Outro aspecto em que as assim chamadas "igrejas" da cristandade se distanciaram da ordem estabelecida por Deus é o lugar e ministério das irmãs. Alguém poderia perguntar: "Vocês acreditam que uma irmã possa ministrar?". Nossa resposta seria: "Sim, pois é o que ensinam as Escrituras". Em Romanos 16:1 diz: "Recomendo-vos, pois, Febe, nossa irmã, a qual serve na igreja que está em Cencréia". Na verdade acreditamos que Deus gostaria que todas as irmãs na igreja fossem ministras – isto é, no sentido
bíblico da palavra. Todavia, se a pergunta for feita usando o termo "ministro" do modo como é comumente utilizado, o que implica reconhecer a falsa posição ocupada pelo clero, então de maneira nenhuma poderíamos acreditar que uma irmã – ou mesmo um irmão – deveria ocupar tal posição clerical. As Escrituras deixam bem claro que o papel da mulher na igreja não é desempenhado em público. Quando a Bíblia fala da oração em público, ela diz: "Quero, pois, que os homens orem em todo o lugar" (1 Tm 2:8). Deus não diz o mesmo para as mulheres. Evidentemente elas devem orar, mas não em todo o lugar – isto é, não em um evento público. 
No que diz respeito ao ensino e à pregação, a Palavra de Deus diz: "As vossas mulheres estejam caladas nas igrejas; porque não lhes é permitido falar; mas estejam sujeitas, como também ordena a lei" (1 Co 14:34-38). E também: "A mulher aprenda em silêncio, com toda a sujeição. Não permito, porém, que a mulher ensine, nem use de autoridade sobre o marido, mas que esteja em silêncio. Porque primeiro foi formado Adão, depois Eva. E Adão não foi enganado, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão" (1 Tm 2:11-14). Se fosse para as mulheres ministrar a Palavra publicamente na assembleia, Paulo as teria incluído em suas instruções para o ministério público. Mas em 1 Coríntios 14:29, onde ele dá essas instruções, ele diz: "Falem dois ou três profetas...". Ele não diz "Falem duas ou três profetisas". Na verdade, na igreja em Tiatira havia uma mulher que tinha assumido o
papel de ensinar, mas o Senhor mostra Sua desaprovação dizendo: "Tenho contra ti que toleras [permites] Jezabel, mulher que se diz profetisa, ensinar" (Ap 2:20).
Da mesma forma, quando se trata de exercer autoridade nas questões administrativas de uma assembleia local, a Palavra de Deus diz que alguém que ocupe essa posição deve ser "marido de uma mulher" (1 Tm 3:2). Acerca disso a Palavra de Deus também diz:
"Congregaram-se, pois, os apóstolos e os anciãos para considerar este assunto" (At 15:6, 7). Não há menção de mulheres (ou jovens) envolvidas neste trabalho administrativo. Além disso, quando aqueles homens se reuniram para tratar de questões administrativas, Pedro dirigiu-se a eles, dizendo: "Homens irmãos...". A expressão ali é claramente restrita aos homens. Pedro não se dirigiu às mulheres porque elas não estavam ali. Isto demonstra que as mulheres, apesar de terem um papel importante na assembleia, não faziam parte da liderança administrativa na igreja. As Escrituras falam de "homens distintos [ou principais] entre os irmãos", mas nunca fala de mulheres tomando a liderança entre os irmãos (At 15:22). Elas não deveriam exercer "autoridade" sobre os homens (1 Tm 2:12).
 
