OUÇA O ESPÍRITO, OUÇA O MUNDO

A Diferença entre o Holocausto e o Sacrifício de Pacífico

Assim, quando comparamos o sacrifício pacífico com o holocausto, descobrimos que o tríplice ato de "esfolar", "partir em pedaços" e "lavar a fressura e as pernas" é inteiramente omitido. Mas isto é natural. No holocausto, como temos notado, encontramos Cristo oferecendo-se a Si mesmo a Deus e sendo aceito. Por isso tinha de ser simbolizada não só a Sua inteira rendição como também o processo de perscrutação a que Ele se submeteu. Na oferta pacífica o pensamento principal é a comunhão do adorador. Não é Cristo como objeto exclusivamente deleitável para Deus, mas de gozo para o adorador, em comunhão com Deus. Por isso a ação é menos intensa, em toda a linha. MAIS

OS SACRIFÍCIOS PELA CULPA

A Transgressão contra Deus por Ignorância Estes versículos contêm a doutrina da Expiação da Culpa, da qual havia duas classes distintas, isto é, transgressões contra Deus e transgressões contra o homem. "Quando alguma pessoa cometer uma transgressão e pecar por ignorância nas coisas sagradas do SENHOR, então trará ao SENHOR por expiação um carneiro sem mancha do rebanho, conforme à tua estimação em ciclos de prata, segundo o ciclo do santuário, para expiação da culpa". MAIS

O HOMEM CORROMPE AS INSTITUIÇÕES DIVINAS

LEVÍTICO 10

As páginas da história humana têm estado sempre deploravelmente manchadas. São, do princípio ao fim, uma história de fracasso. No meio das delícias do Éden, o homem prestou atenção às mentiras do tentador (Gn 3). Preservado do julgamento, pela mão do amor de eleição, e introduzido na terra restaurada, tornou-se culpado do pecado de intemperança (Gn 9). Depois de conduzido, pelo braço estendido de Jeová, ao país de Canaan, "deixaram ao SENHOR: e serviram a Baal e a Astarote" (Jz 2:13). MAIS

O QUE DEVE CARACTERIZAR OS SACERDOTES

LEVÍTICO 21 E 22

Estes capítulos mostram pormenorizadamente quais eram as exigências divinas em relação àqueles que tinham o privilégio de se aproximar como sacerdotes para "oferecer o pão do seu Deus". Nesta, como na parte precedente, vemos a conduta como resultado das suas relações com Deus e não como a causa. Convém ter isto bem presente. Todos os filhos de Arão eram sacerdotes de Deus, em virtude do seu nascimento. Gozavam todos este privilégio. Não era uma questão de mérito, de progresso ou qualquer coisa que uns tivessem e outros não. MAIS

O SACERDÓCIO

LEVÍTICO 8 A 9

Considerações Gerais Havendo considerado a doutrina do sacrifício, tal qual se desenrola nos primeiros sete capítulos deste livro, chegamos agora ao assunto do sacerdócio. Os dois assuntos estão intimamente ligados. O pecador necessita de um sacrifício, o crente necessita de um sacerdote. Nós temos tanto um como outro em Cristo, que, havendo-se oferecido a Si mesmo a Deus sem mácula, entrou na esfera do Seu ministério sacerdotal, no santuário celeste. Não precisamos de outro sacrifício nem de nenhum outro sacerdote, Jesus é divinamente suficiente. Comunica o valor e a dignidade da Sua própria pessoa a todos os cargos que desempenha e a todas as obras que realiza. MAIS

Devo contribuir?
Ao receber o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador, uma das primeiras coisas que você irá aprender é que Deus é amor. Como resultado disto, você logo perceberá que o amor precisa de uma forma prática para se expressar. Você aprenderá que há uma relação entre amar e dar. Deus é um Deus que nos dá muitas coisas. Amar e dar estão intimamente ligados nas Escrituras. “O Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim” (Gl 2:20), e “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito” (Jo 3:16). Continuar Lendo...
Desenvolvido por Palavras do Evangelho.com