O Propósito de Deus para o Tempo Presente

 

Seria proveitoso se nos recordássemos a natureza especial desta dispensação, que compreende o período que vai desde a ascensão do Senhor até sua volta. E é bom que recordemos (pois, é uma tragédia que não tenha sido recordado continuamente ao povo do Senhor ao longo desta dispensação) que nesta geração - nesta dispensação – a preocupação principal de Deus com relação a este mundo é tirar algo fora dele... e não fazer algo com ele, nem ter algo nele ou que proceda dele.
Até que cheguemos a ver com clareza este assunto, estaremos confundidos em qualquer outro assunto relacionado com o Senhor: Seja este sua obra, seu propósito, ou nossa vida em comunhão com ele.
O Senhor está proeminentemente ocupado em tirar algo fora deste mundo. Tudo o mais não é senão uma preparação deste mundo para o juízo. Quando a atividade de Deus acabar, ao “tirar esse algo” fora da terra, então tomará lugar o juízo deste mundo. Portanto, todas as idéias a respeito de melhorar este mundo e estabelecer um pouco de Deus nele, como parte dele – estabelecendo aqui algo para Deus – são idéias falsas que conduzirão a muitos erros... e, com o tempo, a uma completa desilusão.
Em conexão com a atividade primária de Deus na presente dispensação, o próximo assunto que temos que recordar é que esta extração desde a terra é algo principalmente espiritual. Verdadeiramente, o Senhor tem tirado o seu povo literalmente fora deste mundo de geração em geração, e terá – ao final – uma literal e poderosa saída do resto daqueles que esperam sua aparição. Mas, a saída ao longo da presente dispensação é principalmente uma coisa espiritual. A dimensão literal ou física dela não será senão o termo de uma fase.
Este “ser tirados” ocorre espiritualmente, em primeiro lugar, através de uma crise - a crise do novo nascimento – quando nos damos conta de que nascemos de outro reino e que já não continuamos pertencendo a este mundo: Pois na realidade mais profunda de nosso ser, por meio de um novo nascimento, já não somos desta terra senão de acima. Esta é a crise que nos tira fora deste mundo. Depois, em segundo lugar, esta crise, extração, redenção ou emancipação (qualquer seja a expressão que você prefira) é um assunto espiritual. É, em certo sentido, uma peregrinação; um movimento progressivo. E, enquanto caminhamos com o Senhor pelo verdadeiro caminho, somos levados, num sentido espiritual, mais e mais longe deste mundo. Estas são verdades simples e elementares, nenhuma delas nova, mas que precisam ser enfatizadas como uma forma de estabelecer o fundamental.
O que permanece de Deus neste mundo está aqui com três propósitos. Referimo-nos agora ao que veio por meio da crise, está em processo... mas está aqui ainda (aqui, ainda não como parte desta terra). Enquanto isso permanece, apresenta-se com três propósitos, que apontam, por sua vez, em três direções diferentes: em primeiro lugar, para Deus; em segundo lugar, para si mesmo; e, em terceiro lugar, para o mundo.
O propósito dirigido para Deus, por cuja razão estamos aqui, é a representação dos direitos de Deus na terra. Tal como Davi, que, conduzido fora de seu reino e longe de Jerusalém, enviou de regresso a Jerusalém ao sacerdote Sadoque com o Arca, como um depoimento de que esse era seu lugar e de que ele regressaria ali um dia. Portanto, o Senhor, quem foi conduzido fora deste mundo, põe aqui estrategicamente seu povo em relação com ele mesmo e em representação de seus direitos. Em conseqüência, somos chamados a permanecer deliberadamente aqui, sobre esta terra, contra as reclamações do usurpador, como um desafio às pretensões do demônio de ser o príncipe deste mundo, a favor dos direitos daquele cujo direito é reinar. Simplesmente permanecemos aqui, voltados para ele com este propósito.
Em referência ao aspecto deste propósito, que aponta às coisas de Deus que estão aqui, seu objetivo é a aprendizagem da verdadeira natureza do que pertence a Deus. Nos deixa sobre esta terra pelo tempo todo de nossa permanência no meio de outras coisas, com o objetivo de educar-nos. E nossa educação está orientada à aprendizagem de qual é a natureza do que é de Deus. Temos muitas lições por aprender. E temos muitos assuntos por conhecer, tais como a diferença entre o que é de Deus e o que é do homem; o que é de Adão e o que é de Cristo; o que é da terra e o que é do céu; o que é da carne e o que é do Espírito... e nossa educação se estende nesta direção.
Isto é algo muito prático e experimental. Se você e eu fôssemos levados repentinamente ao céu; vale dizer, se uma vez salvos fôssemos transplantados imediatamente ao céu, teríamos que conhecer completa e imediatamente a natureza de tudo o que é de Deus. Mas, deveríamos conhecê-lo de uma forma que agora não o fazemos. Para expressá-lo de outra maneira, agora estamos conhecendo-o de uma forma que não poderíamos fazê-lo se aquilo acontecesse. Depois, nosso objetivo deveria ser conhecê-lo, como algo que demanda tudo de nossa parte... até onde só podemos entrar dessa maneira. Mais, conduzidos aqui entre elementos em conflito, estamos aprendendo-o de uma maneira experimental. Isto é, sendo lavrados interiormente por meio de sofrimentos, contradições, disciplinas e um grande acumulo de história interior. Isto é, sendo lavrados para dentro de nosso próprio ser, pois esta é a forma em que Deus ensina a seu povo. É a mais frutífera das formas; caso contrário, ele teria adotado outro método.
Depois, temos a dimensão orientada para o homem daquilo que está aqui de Deus, cujo assunto é o testemunho e suas testemunhas. Estas duas palavras não significam o mesmo. A testemunha é o instrumento mesmo; o testemunho é aquilo que a testemunha entrega. O Senhor deve ter aqui algo que seja a encarnação da verdade; e que, sendo dita encarnação, entregue a verdade. Esta é a diferença entre a testemunha e o testemunho. E nós estamos aqui na terra, dirigidos para os homens e para o mundo, com este propósito: Ser a encarnação e a expressão da verdade. Portanto, observe você isto, enquanto o Senhor deixa o que é estrita e essencialmente seu aqui por um tempo, ele não quer que o seu se estabeleça – e se consolide – para converter-se em parte do presente estado de coisas. Aquilo está aqui somente por razão de seu divino propósito. Quando este propósito tenha atingido o ponto em que o Senhor considere, em sua exclusiva sabedoria e soberania, que o melhor para seu vaso é de que seja transplantado ao céu, então ele atuará em conformidade.
 