O ministério das irmãs
Portanto fica evidente que as Escrituras afirmam que as irmãs não devem ter um papel no ministério público, mas elas têm um importante ministério a desempenhar para o Senhor – para o qual os homens geralmente não estão capacitados. O ministério das mulheres é na esfera da vida doméstica e privada; elas não precisam competir com os irmãos na esfera do ministério público e administrativo. As Escrituras dizem: "As mulheres idosas... que ensinem as mulheres novas a serem prudentes, a amarem seus maridos, a amarem seus filhos, a serem moderadas, castas, boas donas de casa, sujeitas a seus maridos, a fim de que a palavra de Deus não seja blasfemada" (Tt 2:4-5). E também: "Quero, pois, que as que são moças se casem, gerem filhos, governem a casa..." (Tm 5:14)."A tua mulher será como a videira frutífera aos lados da tua casa; os teus filhos como plantas de oliveira à roda da tua mesa" (Sl 128:3). Há muitas outras passagens que mostram a esfera na qual as irmãs devem ministrar.
É triste vermos que em quase todas as assembleias de cristãos nos dias de hoje esta ordem não é observada. As mulheres estão pregando e ensinando em púlpitos, e também ocupam postos de liderança nas várias "igrejas". As Escrituras que citamos costumam ser distorcidas ou consideradas antiquadas e discriminatórias. Com muita frequência vemos uma inversão na ordem do ministério de irmãos e irmãs. Por exemplo, ouvimos falar de irmãos (no papel do "Pastor") que têm encontros em particular com mulheres – geralmente mulheres jovens – com o objetivo de aconselhá-las em sua vida pessoal. É frequente pessoas assim acabarem caindo em algum tipo de imoralidade, para desonra do Senhor.
Temos um artigo que mostra que mais de 80 % dos homens no "ministério" que caíram em imoralidade chegaram a tal ponto como resultado de sessões de aconselhamento! 
Muito disso teria sido evitado se esse ministério na igreja fosse desempenhado por mulheres.
As Escrituras indicam que esse ministério de aconselhamento pessoal para mulheres não é para os irmãos; trata-se de um ministério de responsabilidade das irmãs, de preferência irmãs mais velhas. Isto é ensinado na epístola de Paulo a Tito. Dentre outras coisas (como a tarefa de escolher presbíteros), Tito recebeu o encargo de transmitir uma palavra de exortação dirigida às diferentes classes de crentes que havia em Creta. Ali ele deveria entregar algo para "os velhos", "mulheres idosas", "jovens [moços]", e "servos" (Tt 2:1-10). Tito tinha a incumbência de entregar essas mensagens pessoalmente a cada um deles – exceto às mulheres jovens. Paulo o instrui especificamente para que dissesse às mulheres mais velhas que entregassem a mensagem às mulheres jovens. Esse trabalho pastoral dedicado às jovens não era a esfera do ministério de Tito. William Kelly escreveu: "Podemos observar a maneira sábia e santa como ele [Tito] é instruído a admoestar as mulheres jovens, não diretamente, mas por intermédio das anciãs". Se, por alguma razão, um irmão precisar estar envolvido nesse tipo de aconselhamento, que o faça na companhia de sua esposa. Este é apenas um exemplo de um ministério que Deus deu às irmãs e que não foi concedido aos homens.
Ao desejar fazer a vontade de Deus, as irmãs que aceitaram a ordem de Deus no que concerne à sua esfera de ministério, encontraram uma paz e um contentamento impossíveis de serem descritos com palavras.
 
Três razões pelas quais as irmãs ocupam um lugar de subordinação no cristianismo
Entendemos que este não é um assunto muito popular hoje em dia, e será particularmente difícil de ser aceito por alguns que se apoiam na filosofia do "Movimento de Liberação Feminina". Apesar dessa filosofia popularmente aceita em nossos dias, a Bíblia apresenta ao menos três razões pelas quais as irmãs devem ocupar um lugar de submissão no cristianismo. Após o apóstolo Paulo ter falado do lugar das irmãs na casa de Deus em 1 Timóteo 2:9-12, ele continuou para nos ensinar a razão disso. Para isso ele usa a palavra "porque" no versículo seguinte (13).
 
1) Criacional – "Porque primeiro foi formado Adão, depois Eva" (1 Tm 2:13). Deus poderia ter feito o homem e a mulher ao mesmo tempo, mas Ele decidiu fazer primeiro Adão. Deus fez assim para indicar que foi a Sua intenção desde o princípio que o homem tivesse o lugar de liderança na criação. Os homens não conquistaram ou tomaram esse lugar – como alguns costumam pensar – mas foi dado a eles por Deus. Além disso, o fato de Deus ter feito o homem como o sexo mais forte entre os dois também indica que foi da vontade de Deus que ele ocupasse o lugar de líder (1 Pd 3:7). É preciso considerar também que faz parte da própria natureza feminina ser mais emocional. Esta característica é extremamente necessária para ela exercer seu trabalho na esfera que Deus lhe designou, mas pode ser desastrosa na administração e em outras responsabilidades de liderança, nas quais as emoções precisam ser mantidas sob controle. Deus deu a mulher ao homem para ser sua auxiliadora e complemento, não sua concorrente (Gn 2:18; 1 Co 11:9). Os dois se complementam maravilhosamente quando atuam dentro dos papéis que Deus lhes designou.
 
