O Homem que Recebe Visão Espiritual

"Um anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Dispõe-te e vai para o lado do Sul, no caminho que desce de Jerusalém a Gaza; este se acha deserto. Ele se levantou e foi. Eis que um etíope, eunuco, alto oficial de Candace, rainha dos etíopes, o qual era superintendente de todo o seu tesouro, que viera adorar em Jerusalém, estava de volta e, assentado no seu carro, vinha lendo o profeta Isaías. Então, disse o Espírito a Filipe: Aproxima-te desse carro e acompanha-o. Correndo Filipe, ouviu-o ler o profeta Isaías e perguntou: Compreendes o que vens lendo? Ele respondeu: Como poderei entender, se alguém não me explicar? E convidou Filipe a subir e a sentar-se junto a ele. Ora, a passagem da Escritura que estava lendo era esta: Foi levado como ovelha ao matadouro; e, como um cordeiro mudo perante o seu tosquiador, assim ele não abriu a boca. Na sua humilhação, lhe negaram justiça; quem lhe poderá descrever a geração? Porque da terra a sua vida é tirada. Então, o eunuco disse a Filipe: Peço-te que me expliques a quem se refere o profeta. Fala de si mesmo ou de algum outro? Então, Filipe explicou; e, começando por esta passagem da Escritura, anunciou-lhe a Jesus. Seguindo eles caminho fora, chegando a certo lugar onde havia água, disse o eunuco: Eis aqui água; que impede que seja eu batizado? Filipe respondeu: É lícito, se crês de todo o coração. E, respondendo ele, disse: Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus. Então, mandou parar o carro, ambos desceram à água, e Filipe batizou o eunuco. Quando saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou a Filipe, não o vendo mais o eunuco; e este foi seguindo o seu caminho, cheio de júbilo. Mas Filipe veio a achar-se em Azoto; e, passando além, evangelizava todas as cidades até chegar a Cesaréia" (At 8.26-40).


Nesse simples mas instrutivo incidente temos três partes: o etíope, o Espírito Santo e o instrumento humano, que é Filipe. O incidente se encaixa dentro da esfera da nossa atual meditação a respeito da visão espiritual.

O ETÍOPE
1 — Alguém que busca e se confessa cego
Quando observamos este etíope, logo vemos um cego que busca. Embora religioso e se movendo no círculo da antiga e bem estabelecida tradição religiosa, tendo estado em Jerusalém, no Templo, no próprio quartel-general, ainda está cego e continua um cego que busca. Isso fica bem claro pelas perguntas feitas a Filipe sobre as Escrituras. "Como poderei entender, se alguém não me explicar?... De quem . fala esse profeta? De si mesmo ou de outro?" O etíope é, sem dúvida, um homem sem visão espiritual; seus olhos do coração não foram iluminados. Mas o que é esperançoso sobre ele é ser manifestamente um homem cego.

2 - Alguém que busca e é humilde
Ele era um homem importante neste mundo, um homem de considerável responsabilidade, influência e posição; e por causa da sua posição ele poderia ter obstruído um pouco as coisas. Quando desafiado sobre o que lia, ele poderia ter fugido do ponto ou do centro da questão e dar um tipo de resposta evasiva, sem compromisso.
Sabemos como atuam as pessoas que não gostam de ser vistas como ignorantes, principalmente se são consideradas com alguma reputação, que têm uma posição para manter. Este homem, com tudo o que era entre os homens nesta terra, era manifestamente um homem cego. Sem qualquer proteção ou fuga, ele responde à pergunta de forma direta, honesta e franca. "Se entendo o que leio? Como poderei se alguém não me explicar?" Então, nessa abertura, ele buscou mais informação, explicação e iluminação. "De quem fala o profeta?"
Isso é muito simples, eu sei, mas é fundamental. E fundamental para qualquer tipo de entendimento espiritual. É básico para todo conhecimento espiritual e governa cada degrau de progresso nas coisas espirituais. A humildade desse grande homem é a chave para toda a história. Ele não procura dar a impressão de conhecer o que não conhece, de levar outros a pensar que ele entende quando não entende. Ele começa direto do lugar onde realmente estava. Ele sabia em seu coração que não entendia e não deu outra impressão, pelo contrário, deixou ser conhecido exatamente onde estava,
e isso proporcionou ao Senhor um caminho plenamente aberto.
Quem sabe não foi isso que o Senhor tinha visto havia muito tempo e foi a base da Sua contínua atuação? Ele sabia que tinha um homem em trevas em busca da luz, mas era perfeitamente honesto e humilde, e portanto podia Se mover soberanamente de formas maravilhosas sobre distâncias consideráveis e dar passos importantes.
Estes foram passos importantes tomados pelo Senhor a fim de encontrar aquela vida. Observe o que um coração nessas condições torna possível da parte do Senhor, o quanto o Senhor está preparado para realizar quando encontra um coração como este. Ele era um homem cego buscando a luz, mas manifestamente cego; por isso não demora muito para se tornar um buscador iluminado. O Senhor não deixa tal homem nas trevas; Ele lhe deu a luz que buscava.
E não podemos dizer que o Senhor lhe deu muito mais do que ele buscava? Creio que não estaremos acrescentando nada à história se dissermos que, ao seguir seu caminho regozijando, ele sentiu que havia recebido muito mais do que aquilo que havia se proposto a alcançar.
E sempre assim. Quando o Senhor faz uma coisa, Ele a faz adequadamente. Como disse Spurgeon: "Meu cálice transborda, e o pires também!". Quando o Senhor faz uma coisa, Ele a faz bem. O homem seguiu com um cálice cheio e transbordante, um buscador iluminado. Ele viera para ver o que todos os líderes religiosos dos seus dias não estavam vendo e não tinham condições de mostrar a ele.

