A EXPERIÊNCIA DOS CRENTES ANÍMICOS

 Inevitavelmente, a alma varia de uma pessoa para outra. Não pode

ser estereotipada. Cada um de nós tem uma individualidade particular,
algo único, que se estenderá por toda a eternidade. Não é destruída
quando tem lugar a regeneração. De outro modo, na eternidade, a vida
seria completamente monótona! Bem, como há variação nas almas dos
homens, naturalmente deduz-se que a vida dos cristãos anímicos
igualmente variará de pessoa a pessoa. Conseqüentemente, podemos falar
aqui só em termos gerais, e meramente apresentaremos os traços mais
proeminentes com os quais, basicamente, os filhos de Deus podem
comparar suas próprias experiências.
Os cristãos anímicos são excepcionalmente curiosos. Por exemplo,
pelo mero desejo de conhecer o que lhes reserva o futuro, tratam de
satisfazer sua curiosidade e estudam conscientemente as profecias da
Bíblia.
Os cristãos carnais têm tendência a mostrar suas diferenças e
superioridades no vestir, no seu modo de falar e em seus atos. Desejam
causar impressão nas pessoas para que sejam reconhecidas todas suas
obras.
Naturalmente, essa tendência pode já ter existido neles antes da
conversão; mas acham muito difícil vencer esta propensão natural, depois.
Ao contrário dos cristãos espirituais, que procuram não tanto a explicação
como a experiência de ser um com Deus, esses crentes procuram
diligentemente uma compreensão na mente. Gostam de discutir e
raciocinar. O fracasso em fazer com que seus ideais se transformem em
realidade não é o que os preocupa; é sua incapacidade para compreender
esta falta de experiência espiritual que os perturba! Assumem que
conhecer mentalmente é possuir na experiência. Isto é um grande engano.
Muitos crentes anímicos adotam uma atitude de justiça própria,
embora freqüentemente seja difícil perceber. Aferram-se tenazmente às
mínimas opiniões. Sem dúvida, é correto manter as doutrinas básicas e
essenciais da Bíblia, mas certamente podemos nos permitir conceder certa
margem de tolerância em questões menores. Podemos ter a convicção de
que o que acreditamos é verdade absoluta; porém, se engolirmos o camelo
mas tentarmos peneirar o mosquito, isso absolutamente não agradará a
Deus. Deveríamos pôr de lado as diferenças pequenas e prosseguir para o
objetivo comum.
Às vezes, a mente dos cristãos anímicos é assaltada pelo espírito
maligno; daí seu pensamento se torna confuso, misturado e, às vezes,
poluído. Em suas conversas, freqüentemente respondem o que não lhes
foi perguntado; sua mente se embota; trocam o tópico da discussão com
freqüência, demonstrando o quanto seus pensamentos estão dispersos.
Mesmo que orem e leiam a Bíblia, sua mente se perde na lonjura. Embora
estes cristãos geralmente atuem de forma que raramente põem em ordem
seu pensamento sobre alguma coisa com antecipação, podem dizer aos
outros que sempre operam sobre princípios e que consideram
cuidadosamente cada ação, inclusive citando alguns incidentes de suas
vidas para corroborar suas pretensões. Embora pareça estranho, de vez
em quando pensam três e até dez vezes antes de executar um ato. Suas
ações são verdadeiramente imprevisíveis.
Os crentes carnais são facilmente mutáveis. Há ocasiões em que
estão extremamente entusiasmados e contentes; em outras, abatidos e
tristes. Nos momentos de felicidade podem julgar que o mundo é muito
pequeno para contê-los, por isso se elevam pelos ares, asas do vento, para
os céus; mas nos momentos de tristeza chegam à conclusão de que o
mundo já está farto deles e de boa vontade se desembaraçariam de sua
pessoa. Há ocasiões de entusiasmo em que seus corações são agitados
como se fosse por um fogo ardendo dentro, ou como se tivessem
subitamente achado um tesouro. Igualmente há horas de depressão em
que seu coração não pode ser estimulado, mas sim cedem a um
sentimento de perda que os deixa extremamente deprimidos. Seu gozo e
sua pena igualmente dependem principalmente do sentimento. Suas vidas
são suscetíveis de mudanças constantes, porque são governados por suas
emoções.
A hipersensibilidade é outro traço que geralmente marca os
anímicos.      LER MAIS...
 

 

 

 

 

 

 

 

 

Devo contribuir?
Ao receber o Senhor Jesus Cristo como seu Salvador, uma das primeiras coisas que você irá aprender é que Deus é amor. Como resultado disto, você logo perceberá que o amor precisa de uma forma prática para se expressar. Você aprenderá que há uma relação entre amar e dar. Deus é um Deus que nos dá muitas coisas. Amar e dar estão intimamente ligados nas Escrituras. “O Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim” (Gl 2:20), e “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito” (Jo 3:16). Continuar Lendo...
Desenvolvido por Palavras do Evangelho.com