2) Governamental – "E Adão não foi enganado, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão" (1 Tm 2:14). Paulo segue apresentando uma segunda razão. A falha ocorreu quando Eva agiu de forma independente, assumindo assim a liderança na família de Adão. Daquele dia em diante o seu lugar seria de sujeição ao seu marido. Isto decorre do julgamento governamental de Deus e pode parecer um pouco severo, mas foi o que o Senhor disse à mulher: "O teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará" (Gn 3:16). A irmã que reconhece o lugar que Deus lhe deu, e se submete à Sua vontade neste sentido, pode ser de verdadeira bênção (Sl 128:– "frutífera"). Nas Escrituras as mulheres que se recusaram a aceitar o lugar que Deus lhes designou, e assumiram a liderança, geralmente foram a causa de confusão e ruína (Gn 3:6; 1 Rs 21:25; 2 Rs 11:3; Mt 13:33; Ap 2:20; 1 Co 14:33-34). Não devemos pensar que as decisões governamentais só atingiram a mulher. O homem também está sob o juízo governamental. Ele deve se submeter ao juízo governamental de Deus no lugar que lhe foi designado. Desde a queda de Adão tem sido responsabilidade do homem trabalhar com afinco para prover alimento e abrigo, tanto para a mulher com quem estiver casado, como também à sua família (Gn 3:17-19). Um homem que não faça isso é considerado pior que um infiel (1 Tm 5:8).
 
3) Testemunhal – Em outra parte o apóstolo Paulo diz: "Vós, mulheres, sujeitai-vos a vossos maridos, como ao Senhor; porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo. De sorte
que, assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seus maridos... Grande é este mistério; digo-o, porém, a respeito de Cristo e da igreja" (Ef 5:22-24, 32). Esta é uma terceira razão pela qual as mulheres
cristãs devem assumir um lugar de submissão. As irmãs que estão no relacionamento do matrimônio podem, por sua sujeição ao marido, exibir para o mundo uma pequena figura da submissão da igreja a Cristo.
 