3 — Um buscador que levou Deus a sério
Entretanto, a iluminação que ele recebeu trouxe um novo desafio, como sempre acontece. Cada medida de nova luz vinda do Senhor traz com ela um novo desafio, um desafio a alguma obediência prática.
Notemos um detalhe muito interessante e proveitoso dessa história. Isaías 53 trouxe Cristo à luz, e Filipe anunciou a Jesus naquela Escritura e o fato seguinte com o qual nos deparamos é: "Eis aqui água; que impede que seja eu batizado?". Você deve preencher algo aqui, caso queira ver como isso surge em Isaías 53. Deixo isso com você. Não vá adiante; pense nisso. Tudo o que vou dizer é que a revelação que chegou àquele homem, a iluminação dos seus olhos,
trouxe um desafio para obediência, e esse buscador iluminado não foi desobediente à visão celestial, mas prontamente enfrentou o desafio, pronto para correr o caminho do mandamento do Senhor, sem hesitação em obedecer à luz que havia recebido.
No tocante ao fato em si mesmo, tudo é muito simples, mas isso é a essência das coisas. Vemos um homem passando das trevas para a luz, da busca para um conhecimento arrebatador em seu coração; um homem titubeante transformado em alguém de posição firme; de coração desapontado em alguém que segue seu caminho regozijando. E as duas coisas que tornaram isso possível foram: 1) Uma humildade plena que não se preocupa absolutamente que sua ignorância se torne conhecida e a ausência de uma atitude fingida de saber mais do que aquilo que conhece; e 2) Sua pronta obediência à luz que recebeu. Temos que dizer deste homem: "Eis um coração honesto". E é assim que Deus trata com pessoas honestas. Elas recebem luz e recebem alegria.
Antes de deixarmos o etíope, precisamos dizer que ele é um homem que leva a sério as coisas. Gosto dele por sua determinação em conhecer e fazer. Ele vai direto ao alvo. O efeito debilitante do clima etíope não roubou dele sua energia espiritual. Ele se elevou acima disso e levou Deus a sério. Nenhum elemento de barganha, desculpa ou algo desse tipo é encontrado nele. Ele simplesmente determinou conhecer, se pudesse ser conhecido, e a fazer o que tivesse que ser feito quando fosse iluminado.
Ao homem que está resolvido a conhecer e a agir desse modo Deus vai Se mostrar da mesma forma. Deus é para nós o que somos para Ele; Deus não ficará em dívida com ninguém. Se você e eu levarmos Deus a sério e nos dispusermos para tudo aquilo que Ele quer que tenhamos e conheçamos, e não dermos importância a nós mesmos, mas descermos para o nível onde real e verdadeiramente estamos, com toda a humildade, e decidirmos fazer qualquer coisa que o Senhor nos mostrar, através da Sua graça, sem qualquer hesitação, descobriremos que, a longo prazo, Deus não ficará em dívida conosco, mas nos satisfará plenamente.
A história desse homem recebeu um registro imortal. Ela aparece nos Atos do Espírito Santo, e quando você pergunta: "Por que este homem foi incluído no registro e sua
história transmitida de era em era, até chegar a esse tempo?", a resposta é o que dissemos: ele era um homem que levou Deus a sério, foi aberto ao Senhor, honesto em seu coração, humilde em espírito e obediente à luz que possuía.

O ESPÍRITO SANTO
1 - A Base que Ele Exige
A segunda parte na história é o Espírito Santo, e é necessário apenas uma breve palavra. Na realidade Ele é a primeira parte no assunto todo, mas eu O menciono em segundo lugar aqui porque talvez seja mais útil examinar o incidente nesta ordem.
O Espírito Santo tinha consciência de tal homem, e Ele sempre tem consciência de tal homem. Existe um aspecto no qual o etíope deve aparecer antes do Espírito Santo. Você entende o que quero dizer com isso. Antes de o Espírito Santo poder realizar Sua obra, Ele deve ter algo sobre o que operar que satisfaça Suas exigências; e o Espírito Santo tinha conhecimento deste homem, de sua busca e do seu coração; e o Espírito Santo sempre tem consciência de tais pessoas e sabe onde elas estão.

