor.

 

A resposta à primeira oração

 

Mais tarde naquele dia Deus atendeu sua primeira oração na qualidade de pessoa salva. Sabendo que um barco holandês ia partir logo para a Inglaterra, João se dirigiu ao cais na hora indicada e junto com muitos outros soldados partiu da França protegidos dos bombardeios alemães por uma forte neblina Ao amanhecer do outro dia, a neblina passou e os soldados viram com alívio a costa da Inglaterra. Num dia SÓ, João McCoy foi salvo duas vezes em Dunquerque. Muitos anos já passaram e o velho soldado agora tem noventa anos. Ele continua agradecendo a Deus pelo livramento duplo.

 

E você?

 

Talvez não tenhamos de enfrentar os horrores duma guerra, mas todos temos de enfrentar a morte. Um missionário disse uma vez: "Quando chega a hora de morrer, verifique que a única coisa que tem de fazer é morrer mesmo". Está preparado para morrer? Somente os que nasceram de novo estão em condições de chegar no céu porque O Senhor Jesus disse: "Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus" (João 3:3). Deus proveu o caminho de salvação através de Seu Filho. A Bíblia diz: "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça mas tenha a vida eterna" (João 3: 16). Agora é o tempo de se salvar. Arrependa-se dos seus pecados e aceite o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador hoje.

 

Sublime graça que alcançou

Um pobre como eu,

Que a mim, perdido e cego achou,

Salvou e a vista deu!

 

Estas palavras do Hino No, 14 do "Hinos e Cânticos" foram escritas por João Newton e traduzidas para o português pelo falecido Luiz Soares. Newton (1725-1807) tinha uma vida dissoluta até que foi salvo por Deus.

 

Seu testemunho se resume nas suas próprias palavras:

 

Quanto mais contemplava o que Jesus tinha feito na cruz, mais via que Ele

atendia meu caso com perfeição, Precisei de alguém que fizesse o acerto

entre um Deus justo e mim, o pecador; entre um Deus obrigado a castigar

o pecado e mim que estava submergido nele. Precisei de um Salvador todo

poderoso que assumiria meu caso e tiraria meus pecados, e encontrei o tal

no Senhor Jesus Cristo ...Eu vi que por causa dos sofrimentos de Cristo na

cruz Deus podia manifestar sua justiça em castigar meus pecados, e

manifestar sua graça salvadora também em que Seu Filho tomou aquele

castigo por mim merecido, para que eu, aceitando-o pudesse ser perdoado.

Devo contribuir?
Ao receber o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador, uma das primeiras coisas que você irá aprender é que Deus é amor. Como resultado disto, você logo perceberá que o amor precisa de uma forma prática para se expressar. Você aprenderá que há uma relação entre amar e dar. Deus é um Deus que nos dá muitas coisas. Amar e dar estão intimamente ligados nas Escrituras. “O Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim” (Gl 2:20), e “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito” (Jo 3:16). Continuar Lendo...
Desenvolvido por Palavras do Evangelho.com