"Mas a Bíblia diz que as mulheres devem orar e profetizar!"
Há quem não acredite que as passagens que falam do lugar da mulher em 1 Coríntios 14:33-38 e 1 Timóteo 2:11-14 estejam se referindo à pregação e ao ensino, pois se assim fosse elas estariam contradizendo 1Coríntios 11:5, que diz: "Toda a mulher que ora ou profetiza...". O argumento utilizado é o de que Deus não teria dito para as mulheres orarem e profetizarem em um lugar da Bíblia, para depois dizer o contrário em outro. A conclusão a que chegam é que o "falar" em 1 Coríntios 14 deve estar se referindo a algum problema local em Corinto, onde as mulheres estariam interrompendo a adoração da congregação fazendo perguntas fora do contexto, perguntas essas que poderiam ser feitas em casa.
Antes de qualquer coisa, se cremos que a Bíblia é inspirada pelo infalível Deus, então certamente devemos aceitar que não existem erros ou contradições em Sua santa Palavra. O "obreiro" precisa saber manejar bem a Palavra da verdade para encontrar o significado de uma passagem em particular (2 Tm 2:15). Se olharmos com atenção 1 Coríntios 11, veremos que o versículo que fala de mulheres orando e profetizando (vers. 5) vem antes das instruções dadas aos santos para quando eles estão reunidos (vers. 17). O versículo 17 neste capítulo marca um novo parágrafo e segue mostrando a ordem de coisas para quando os santos estão reunidos para a adoração e o ministério. Ali diz: "Nisto, porém, que vou dizer-vos não vos louvo; porquanto vos ajuntais, não para melhor, senão para pior. Porque antes de tudo ouço que, quando vos ajuntais na igreja...". Deste versículo em diante e ao longo do capítulo 14 o apóstolo trata de questões diretamente relacionadas ao momento em que os santos estão reunidos em uma assembleia. Isto é indicado por Paulo que repetidamente diz "Quando vos ajuntais" (1 Co 11:17, 18, 20, 33, 34; 14:23, 26). Conforme temos dito, os versículos que se referem à mulher que ora e profetiza são encontrados numa seção que precede as instruções para os santos quando estão reunidos. Isso demonstra que naquela passagem (vers. 2 a 16) ele não está se referindo especificamente às atividades dos santos quando reunidos para o ministério. O assunto ali é mais amplo, portanto inclui a esfera doméstica etc. R. K. Campbell escreveu: "Esta passagem (vers. 2-16) permite que a mulher faça essas coisas, mas não indica onde elas devem ser feitas. Mas o capítulo 14 fala especificamente que tal ministério das mulheres não é permitido na assembleia". Isso demonstra que Deus não impede as mulheres de orarem e profetizarem. Elas têm muitas oportunidades para fazerem isso na sua esfera doméstica, fora das reuniões públicas da assembleia. Portanto, não existe qualquer contradição entre as duas passagens. Uma está falando do momento quando os santos estão "na assembleia", como o versículo claramente indica (1 Co 14:34), enquanto a outra é genérica, e não específica à assembleia (1 Co 11:5).
Ao respondermos às objeções que costumam ser feitas às claras afirmações das Escrituras, somos constantemente confrontados com ideias que as pessoas introduziram nas Escrituras. A suposição de que as mulheres de Corinto estavam atrapalhando as reuniões com tagarelices ou conversas paralelas é um exemplo clássico disso. As Escrituras não dizem coisa alguma a respeito. O modo como o apóstolo Paulo tratava as Escrituras era exatamente o oposto ao dos cristãos de nossos dias. Ele não introduzia ideias nas Escrituras, mas procurava entender aquilo que saía das Escrituras (Atos 17:2).
Esta deveria ser uma diretriz para cada um de nós. 
Em seu contexto, o capítulo está tratando do exercício do dom de alguém de profetizar (ministrar) na assembleia, e não de tagarelar. A palavra no original, que é traduzida como "falar" em 1 Coríntios 14:34 e aplicada ali às mulheres, é a mesma usada em todas as outras partes do mesmo capítulo quando, por exemplo, diz "Falem dois ou três profetas..." e "Se alguém falar..." etc. Ninguém iria discutir que estas passagens significam "falar" no sentido de ministrar a Palavra. Mesmo assim, quando chegamos ao versículo no mesmo capítulo que proíbe as irmãs de falarem, alguns querem alterar o significado da palavra para "tagarelar". Parece que essas pessoas estão dispostas a aceitar qualquer tipo de explicação para o significado da palavra – mesmo uma explicação irracional – só para não admitirem que a passagem esteja se referindo à proibição de profetizar ou ministrar a Palavra. Essa insistência em distorcer a Palavra de Deus só acontece porque existem outros interesses: são pessoas que querem que as mulheres preguem a Palavra e buscam apenas uma desculpa para introduzir suas próprias ideias nas Escrituras.
 
"Mas não devemos fazer distinção entre homem e mulher na igreja!"
Outros concordarão que Deus tem papéis distintos para o homem e a mulher, e acreditam que estes devem ser observados, mas apenas nas relações da vida doméstica. Quando o assunto é a assembleia, eles acham que as distinções entre macho e fêmea não devem ser consideradas, pois a Palavra de Deus diz: "Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus" (Gl 3:28). Muitos teólogos acreditam que esta declaração universal se sobreponha às declarações mais restritivas feitas por Paulo em 1 Coríntios 14 e 1 Timóteo 2.
O equívoco está em não distinguir entre posição e prática. A chave que desfaz a confusão existente na mente de alguns está em compreender o que significa a expressão "em Cristo Jesus". Ela descreve nosso lugar de aceitação individual diante de Deus, a própria posição que Cristo ocupa agora como Homem na glória. A expressão mostra a completa posição que o cristão agora ocupa diante de Deus na nova criação, a qual está inseparavelmente associada à habitação do Espírito Santo no crente. Paulo usa essa expressão diversas vezes em suas epístolas (Rm 8:1; Ef 1:6; 2 Co 5:17; Gl 6:15; Ef 2:13 etc.). Gálatas 3:28 mostra que todos os crentes, independente de sua nacionalidade, nível social ou sexo, são igualmente abençoados nesse lugar de aceitação diante de Deus no céu. Trata-se de uma expressão posicional. Todavia, em 1 Coríntios 14 e 1 Timóteo 2 o assunto é a ordem prática das coisas entre os cristãos na terra. Há duas expressões que mostram essa diferença: "em Cristo Jesus" (Gl 3:28) e "nas igrejas" (1 Co 14:34). Uma fala daquilo que os santos são no lugar que Cristo ocupa diante de Deus no céu, enquanto a outra fala do que eles são quando estão reunidos para adoração e ministério na terra. Portanto, quando o assunto é seu lugar de aceitação em Cristo não existe diferença entre crentes, mas existe uma grande diferença quando o assunto é a função prática dos crentes na assembleia. Quando entendemos a diferença entre estas duas coisas, percebemos que o lugar e o serviço dos irmãos e das irmãs na assembleia são bem distintos.
 