2 - Como Ele E Impedido
Existe uma história enorme relacionada com tal declaração. Se nós apenas a conhecêssemos, uma porção de problemas seria resolvida por tal entendimento. Aí está a grande pergunta que sempre nos confronta: por que alguns saltam para a luz e prosseguem e outros não, mas ficam sempre atrás e parece que nunca mais conseguem ver?
Será que há uma escolha da parte de Deus, uma espécie de eleitos entre os eleitos que Ele tem? Ele tem favoritos? Penso que não. Creio que grande parte da resposta está aqui, a saber: Deus tem que tratar com aquilo que Ele encontra, sejam pessoas que O levam a sério ou não, se Ele tem um caminho claro ou não, se o terreno já está ocupado ou não por aquilo que é um obstáculo para Ele.
Não creio que as pessoas possam vir a falhar em receber toda a luz que o Senhor quer que tenham se elas realmente levarem Deus a sério. O Espírito Santo nos conhece. Ele olha direto para os nossos corações e sabe se levamos a sério. Ele
vê exatamente aquilo que O limita e quão longe pode ir. O Senhor não vai coagir ninguém. Se estamos voltados para nós mesmos, ocupados conosco, girando ao nosso redor, centralizados em nós, então o Espírito Santo não tem chance. Temos que chegar ao fim de nós mesmos. Esta é a dificuldade de muitas pessoas: estabeleceram uma obsessão consigo mesmas e o tempo todo andam em círculos e voltam ao mesmo ponto onde começaram. Tudo gira em torno delas, e o resultado é esgotamento. Em pouco tempo terão um choque terrível que envolve tudo o que supostamente defendem e representam pelo Senhor, e tudo cairá com elas. O Espírito Santo não tem um caminho livre. Temos que sair do caminho, no que diz respeito a essa ocupação do ego, se desejamos prosseguir reto e adiante. Ele sabe exatamente onde estamos, se estamos amarrados por coisas, coisas religiosas, tradições etc. Amarrados de tal forma que não estamos abertos para o Senhor e sem perspectiva de receber qualquer outra luz d'Ele. Já temos tudo ou então o povo com o qual estamos associados já tem tudo, e somos parte disso! Você sabe o que quero dizer.
O Espírito Santo não pode fazer muito com aqueles que estão numa tal posição, e Ele sabe. Sua atitude é: "E inútil; não posso fazer muito aqui; estão muito amarrados". Entretanto, se estivermos preparados para abandonar tudo na água1, então o Senhor pode avançar e conseguir um caminho livre. O Espírito Santo sabe. Ele conhece você e a mim. Ele nos conhece muito mais do que nós mesmos nos conhecemos. Podemos ter pensado que levávamos a sério as coisas e oramos muito por um longo tempo, clamando ao Senhor para fazer algo, mas o Espírito Santo sabe muito bem que ainda não chegamos ao fim de nós mesmos e dos nossos interesses. Algo mais deve ser feito a fim de nos levar ao desespero, antes que Ele possa realizar o que deseja. Mas Ele sabe: eis a questão. Ele conhecia aquele homem e sabia que não precisava fazer muito para começar com ele visando alcançar um caminho livre. Ele aproveitou a oportunidade apresentada e pôde agir soberanamente; e assim fez para satisfazer esta necessidade.
1 Como fez o eunuco (N. do E.).