Tudo isto se encontra sintetizado em duas características da vida de Cristo:
 
a) Ainda que estava no mundo, não era do mundo. Durante essa breve permanência aqui, ele tinha abraçado todas as leis de uma vida que se vive em relação com o céu e não em relação com esta terra. Seu lugar, enquanto vivia aqui, estava no seio do Pai (com Deus, e não neste mundo). Ele viveu por meio das leis dessa relação, e o fez assim para mostrar ao futuro o fato de que o homem é chamado a viver para Deus. É verdade que ele era Deus. Essa não é a questão pelo momento. Mais bem, enfatizamos o outro lado para compreender porquê era necessário que ele vivesse aqui; e isto, para estabelecer, adiante, o fato de que o homem pode ainda viver sobre a terra e ser governado por leis que, sendo obedecidas, o farão algo mais do que um homem deste mundo. Isto pode soar complicado, mas pode resolver-se num fato singelo: Ele viveu como um homem neste mundo, ainda que não foi parte dele. E para fazê-lo, ele teve que se mover, governado por leis que não eram as leis deste mundo senão as leis do céu. Esta é uma fase de sua vida que sintetiza o que viemos dizendo.
 
b) Ainda que está no céu, ainda está expressando sua vida celestial na igreja por meio do Espírito Santo. Tudo está reunido nisto. O Espírito Santo foi enviado com o objetivo primordial de reproduzir a Cristo na igreja e, deste modo, constituir à igreja num Homem Celestial conforme a Cristo. Assim, para nós se volta imprescindível conhecer que é a vida no Espírito. Aquilo que o Senhor está procurando em forma preeminente durante esta geração é um povo espiritual que se encontre em posse de um conhecimento, um entendimento e uma percepção dele mesmo, o qual é um assunto inteiramente diferente de tudo quanto possui o homem natural... e que, em conseqüência, será aquilo que vai permanecer quando tudo o mais se for (e perdurará através de todas a provas e todas as dificuldades). É o conhecimento interior de Deus numa forma sempre crescente.
O cuidado do Senhor para nós neste tempo está relacionado com que deveríamos saber que a mente de Deus se acomoda a uma mente espiritual, constituída de acordo com Cristo nos céus por meio do Espírito Santo (o Espírito reproduzindo em nós a vida, a mente, a inteligência do Senhor Jesus, segundo o Homem Celestial de Deus). Se a característica mais importante da espiritualidade é a inteligência espiritual, que implica conhecer ao Senhor na íntima forma de seu pensamento e de seu propósito (isto é, do que se conforma a Deus), porque isto é o que vai sobreviver a todo resto; que seja isto o que se queira ao permanecer na preeminente e suprema atividade de Deus nesta dispensação. Este mundo, e todas as coisas relacionadas com ele, não vai ser o último. Em conseqüência, não afundaremos nossas raízes nele; não estabeleceremos fundamentos profundos nele; e não edificaremos em união com ele (com o nome de Deus sobre isso), nem sequer de uma maneira religiosa. Você e eu devemos entrar na suprema atividade de Deus nesta dispensação, a qual consiste em tirar fora deste mundo, em associação consigo mesmo, aquilo que permanecerá eternamente quando tudo o mais tenha passado.
 
 

Por Theodore Austin-Sparks

 

Devo contribuir?
Ao receber o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador, uma das primeiras coisas que você irá aprender é que Deus é amor. Como resultado disto, você logo perceberá que o amor precisa de uma forma prática para se expressar. Você aprenderá que há uma relação entre amar e dar. Deus é um Deus que nos dá muitas coisas. Amar e dar estão intimamente ligados nas Escrituras. “O Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim” (Gl 2:20), e “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito” (Jo 3:16). Continuar Lendo...
Desenvolvido por Palavras do Evangelho.com