"Mas aquelas coisas se aplicavam apenas a Corinto!"
Outros dizem que a proibição para as mulheres falarem na assembleia se aplicava somente à assembleia de Corinto, cidade particularmente conhecida por suas mulheres tagarelas e desavergonhadas. Supõe-se que essas mulheres em Corinto, após terem sido salvas, tenham continuado com seus velhos hábitos, e por isso acabavam atrapalhando as reuniões. A solução dada por Paulo para aquele problema local teria sido ordenar que ficassem em silêncio até que aprendessem a se comportar melhor. Conclui-se, portanto, que tal ordem não teria aplicação para as mulheres na igreja nos dias hoje.
Mais uma vez tudo não passa de mera suposição afirmar que as mulheres agiam assim. As Escrituras não dizem que havia tal problema. Além disso, é falsa a ideia de que tais instruções tivessem sido dadas apenas para Corinto. O início da epístola mostra que os princípios apresentados ali são destinados a muito mais do que apenas aquela assembleia; eles são para "todos os que em todo o lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo" (1 Co 1:2). A própria passagem em 1 Coríntios 14 nos diz claramente que tal ordem referia-se a "todas as igrejas dos santos" (1 Co 14:33-34).
 
"Mas não queremos afugentar as pessoas do cristianismo!"
Alguns acreditam que não deveríamos colocar em prática estas coisas, pois poderiam ofender pessoas incrédulas (principalmente mulheres) que observam o cristianismo. Eles acham que esse tipo de coisa poderia afugentar completamente as pessoas para longe de Deus, por dar a elas a impressão de que o cristianismo estaria colocando a mulher numa classe inferior. Este argumento sugere que aquilo que o mundo pensa do cristianismo é mais importante do que a obediência às Escrituras. Ele implica que é aceitável desobedecer a Palavra de Deus, se no final pudermos ganhar alguém agindo desta forma. Mas as Escrituras dizem que a obediência a Deus é mais importante do que qualquer culto que possamos oferecer a Ele. "Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar; e o atender melhor é do que a gordura de carneiros" (1 Sm 15:22). 
Devemos obedecer a Palavra de Deus antes de qualquer coisa, deixando para Deus os resultados do testemunho. Como já dissemos, nossa responsabilidade é cuidar dos princípios e deixar que Deus cuide das pessoas. Devemos lembrar que este é o trabalho dEle. Afinal, é Ele quem produz o exercício espiritual nas pessoas por meio de Seu poder vivificador. O Senhor elogiou a assembleia em Filadélfia dizendo: "tendo pouca força, guardaste a minha palavra, e não negaste o meu nome" (Ap 3:8). De modo algum poderíamos contar com Seu elogio e bênção caso viéssemos a desobedecer ao ensino claro de Sua Palavra. Façamos aquilo que sabemos que devemos fazer, e deixemos que Ele cuide do resto.
 