3 - O Instrumento Humano
A terceira parte é o instrumento humano, Filipe, o meio pelo qual, por um lado, o cego que busca teria seus olhos abertos e, por outro lado, o Espírito Santo poderia realizar Sua obra. Todos queremos estar naquela posição em que, por um lado, homens e mulheres realmente honestos, genuínos e sérios podem encontrar o que buscam através da nossa instrumentalidade, caso seja da vontade de Deus, e, por outro lado, o Espírito Santo possa encontrar em nós um vaso para usar onde houver necessidade. Certamente não há nada que desejamos mais do que isso, apenas ser como Filipe era.
Entretanto, mesmo no caso de Filipe, não se tratava de ele ser uma espécie de mecanismo automático, que funcionava com seu querer ou não. Havia coisas sobre Filipe que constituíram o terreno para o Senhor. Eram questões simples, e todavia não como as tais que são fáceis na vida prática e na realização.
Filipe estava à disposição do Espírito Santo sem qualquer dúvida, e se você observar verá que isso significava algo em seu caso. Ele estava ali em Samaria. Muitos se voltavam para o Senhor, uma grande obra da graça estava acontecendo, tão grande que os apóstolos tiveram que ser enviados de Jerusalém para tratar com a situação; e Filipe era o principal instrumento naquela obra.
Um homem pode ter grandes questionamentos quando está totalmente envolvido em algo assim, e o Senhor repentinamente lhe diz: "Agora, Filipe, quero que deixes tudo isso e desça para o lugar que está deserto. Não vou te dizer por quê, nem o que estou para fazer. Digo apenas: vá para o deserto". Ele poderia ter dito: "Mas, Senhor, e a obra aqui? Senhor, contemple esta porta enorme de oportunidade; veja o que estou fazendo e no que estou envolvido! O que acontecerá aqui se eu a deixar?".
Muitas perguntas como essas podem ter se levantado. Ele poderia ter tido sérias reservas e colocá-las no caminho do Senhor, mas nada disso lemos a seu respeito. O Senhor simplesmente falou, e Filipe estava tão completamente à disposição do Senhor que, sem quaisquer perguntas, se moveu.
Que coisa tremenda é estar livre para o Senhor, livre para o Senhor, estar à disposição do Senhor de tal forma a não haver dificuldade para deixar qualquer coisa e nos ajustarmos completamente a uma nova situação, se o Senhor assim determinar. E uma coisa grande.
Assim Filipe estava à disposição do Senhor, e isso é um fator enorme numa obra como essa de levar luz aos cegos que buscam. Ele não foi apenas a resposta para a necessidade do homem, mas a resposta para a necessidade do Espírito Santo, à disposição do Senhor, respondendo sem hesitação à sugestão do Senhor. Ele não demorou, mas respondeu prontamente: "O Senhor falou; avancemos com Ele e deixemos a responsabilidade com Ele".
Tudo saiu bem, e o que foi feito foi algo seguro. Ora, o Senhor nunca Se explica antecipadamente. Ele nunca nos diz de antemão como será feito e o que irá fazer. Ele sempre coloca diante de nós um desafio para crermos nEle e isso sempre traz muitas oportunidades para argumentação se assim o desejarmos; muitos motivos, humanamente falando, para questionarmos. Aquele que conhece o Espírito sabe muito bem que a justificação há de vir através da linha da obediência imediata.
Essa é a história; simples, linda, mas cheia de princípios vitais para a iluminação. Se você quer ver pessoas prosseguindo, estas são as coisas que o Senhor requer. Se você quer prosseguir, estas são as coisas que estão por trás de todo avanço espiritual, todo salto para a luz, para o conhecimento, para uma maior plenitude do Senhor.
Observe novamente este homem. E uma história fantástica. Como sabemos, a Bíblia apresenta a Etiópia como um tipo das trevas; mas aqui as trevas foram transformadas em luz, no completo resplendor do meio-dia. Cristo é isso, e esta é a base sobre a qual isso é realizado, a saber, um coração transparente, humilde, determinado e honesto na sua busca.
Não sei o que o Senhor pode estar lhe dizendo, mas para nós o pivô de toda a questão é: "Eis aqui água!". Não estou dizendo que o batismo é o pivô, mas que este é representado pelo batismo. Estamos preparados para ver tudo ir para a sepultura? Temos algo a que estamos nos apegando, nossa posição, nossa reputação, nosso status e tudo mais? Ou tudo está indo para a sepultura?
O Senhor tem aqui não um homem que diz: "E necessário que eu seja batizado; mas será que devo ser batizado? Certamente que se o Senhor assim exige, buscarei graça". Não, mas temos um homem que diz: "Eis aqui água, o que impede?". Esse é um ângulo totalmente diferente.

"Diga-me qualquer coisa que impeça e vou tratar com ela!". Tenha um espírito como este. "Se você puder me mostrar qualquer coisa que impede meu progresso no caminho que o Senhor indica, eu tratarei com ela. O que o Senhor quer, Filipe? Você pode me apontar algum impedimento?" Filipe não encontrou nenhum empecilho, mas tudo cooperava. Ambos desceram à água e Filipe o batizou. Que o Senhor possa colocar em nossos corações o significado disso e nos permitir sermos bons etíopes nesse sentido espiritual.


Por Theodore Austin-Sparks

 

 

 

Devo contribuir?
Ao receber o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador, uma das primeiras coisas que você irá aprender é que Deus é amor. Como resultado disto, você logo perceberá que o amor precisa de uma forma prática para se expressar. Você aprenderá que há uma relação entre amar e dar. Deus é um Deus que nos dá muitas coisas. Amar e dar estão intimamente ligados nas Escrituras. “O Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim” (Gl 2:20), e “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito” (Jo 3:16). Continuar Lendo...
Desenvolvido por Palavras do Evangelho.com