"Isso é coisa do velho Paulo!"
Outros consideram que o apóstolo Paulo escreveu essas coisas sobre o lugar da mulher por ser ignorante e insensível para com as mulheres. São pessoas que veem seus ensinos sobre o assunto como se não passasse de opiniões pessoais pelo fato de ele ser solteiro.
Ficamos em dúvida se pessoas que pensam assim acreditam na inspiração das Escrituras. Devemos nos lembrar de que essas coisas são as Escrituras divinamente inspiradas. Elas não são meras opiniões de um solteiro, mas sim mandamentos do Senhor! No mesmo capítulo em que Paulo falou essas coisas relacionadas ao lugar da mulher, ele também disse: "Se alguém cuida ser profeta, ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor" (1 Co 14:37).
 
Cobertura para a cabeça
Outra coisa que hoje tem sido desprezada entre os cristãos é o uso de cobertura para a cabeça. Em 1 Coríntios 11 temos instruções claras e explícitas dadas às irmãs para que tenham a cabeça coberta quando estiverem sendo tratados assuntos divinos. Já que a passagem das Escrituras não especifica onde a cobertura da cabeça deve ser usada, não temos autoridade para afirmar que ela se aplique apenas às reuniões da assembleia. Seu uso é mais amplo. Sua aplicação se estende a qualquer lugar onde a Palavra de Deus estiver sendo estudada, seja em reuniões públicas ou no estudo da Palavra em particular.
Costuma-se perguntar: "Por que Deus iria querer que as irmãs cobrissem a cabeça? Qual a utilidade disso?". Deus não apenas nos diz para fazer algo, mas Ele também explica a razão. É esta a beleza do cristianismo. Temos um "culto racional" (Rm 12:1). Quando entendemos a razão de Deus nos pedir para praticarmos algo, nossa obrigação é obedecer a Sua Palavra, pois então podemos fazer isso de forma inteligente e com um propósito. Isto contrasta com o culto que era oferecido sob a Lei; os israelitas não entendiam muito daquilo que faziam em seu culto a Deus.
O ato de descobrir a cabeça, por parte dos irmãos, e o cobrir a cabeça, pelas irmãs, são demonstrações dos princípios envolvidos na confissão cristã. O Apóstolo mostra no início do capítulo que no cristianismo a cabeça do homem representa Cristo. Paulo diz: "Mas quero que saibais que Cristo é a cabeça de todo o homem, e o homem a cabeça da mulher; e Deus a cabeça de Cristo" (1 Co 11:3). Em seguida ele mostra que, por esta razão, os irmãos devem descobrir a cabeça quando tratarem das coisas divinas. Ao fazerem assim eles reconhecem que toda glória pertence a Cristo. Trata-se de um ato deliberado de testemunho da parte dos irmãos, e reflete nosso desejo de conceder toda glória a Cristo, nossa Cabeça viva no céu. Paulo diz: "O homem, pois, não deve cobrir a cabeça, porque é a imagem e glória de Deus, mas a mulher é a glória do homem" (1 Co 11:7). Esta atitude glorifica a Cristo e deve ser feita tendo isto em vista. 
Por outro lado, no cristianismo a mulher representa a glória do homem. Ali diz: "O homem, pois, não deve cobrir a cabeça, porque é a imagem e glória de Deus, mas a mulher é a glória do homem. Porque o homem não provém da mulher, mas a mulher do homem. Porque também o homem não foi criado por causa da mulher, mas a mulher por causa do homem. Portanto, a mulher deve ter sobre a cabeça sinal de poderio [autoridade], por causa dos anjos" (1 Co 11:7-10). O cabelo da mulher é um sinal da glória natural do primeiro homem. O cabelo é seu véu permanente de beleza e glória (1 Co 11:15). O apóstolo ensinava que o cabelo da mulher deveria ser coberto quando estivessem sendo tratadas as coisas divinas, por causa do que o cabelo representa. Quando as irmãs usam uma cobertura na cabeça, elas estão proclamando o fato de que não reconhecemos o primeiro homem como tendo qualquer lugar no cristianismo. Trata-se de uma confissão de que o homem e sua glória não têm lugar nas coisas divinas.
Paulo acrescentou: "por causa dos anjos" (1 Co 11:10). Deus estabeleceu certa ordem em Sua criação. Homens e mulheres cristãs não devem negligenciar essa ordem, mas devem se lembrar de que são um espetáculo divinamente preparado. Os anjos estão aprendendo a sabedoria de Deus em Seu agir entre os cristãos na terra (1 Co 4:9; Ef 3:10).
 
"Cobrir a cabeça era um costume cultural antigo que não deve ser considerado hoje!"
Costuma-se argumentar que as instruções dadas pelo Apóstolo Paulo eram apenas para os Coríntios daquela época. Assim a cobertura da cabeça é descartada como sendo um antigo costume cultural que não tem qualquer aplicação para as mulheres de nossos dias. 
Mais uma vez, isso não passa de suposição. Paulo nunca disse que aquilo seria somente para a sua época. Se estas coisas fossem apenas para aquela época, por que razão a igreja observou as instruções do cobrir a cabeça desde o princípio até cerca de 50 anos atrás? São 1900 anos! Será que a igreja agiu de maneira errada todo esse tempo? O Espírito de Deus parece que já tinha em mente a nossa época, quando alguns argumentariam sobre estas coisas. Por isso Paulo foi levado a escrever: "Se alguém quiser ser contencioso, nós não temos tal costume, nem as igrejas de Deus" (1 Co 11:16). Este "nós" que aparece no versículo refere-se aos apóstolos que foram dados à igreja para colocar o fundamento do cristianismo por meio de seu ministério. O que ele está dizendo neste versículo é que se existirem pessoas que queiram argumentar sobre estas coisas, que elas fiquem cientes de que os apóstolos não têm "tal costume", o costume de as mulheres terem a cabeça descoberta quando as Escrituras fossem lidas.
Em momento algum os apóstolos haviam entregado tal costume à igreja. 
Mais uma vez lembramos o leitor de que as coisas que Paulo ensinou concernente ao cobrir a cabeça não foi algo dado exclusivamente aos Coríntios, mas é para ser praticado "em todo o lugar" (1 Co 1:2).
 
"Mas o cabelo da mulher é o seu véu!"
Outro argumento comumente usado para descartar o uso da cobertura é o versículo 15. 
Ali diz: "Mas ter a mulher cabelo crescido lhe é honroso, porque o cabelo lhe foi dado em lugar de véu". Usando este versículo  alguns argumentam que se a mulher tiver cabelo longo (e alguns que não precisa ser tão longo), então ela já estaria cumprindo esta passagem das Escrituras, pois seu cabelo funcionaria como um véu. Portanto, as mulheres não precisariam usar uma cobertura artificial para a cabeça por já terem uma cobertura proporcionada pelo cabelo.
Todavia, se olharmos com mais atenção para esta passagem, veremos que são mencionadas duas coberturas. Paulo propositalmente usa duas palavras diferentes para distinguir as duas coisas. Infelizmente na maioria das traduções isto não está indicado, e por isso o leitor acaba concluindo, em sua sinceridade, que o cabelo é uma cobertura suficiente para a mulher. Mas a palavra usada no idioma original para "cobrir" nos versículos 4 a 6 é diferente da usada no versículo 15. No versículo 15 a palavra original é 'peribolaiou' e indica o cabelo enrolado em torno da cabeça. Na linguagem moderna seria o equivalente a um penteado ou algo semelhante. Portanto, o cabelo da mulher é um véu (ou cobertura) de glória e beleza que a natureza lhe concedeu. Mas a palavra nos versículos 4 a 6, ' katakalupo', indica uma cobertura artificial para o cabelo, algo como um chapéu, lenço etc. Por isso fica bem claro que não existe fundamento para a ideia de que a mulher não precise colocar uma cobertura sobre a cabeça.
Alguns argumentos são levantados por pessoas que querem fazer sua própria vontade, e acabam se mostrando ridículos quando tratados de maneira lógica. Esta ideia, em particular, de que a mulher pode deixar de trazer uma cobertura por esta já ser suprida pelo cabelo, é um exemplo disso. Se o cabelo é a cobertura da qual fala a passagem, então os homens também trariam por natureza uma cobertura, pois eles têm cabelo tanto quanto as mulheres! E se o cabelo é uma cobertura, como poderiam os irmãos orar e profetizar em obediência à Palavra de Deus, se estiverem impedidos de ministrar a Palavra com a cabeça coberta? (1 Co 11:4). Será que Paulo queria que todos os irmãos que ministram a Palavra na reunião tivessem a cabeça raspada? Certamente aqueles que usam de tais argumentos não creem ser assim. E se eles acreditam que o cabelo seja um véu, por que não raspam a cabeça? Não conhecemos um grupo sequer de cristãos que faça isso. Evidentemente, não é de cabelo natural que a passagem está tratando ao falar do véu.
 
"Levando o Seu vitupério"
Quando analisamos o assunto do lugar e ministério das irmãs na igreja tendo em vista o declínio do testemunho cristão nos últimos dias, fica bastante óbvio que a recusa das mulheres em aceitar o lugar que Deus lhes designou é apenas mais uma evidência do grande abandono da verdade.
O problema disso – e de muitos outros assuntos que tratamos neste livro – é que os cristãos não quererem levar o vitupério ou a vergonha que está associada à prática do cristianismo bíblico. Como consequência, eles inventam todo tipo de desculpa para não seguir as simples declarações da Palavra de Deus. Aqueles que atenderem à exortação "saiamos, pois, a Ele fora do arraial" irão levar "Seu vitupério", "vergonha" ou "rejeição" (Hb 13:13). Não há como escapar disso; o cristianismo normal é assim.
Devemos, portanto, estar preparados para aceitar isso. Se por um lado podemos ser envergonhados por causa do nome do Senhor, por outro teremos também um senso de Sua aprovação em nossa alma. Isto porque existe um gozo na senda de se fazer a vontade de Deus, gozo este que só é conhecido daqueles que caminham nela.
"Deleito-me em fazer a Tua vontade, ó Deus meu" (Sl 40:8; Jr 15:16).
 
APRESENTAÇÃO
Há alguns anos li o livro "God's Order", escrito por Bruce Anstey, um irmão canadense com o qual tenho comunhão por estarmos congregados somente ao nome do Senhor Jesus, ele no Canadá e eu no Brasil. O que chamou minha atenção foi que o autor
conseguia colocar em ordem os principais tópicos que todo cristão sincero deveria buscar nas Escrituras para saber se está congregado segundo a ordem estabelecida por Deus, ou se apenas segue tradições criadas por homens.
O livro em inglês está agora na quarta edição, e recebi do autor autorização para traduzilo para o português. A fim de assumir um compromisso comigo mesmo de dedicar algum tempo à tradução, decidi criar este blog. Um blog público é uma excelente forma de eu me lembrar de que há pessoas esperando por novos trechos do livro, e isso me motiva a continuar traduzindo.
Espero que o livro "A Ordem de Deus" seja de auxílio para muitos irmãos e irmãs emCristo, e também se transforme em um instrumento a mais para glorificar a Deus, que não apenas "quer que todos os homens se salvem", mas também que "venham ao
conhecimento da verdade" 1 Tm 2:4.
Mario Persona
 
EXTRAÍDO DO LIVRO: A ORDEM DE DEUS - PARA OS CRISTÃOS CONGREGAREM PARA ADORAÇÃO E MINISTÉRIO
 
Autor: BRUCE ANSTEY
 
Tradução: MARIO PERSONA – 2011
 
Revisão: MARIA CRISTINA MARUCCI
 
A Resposta Bíblica à Ordem Eclesiástica Tradicional
 
Traduzido do original inglês: GOD’S ORDER FOR CHRISTIANS MEETING TOGETHER
 
FOR WORSHIP AND MINSTRY
 
Edição em inglês publicada por: CHRISTIAN TRUTH PUBLISHING 12048 – 59th Ave.
 
Surrey, BC V3X 3L3 CANADA
 
Primeira Edição (Inglês) - Junho 1993
 
Segunda Edição (Inglês) - Abril 1998
 
Terceira Edição (Inglês) - Março 1999
 
Quarta Edição (Inglês) - Julho 2010
 
Os versículos citados são da Bíblia Versão Almeida Corrigida Fiel ou Almeida Revista e Atualizada.
 
Literaturas em formato digital:
 
www.acervodigitalcristao.com.br
 
Literaturas em formato Impresso:
 
www.verdadesvivas.com.br
 
Evangelho em 03 Minutos:
 
www.3minutos.net
 
O que respondi:
 
www.respondi.com.br
 
Desenvolvido por Palavras do Evangelho.com